Formação

A gravidade do aborto

comshalom

Dom Fernando Arêas Rifan

Napolêmica suscitada em torno da questão da menina violentada emPernambuco, alvo depois de um aborto provocado, há o perigo de sedesviar o foco do ponto central de toda a questão: a gravidade dopecado do aborto voluntário.

Considerando-seo feto como um ser humano, apesar de ainda em formação, – como, aliás,também o é um bebê recém-nascido – com código genético, conjunto decromossomos e personalidade independente da sua mãe, como o comprova aprópria ciência moderna, a sua morte provocada vem a se constituir emum voluntário e direto ato de se tirar a vida de um ser humanoinocente, ato ilícito perante a lei natural e a lei positiva de Deus.

Aconseqüência dessa consideração é que nada poderá justificar o tirardiretamente a vida de um inocente, nenhuma razão ou pretexto, por maislouváveis e bem intencionados que sejam, como proteger a vida deoutrem, salvar a honra de alguém, diminuir a pobreza da família, evitaro escândalo, etc. É princípio básico de moral que não se pode fazerdiretamente o mal para se obter um bem. E quando se trata deprincípios, não adianta tentar contradizê-lo apelando para argumentossentimentais.

Assim como a Igreja, Estado também considera como o maior bem a vida humana.
Aexcomunhão é uma pena aposta pela Igreja a um pecado grave, com oobjetivo de alertar os católicos sobre a gravidade de tal ato, no nossocaso, o pecado grave do aborto voluntário e o prejuízo irreparávelcausado ao inocente morto. Isso não quer dizer que outros pecadosgraves, que não tenham sobre si tal pena, sejam permitidos ou comculpabilidade diminuída. A Igreja está tomando a defesa de um inocente,que não tem voz nem outros meios de se defender, o feto no úteromaterno.

Masexiste sim uma gradação na gravidade dos pecados. Jesus disse a Pilatosque quem o havia entregue a ele tinha maior pecado do que ele, Pilatos(Jo 19,11).

DomJosé Cardoso Sobrinho, arcebispo de Olinda e Recife, que tem toda anossa solidariedade, não excomungou os que diretamente provocaram talaborto, apenas anunciou que tal ato constituía um delito canônicopunido automaticamente com a excomunhão. Nem muito menos defendeu ocrime hediondo do padrasto.

Ademais,há que se ter em conta uma segunda opinião de médicos abalizados: amenina não corria risco de vida imediato e a gravidez poderia ter sidolevada até mais adiante, quando os fetos já seriam consideradosviáveis, fazendo-se então até mesmo um parto cesariano, se fossepreciso. Assim se teriam salvado duas vidas, sem o trauma do abortopara a mãezinha e sem o pecado diante de Deus.

Infelizmente,só quem defendeu essas duas vidas que se perderam foi a Igreja. E a vozdelas foi a única que não se ergueu contra a Igreja.      


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *