Formação

A finalidade de todas as obras é amor

O Catecismo da Igreja Católica (1827 e 826) nos aponta que a caridade inspira o exercício de todas as virtudes, ordenando-as e articulando-as entre si e, por isso, se desdobra na prática cristã.

“Se Deus viesse à nossa porta, como seria recebido? Aquele que bate à nossa porta, em busca de conforto para a sua dor, para o seu sofrimento, é um outro Cristo que nos procura”. Com esta frase, Santa Dulce dos Pobres nos ensina sobre a caridade e sobre o amor a Deus, que se manifesta no amor ao próximo.

Na vida desta santa brasileira, que faleceu no dia 13 de agosto de 1992 e foi canonizada em outubro de 2019, contemplamos uma serva de Deus que manifestava o seu amor a Ele cuidando dos doentes e mais necessitados, aqueles que poucos de nós estenderíamos a mão para socorrer.

Amar a Deus sobre todas as coisas

No livro de João, o Senhor nos revela a concretização do primeiro mandamento: amar a Deus sobre todas as coisas. Amor que se manifesta na caridade, no servir, no perdoar e no amor ao irmão. “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como Eu vos amei; que dessa mesma maneira tenhais amor uns para com os outros (Jo 13, 34).

Podemos chamar a caridade também de amor, pois é no ato de amar que ela se manifesta. Assim, Deus fez da caridade o seu próprio mandamento amando os que estavam com ele até o fim e ensinando os discípulos a amarem uns aos outros.

A excelência da caridade

Na primeira epístola aos Coríntios, Deus nos revela a excelência da caridade:

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine. Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada. Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!” (I Cor 13, 1-3)

Caridade e prática cristã

O Catecismo da Igreja Católica (1827 e 826) nos aponta que a caridade inspira o exercício de todas as virtudes, ordenando-as e articulando-as entre si e, por isso, se desdobra na prática cristã, assegurando a nossa capacidade humana de amar. Ela é a essência da santidade e nos dá meios para sermos santificados. Como nos diz Santo Agostinho: “A finalidade de todas as nossas obras é o amor. Este é o fim, é pra alcança-lo que corremos, é para ele que corremos”.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *