Formação

A nossa importante missão

comshalom

"Todos os cristãos são chamados a dar testemunho de verdadeiros evangelizadores”.
Papa Paulo VI
Evangelii Nuntiandi, nº 21.

“Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15,8).


A citação que Jesus faz da videira e dos ramos é uma analogia pitorescae clara de como nós devemos dar frutos através da evangelização. Istoporque, se não evangelizarmos:
 -Mais de quatro bilhões de pessoas deixarão de ouvir a Boa Nova da salvação e seremos cobrados se não agirmos (Ez 3,18-21).
 -Estaremos pecando contra o Senhor, por nossa desobediência (Mc 16,15).
 -Nós mesmos nos lançaremos ao fogo, e lá queimaremos (Jo 15,6).
 -Nós não seremos felizes e realizados, pois, fomos criados para evangelizar (Sl 126,3-6; Lc 9,60).
 -Nossas igrejas irão encolher (Ler a reação em Atos 2,42-47).
 -O Corpo de Cristo correrá perigo de atrofiar, por falta de funcionamento adequado ( Ef 4, 11.12).
 -Os membros da Igreja correm os riscos de ficarem brigando entre si, emvez de juntos, brigarem contra as forças do inferno (Ef 6,10-12).
Este último efeito de não evangelizarmos pode parecer um tanto fora docontexto, mas, efetivamente, isso não ocorre, pois é mais do que certoque se não fazemos aquilo que se espera de nós, passamos a fazer aquiloque não se espera de nós. Ou seja, se não estivermos distribuindoaquilo que recebemos, estaremos abusando dos nossos irmãos, quedesconhecem o Senhor (Lc 12,42.45), e se, não estivermos lutando contrao maligno, quando menos esperarmos, estaremos lutando entre nós mesmos.
Portanto, a evangelização é importante e devemos exercê-la para levar omundo todo ao Senhor Jesus Cristo e para não perdermos o nosso bomrelacionamento com Deus e com nossos irmãos (1).
O desempenho da missão evangelizadora pede de cada um de nós, umaprofunda vivência de fé, fruto de uma experiência pessoal de encontrocom a pessoa de Jesus Cristo, no seu seguimento. Nossa conversãopessoal nos possibilita impregnar, com uma “firme decisão missionáriatodas as estruturas eclesiais e todos os planos pastorais (…) dequalquer instituição da Igreja”, exigindo nossa conversão pastoral queimplica escuta e fidelidade ao Espírito, impelindo-nos à missão esensibilidade ás mudanças socioculturais, animada por “umaespiritualidade de comunhão e participação”(2).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *