Formação

A Fé ressoa na política

comshalom

Exortando especialmente as nações ricas, o Papa Bento XVI bate sempre na tecla de que é imprescindível contemplar valores éticos nas medidas de superação da crise econômica. Esses mesmos critérios também devem ser adotados nas definições de prioridades e estratégias de funcionamento da economia. Sua Carta Encíclica Caridade na Verdade, de 7 de julho de 2009, é um tratado que argumenta o sentido e as razões de um compromisso com o desenvolvimento humano integral.

A luminosidade desta compreensão vem, incontestavelmente, da força da fé ressoando na política, entendida como exercício de cidadania, respeito à justiça, promoção dos direitos e guardiã do bem comum. O desenvolvimento humano integral só é bem entendido e praticado quando fundado na verdade e na caridade. A palavra de Deus tem propriedades singulares para iluminar e fecundar os temas sociopolíticos, econômicos e tecnológicos.

Neste sentido, a Doutrina Social da Igreja Católica tem embasamentos determinantes na vivência da cidadania e nos exercícios políticos de execução e legislação. O humanismo cristão é, portanto, uma contribuição que precisa ser conhecida e praticada para favorecer as metas de um desenvolvimento sustentável no lugar de um processo depredador que acaba excluindo Deus. É grande o risco dessa tendência, ou prática da exclusão de Deus, na consideração das realidades sociais e políticas.

A consequência desse caminho é um horizonte estreito e sempre sob névoas. Só o amor alarga horizontes e fecunda os critérios importantes na definição de prioridades e, particularmente, na consideração dos mais pobres e dos excluídos desta terra. A fé que precisa ressoar na política é a vivência do amor. Na sua Carta Encíclica, o Papa Bento XVI sublinha que o amor-caridade impele as pessoas a se comprometerem com generosidade e coragem, no campo da justiça e da paz. Esse amor tem força extraordinária de comprometimento e de lucidez na compreensão e na prática do bem porque tem origem em Deus.

A revelação plena do enraizamento amoroso de Deus se dá em Jesus Cristo, aquele que testemunhou com a própria vida a caridade na verdade. Não se pode pretender encontrar a verdade sobre si e vivenciar uma plena adesão a esta verdade para ser livre. Neste sentido, compreende-se que a defesa e adesão à verdade é uma nobilíssima vivência da caridade. A caridade é tudo, recordando que “Deus é amor”. E não se pode exclui-la dos âmbitos social, político, cultural, jurídico e econômico, sob o risco de prejuízos irreparáveis. A caridade supera a justiça porque quem ama doa-se, e alarga a medida da justiça. Enquanto esta exige que se dê o que é de direito, a caridade é a capacidade de dar, generosamente, do que é seu. Quem ama o outro com caridade será justo para com ele. Por isso, a justiça deve ser inseparável da caridade, que é maior do que aquela. O desafio de amar pela força moral advinda da vivência autêntica da fé explicita a exigência de que amar é querer o bem do outro, trabalhar por ele e pelo bem comum. O bem comum, portanto, é exigência da justiça e da caridade.

Vale ressaltar que a Igreja Católica não tem soluções técnicas, como não pretende imiscuir-se nas políticas dos Estados, respeitando a laicidade que têm. Mas, a Igreja tem uma missão a cumprir, e não pode, absolutamente, abrir mão ou ser omissa em favor de uma sociedade mais justa e solidária, comprometida com o ser humano e sua dignidade. Compreende-se a razão dessa posição, pois a Igreja tem a tarefa fundamental, e diária, de acompanhar e indicar o caminho da caridade na verdade. Ao realizar essa tarefa não mistura questões próprias da laicidade do Estado, mas fecunda uma compreensão que o Estado não pode prescindir, a visão de desenvolvimento humano integral. Ora, o Estado precisa avaliar-se permanentemente quanto ao seu poder e seu papel. A fé, pois, tem uma contribuição importante frente aos processos que mostram o crescimento da riqueza mundial e o respectivo aumento da desigualdade; a consideração da corrupção e da ilegalidade, e os desrespeitos aos direitos humanos.

É óbvio que a fé tem que ressoar na política, bastando pensar o desafio de preservação e respeito que é a valorização da pessoa humana na sua integridade. Assim, a fé tem iluminação para as mais diferentes realidades, evocando e remetendo a valores próprios e determinantes na fraternidade que há de fecundar o entendimento do desenvolvimento. Quando se pensa o desenvolvimento integral, fruto da ação política que determina rumos e escolhas de prioridades, remete ao sentido e configuração de direitos e deveres. À luz da fé, sua vivência e o lidar com seus valores têm uma contribuição importante. Em jogo está o respeito à vida humana, em todas as suas etapas, comprovando que há sempre ganhos quando a fé ressoa na política.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *