Notícias

A fórmula adaptada “nós te batizamos…” é inválida, reafirma a Santa Sé

Batismos feitos com esses dizeres não se completaram.

comshalom

A Congregação para a Doutrina da Fé explicou, através de uma nota doutrinal, publicada em agosto de 2020,  que a fórmula de batismo adaptada, por modismo, para “nós te batizamos”  – ao invés de,  “eu te batizo…”, torna o sacramento inválido. Ou seja, no batismo em que se foi utilizada essa fórmula o sacramento não aconteceu. Tratou-se apenas de uma tentativa de batismo.

Recentemente, houve celebrações do Sacramento do Batismo administrado com as palavras: “Em nome do papai e da mamãe, do padrinho e da madrinha, dos avós, dos familiares, dos amigos, em nome da comunidade, nós te batizamos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”.

Aparentemente, a modificação deliberada da fórmula sacramental foi introduzida para sublinhar o valor comunitário do batismo, para exprimir a participação da família e dos presentes e para evitar a ideia da concentração de um poder sacral no padre, em detrimento dos pais e da comunidade, que a fórmula presente no Ritual Romano transmitiria, lê-se no começo do “Responsum” da Doutrina da Fé.

Padre Matthew Hood, da Diocese de Detroit, nos Estados Unidos,  havia recebido o batismo com a fórmula adaptada arbitrariamente pelo diácono Mark Springer. Por conta disso, todos os demais sacramentos celebrados em sua vida se tornaram igualmente inválidos. O remédio para a situação foi a recepção do Batismo, Eucaristia, Crisma e Ordem em uma única celebração. Na ocasião, a  arquidiocese anunciou que estará ativamente tentando contatar todas as outras pessoas que o diácono Mark Springer tentou batizar (sem validade)  para sanar  a arbitrariedade caso a caso.

“Mudar por iniciativa própria a forma celebrativa de um Sacramento não constitui um simples abuso litúrgico, como uma transgressão de uma norma positiva, mas um vulnus [espécie de violação] infligido ao mesmo tempo à comunhão eclesial e ao reconhecimento da ação de Cristo, que nos casos mais graves torna o próprio Sacramento inválido, porque a natureza da ação ministerial exige que se transmita fielmente o que se recebeu”, diz outro trecho da nota doutrinal. 

“Alterar a fórmula sacramental – conclui a nota – significa, ademais, não compreender a própria natureza do ministério eclesial, que é sempre serviço a Deus e a seu povo e não o exercício de um poder que chega à manipulação do que foi confiado à Igreja com um ato que pertence à Tradição.” 

Confira a nota doutrinal, na íntegra, AQUI.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *