Formação

A Igreja e a polêmica sobre o uso da camisinha

comshalom

Porexigência das circunstâncias, o bispo diocesano, por dever pastoral não podecalar-se frente à polêmica, lançada na Opinião Pública, sobre o uso dacamisinha.

ACNBB pronunciou-se claramente reafirmando a doutrina da Igreja: "Do pontode vista da moral católica não é aceitável a propagação do uso do preservativoquando favorece uma vida sexual desordenada, reduzindo a sexualidade a mero bemde consumo e insinuando que o comportamento sexual, quando "seguro",é eticamente indiferente" (Encarte do Boletim Notícias, 528).

OMinistério da Saúde que faz campanha sistemática a favor do uso da camisinhasem nenhuma preocupação com a educação sexual da juventude, atacou a posição daIgreja, em nota oficial, considerando-a anticientífica. Esquece-se de que nemtudo que a ciência pode é permitido pela ética, como, por exemplo, o caso daclonagem humana e tantos outros. Por outro lado, o uso da camisinha não sejustifica, apenas em razão da sua eficiência de 65% ou 95%. Há que considerarsobretudo seu valor moral. O que é mais da competência da Igreja que do PoderPúblico. O fato da Aids ser questão da saúde pública não justifica a campanhaindiscriminada em favor do uso da camisinha, incentivadora de um mal maior, apermissividade no uso do sexo que favorece a prática de outros crimes: estupro,adultério…

Anota grosseira do Ministério da Saúde tenta, ainda, dividir a Igreja em cúpulae bases.

Naverdade, somos todos seguidores de Jesus Cristo.

Importantesaber o que ele ensina. Ele não veio para abolir a Lei nos seus 10 mandamentos,mas "dar-lhe pleno cumprimento" (Mt. 5,17). Na doutrina católica, arelação sexual entre duas pessoas de sexos opostos se realiza no casamento comdupla finalidade: Uma da procriação e a outra, não menos importante que tem osignificado unitivo como exigência do amor, não admite interposição de obstáculocom corpo estranho. "O prazer sexual é moralmente desordenado quando ébuscado por si mesmo, isolado das finalidades de procriação e de união"(Catecismo da Igreja Católica, nº 2354). É um dos 7 pecados capitais conhecidocomo luxúria.

Ossacerdotes recebem a missão de anunciar o evangelho sem estabelecer distinçãoentre o que pensam e o que ensina a Igreja em questões de fé e moral. Devempensar, viver e testemunhar o que a Igreja ensina. Devem demonstrar o maiorcarinho com os aidéticos, sem discriminá-los na comunidade. Condenar o pecadonão impede amar os pecadores como Jesus Cristo nos ama.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *