Formação

A multiplicação dos pães – O pouco que Deus faz muito

Certamente você já conhece o trecho da multiplicação dos pães, com a qual faremos a Lectio Divina este mês. Muitas pessoas sentem dificuldades com a leitura orante da Palavra de Deus porque não seguem os passos indicados de leitura, meditação, oração e contemplação. Leia em voz alta ou à meia voz, duas ou três vezes, assim você estará exercitando pelo menos dois sentidos, visão e audição e reduz a distração.
Tome Mt 14,13-21. Procure ler, neste primeiro momento, o que o texto diz, qual o contexto, o ambiente em que se situa o texto lido, para quem é dirigido, o que acontece na cena etc. Depois, faça outras leituras silenciosas procurando meditar o que aquelas palavras, gestos ou acontecimentos significam para você hoje. Veja sua vida, os fatos mais recentes que possam ser iluminados ou entendidos à luz desta palavra. Em seguida, faça sua oração em resposta ao que Deus lhe mostrou. Agradeça a bondade, a misericórdia e amor de Deus que vem a cada dia em sua vida. Por fim, contemple uma faceta da beleza de um mistério de Deus extraído da passagem.
“Jesus, ouvindo isso, partiu dali, de barco, por um lugar deserto, afastado.” (v.13a). Jesus ouvira falar a respeito do martírio de João Batista e chama os discípulos para um deserto, afastado, provavelmente para orar e meditar sobre aquele fato. Ele não está longe da nossa realidade. Ele conhece nossos sofrimentos e as dores do dia-a-dia e sempre nos chama para orar e meditar sobre nossa vida, sobre aquilo que nos preocupa. Ele é concreto e não se omite, mesmo quando o imaginamos ausente ou distante de nós.
“Assim que as multidões o souberam, vieram das cidades, seguindo-o a pé.” (v.13b). As pessoas não tiraram os olhos de Jesus, e foram para onde Jesus se dirigia. Conosco, às vezes ocorre ficarmos inertes ou olhando para nós mesmos ou para outras coisas, em vez de olhar Jesus e buscá-lo aonde Ele estiver. “Assim que desembarcou, viu uma grande multidão e, tomado de compaixão, curou os doentes.” (v.14). Jesus desejava se recolher com os discípulos em lugar deserto, mas ao encontrar a multidão, compadeceu-se dela e curou os doentes. Aqueles que confiaram e seguiram Jesus, foram curados, pois o Senhor é piedade e compaixão (Sl 145,8).
“Chegada a tarde, aproximaram-se dele os discípulos, dizendo: o lugar é deserto, e a hora já está avançada. Despede as multidões para que vão aos povoados comprar alimentos para si.” (v.15). Os discípulos estavam preocupados com o povo, pois não viam, humanamente, como fazer para alimentar aquelas pessoas. O jeito mais fácil era mandá-las embora. Também nós muitas vezes vemos apenas o lado humano, esquecendo de perguntar a Deus o que Ele deseja diante daquele problema ou situação em que nos encontramos. “Mas Jesus lhes disse: “Não é preciso que vão embora. Dai-lhes vós mesmos de comer” (v.16). Parece incrível a proposta de Jesus. E às vezes até duvidamos daquilo que Ele nos pede. Mas Ele nada nos pede sem dar-nos condições e meios para realizarmos. “Dá-me o que me pedes e pedes o que quiseres” rezava um grande santo.
“Os discípulos responderam: só temos aqui cinco pães e dois peixes” (v.17). Às vezes queremos nos desculpar diante de Deus, achando que não temos condições ou colocando nossas limitações. Mas, quando nos apresentamos como somos e com o que temos, Deus faz o maravilhoso. Do pouco Ele faz muito. Do ignorante Ele faz sábio. Da pobreza nos dá riqueza. Do fraco Ele faz forte. São as contradições do Reino que só experimentam os pobres de coração, os que têm coragem de confiar em Deus e se lançar em sua misericórdia.
“Trazei-os aqui” (v.18). Leve a Jesus aquilo que você é e o que tem. Leve a Ele aquela situação, aquele familiar ou amigo que lhe preocupa. Não queira cuidar do seu jeito: Trazei-os aqui, diz Jesus. “E tendo mandado que as multidões se acomodassem na grama, tomou os cinco pães e os dois peixes, elevou os olhos ao céu e abençoou (v.19a). Note a delicadeza de Jesus, que cuida para que eles se acomodem na grama, antes de fazer o milagre. Assim Ele também cuida de nós, dando-nos mimos e detalhes que às vezes nem percebemos. “Elevou os olhos ao céu e abençoou: Quantas vezes temos elevado os olhos ao céu para suplicar de Deus alguma graça? Quantas vezes temos pedido a bênção do céu sobre os alimentos e refeições que tomamos? O que fazemos na simplicidade, Deus realiza na verdade. A bênção é uma palavra eficaz que transmite o efeito que nela se exprime.
“Todos comeram e ficaram saciados, e ainda recolheram doze cestos cheios dos pedaços que sobraram” (v.20). O que tinha antes cinco pães e dois peixes, agora podia dispor de doze cestos, depois de ter alimentado a multidão. “Deus nunca se deixa vencer em generosidade”. Por mais que possamos dar a Ele, muito mais, cem vezes mais Ele nos dará.
“Ora, os que comeram eram cerca de cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças”. Talvez o número de mulheres e crianças fosse igual ao dos homens, ou até mesmo maior. Portanto, o milagre de Jesus foi bem maior do que pensamos ao ler o texto apressadamente. “Para Deus, com efeito, nada é impossível” (Lc 1,37).
Agora, faça sua oração a partir dessa partilha. A última parte da Lectio é a contemplação e você pode cantar uma música e deixar-se envolver, contemplando o mistério da Eucaristia: Jesus que se faz alimento para uma multidão, todos os dias, pelo mundo afora. Nunca meditaremos ou contemplaremos o bastante o mistério eucarístico, que só Deus é capaz de realizar.
Anote e partilhe no seu grupo ou comunidade. Escreva para nós…
Shalom!

José Ricardo F. Bezerra
Comunidade de Aliança Shalom

Retirado da Revista Shalom Maná – Ed. Shalom

Conheça nossos vídeos de formação


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *