Formação

A obediência difícil às autoridades religiosas

comshalom

26. No desenvolvimento concreto da missão, certas obediências podem vir a ser particularmente difíceis, a partir do momento em que as perspectivas ou modalidades da ação apostólica ou diaconal podem ser percebidas e pensadas de maneiras diferentes. Diante de certas obediências difíceis, aparentemente até “absurdas”, pode surgir a tentação da desconfiança e inclusive do abandono: vale a pena continuar? Não posso realizar melhor as minhas idéias noutro contexto? Para que desgastar-se em confrontos estéreis?

São Bento já se defrontava com a questão duma obediência « muito gravosa, ou mesmo impossível de se levar adiante »; e são Francisco de Assis considerava o caso em que « o súdito vê coisas melhores e mais úteis para a sua alma que as que lhe ordena o prelado (o superior) ». O Pai do monacato responde pedindo que se estabeleça um diálogo livre, aberto, humilde e confiante entre monge e abade; ao final, porém, se lhe for requerido, o monge « obedeça por amor de Deus e confiando no seu auxílio ».74 O Santo de Assis convida à prática de uma “obediência caritativa”, na qual o frade sacrifica voluntariamente os seus pontos de vista e cumpre a ordem dada, uma vez que, deste modo, « satisfaz a Deus e ao próximo »; 75 e vê uma “obediência perfeita” lá onde, não podendo obedecer porque nos vem ordenado « qualquer coisa contra a sua alma », o religioso não quebra a unidade com o superior e a comunidade, seja disposto também a suportar perseguição por causa disso. « Com efeito – observa São Francisco – quem sustenta a perseguição antes de querer se separar dos seus irmãos, permanece verdadeiramente na perfeita obediência, porque oferece a sua alma por seus irmãos ».76 Nos vem assim recordado que o amor e a comunhão representam valores supremos, aos quais são submetidos também o exercício da autoridade e da obediência.

Deve-se reconhecer que é compreensível haver, por um lado, certo apego a idéias e convicções pessoais, fruto de reflexão ou de experiência e amadurecidas com o tempo, e é também boa coisa o procurar defendê-las e levá-las adiante, sempre na perspectiva do Reino, num diálogo sincero e construtivo. Por outro lado, não se há de esquecer que o modelo é sempre Jesus de Nazaré, que mesmo na Paixão pediu a Deus cumprir a sua vontade de Pai, e não deu as costas diante da morte de cruz.

Do mesmo modo, a pessoa consagrada, ao ser-lhe requerida a renúncia às próprias idéias ou aos próprios projetos, pode experimentar desconcerto e rejeição da autoridade, ou perceber dentro de si « forte clamor e lágrimas » (Hb 5,7) e a súplica de que passe o cálice amargo. Mas aquele é também o momento em que há de confiar no Pai para que se cumpra a sua vontade, e para poder assim participar ativamente, com todo o próprio ser, da missão de Cristo « para a vida do mundo » (Jo 6,51).

É no pronunciar este difícil « sim » que se pode compreender até o final o sentido da obediência como supremo ato de liberdade, expresso num total e confiante abandono de si a Cristo, Filho livremente obediente ao Pai; e se pode compreender o sentido da missão.

Nestas obediências difíceis é que se pode compreender profundamente o sentido da missão como oferta obediente de si mesmo, que atrai a bênção do Altíssimo: « Eu te abençoarei … (E) serão abençoadas todas as nações da terra, porque me obedeceste » (Gn 22,17.18). Naquela bênção, a pessoa consagrada obediente sabe que reencontrará tudo o que deixou com o sacrifício do seu desapego; naquela bênção, esconde-se ainda a plena realização da sua própria humanidade (cf. Jo 12,25).

Obediência e objeção de consciência

27. É possível que surja aqui uma pergunta: pode haver situações nas quais a consciência pessoal pareça não permitir que se sigam indicações dadas pela autoridade? Pode ocorrer, em suma, que o consagrado tenha de declarar, em relação a normas ou a seus superiores: « É preciso obedecer a Deus antes que aos homens » (At 5,29)? É o caso da assim chamada objeção de consciência, da qual já falou Paulo VI,77 e que se há de entender no seu significado autêntico.

Se, por um lado, é verdade que a consciência é o lugar onde ressoa a voz de Deus que nos indica como comportar-nos, é verdade também que se faz necessário aprender a escutar esta voz com grande atenção, para saber reconhecê-la e distingui-la de outras vozes. Não é preciso, com efeito, confundir esta voz com as que emergem de um subjetivismo que ignora ou negligencia as fontes e os critérios irrenunciáveis e vinculantes na formação do juízo de consciência: « Na verdade, o “coração” convertido ao Senhor e ao amor do bem é a fonte dos juízos verdadeiros da consciência »,78 e « a liberdade da consciência nunca é liberdade “da” verdade, mas sempre e só “na” verdade ».79

A pessoa consagrada deverá, portanto, refletir longamente antes de concluir que o que percebe dentro de si representa a vontade de Deus e não assim a obediência recebida. Deverá recordar, igualmente, que a lei da mediação se há de levar em conta em todos os casos, cuidando-se de tomar decisões graves sem algum confronto ou verificação. Permanece certamente indiscutível que o que interessa é chegar a conhecer e a cumprir a vontade de Deus, mas, da mesma forma, deveria ser indiscutível que a pessoa consagrada se tenha comprometido, com um voto, a reconhecer esta santa vontade através de determinadas mediações. Dizer que o que vale é a vontade de Deus, e não as mediações, rejeitá-las ou aceitá-las apenas quando agradam, pode tirar significado ao próprio voto e esvaziar a própria vida de uma essencial característica sua.

Por conseguinte, « à exceção de uma ordem que fosse abertamente contrária às leis de Deus ou às constituições do instituto, ou que implicasse um mal grave e certo, no qual caso a obrigação de obedecer não existiria, as decisões do superior abrangem um campo em que a avaliação do bem maior pode variar, segundo os pontos de vista. Querer concluir, pelo fato de uma ordem dada parecer objetivamente menos boa, que ela é ilegítima e contrária à consciência, significaria desconhecer, de uma maneira pouco realista, a obscuridade e a ambivalência de não poucas realidades humanas. Além disso, o recusar a obediência traz consigo um dano, muitas vezes grave, para o bem comum. Um religioso não deveria admitir facilmente que exista contradição entre o juízo da sua consciência e o do seu superior. Esta situação excepcional comportará, por vezes, um autêntico sofrimento interior, à imitação do que se verificou com o próprio Cristo, que “aprendeu o que significa obedecer por aquilo que padeceu” (Hb 5,8) ».80

A difícil autoridade

28. A autoridade também pode cair no desencorajamento e no desencanto: diante das resistências de algumas pessoas ou comunidades, diante de certas questões que parecem insolúveis, pode surgir a tentação de deixar tudo de lado e de considerar inútil todo e qualquer esforço para melhorar uma situação. Perfila-se, então, o perigo de se criarem administradores da rotina, resignados à mediocridade, inibidos para intervir, privados de coragem de apontar as metas da autêntica vida consagrada e correndo o risco de enfraquecer o amor das origens e o desejo de testemunhá-lo.

Quando o exercício da autoridade pesa e se faz difícil, é bom que se recorde que o Senhor Jesus considera tal tarefa como um ato de amor a si (« Pedro, tu me amas? »: Jo 21,16); e se torna salutar ouvir de novo as palavras de Paulo: « Sede alegres na esperança, fortes na tribulação, perseverantes na oração, mostrai-vos solidários com os santos em suas necessidades » (Rm 12,12-13a).

O silencioso esforço interior que acompanha a fidelidade à própria missão, marcado quiçá pela solidão e pela incompreensão daqueles aos quais se serve, converte-se em caminho de santificação pessoal e mediação de salvação para as pessoas por cuja causa se sofre.

Obedientes até o fim

29. Se a vida do fiel é toda ela uma busca de Deus, cada dia da existência torna-se então um contínuo aprender da arte de escutar a sua voz para cumprir a sua vontade. Trata-se, sem dúvida, de uma escola que exige esforço, como se fosse uma luta entre aquele eu que tende a ser amo de si e da própria história e aquele Deus que é “o Senhor” de toda história; escola em que se aprende a entregar-se de tal modo a Deus e à sua paternidade, a ponto de depositar confiança até nos homens, seus filhos e nossos irmãos. Cresce assim a certeza de que o Pai não abandona jamais, nem sequer no momento em que se faz necessário confiar o cuidado da própria vida às mãos de irmãos, nos quais se há de reconhecer o sinal da sua presença e a mediação da sua vontade.

Com um ato de obediência, mesmo que seja inconsciente, viemos à vida, acolhendo aquela Vontade boa que nos preferiu à não-existência. Concluiremos o caminho com outro ato de obediência, que desejaríamos fosse o mais possível consciente e livre, mas, sobretudo, expressão de abandono em direção àquele Pai bom que nos chamará definitivamente a si, ao seu reino de luz infinita, onde encontrará termo a nossa busca, e os nossos olhos o verão, num domingo sem ocaso. Então seremos plenamente obedientes e realizados, porquanto diremos para sempre sim àquele Amor que nos constituiu para que sejamos felizes com Ele e n’Ele.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *