Formação

A participação e comportamento dos católicos na vida política

comshalom

1. O empenho do cristão no mundo em dois mil anos dehistória manifestou-se seguindo diversos percursos. Um deles concretizou-seatravés da participação na ação política: os cristãos, afirmava um escritoreclesiástico dos primeiros séculos, “participam na vida pública comocidadãos”[1]. A Igreja venera entre os seus Santos numerosos homens e mulheresque serviram a Deus através do seu generoso empenho nas atividades políticas ede governo. Entre eles, São Tomás Moro, proclamado Padroeiro dos Governantes edos Políticos, soube testemunhar até ao martírio a “dignidade inalienável daconsciência”[2]. Embora sujeito a diversas formas de pressão psicológica,negou-se a qualquer compromisso e, sem abandonar “a constante fidelidade àautoridade e às legítimas instituições” em que se distinguiu, afirmou com a suavida e com a sua morte que “o homem não pode separar-se de Deus nem a políticada moral”[3]. 

As sociedades democráticas atuais, onde louvavelmente todosparticipam na gestão da coisa pública num clima de verdadeira liberdade[4],exigem novas e mais amplas formas de participação na vida pública da parte doscidadãos, cristãos e não cristãos. Todos podem, de facto, contribuir através dovoto na eleição dos legisladores e dos governantes e, também de outras formasna definição das orientações políticas e das opções legislativas que, no seuentender, melhor promovam o bem comum[5]. Num sistema político democrático, avida não poderia processar-se de maneira profícua sem o envolvimento ativo,responsável e generoso de todos, “mesmo na diversidade e complementaridade deformas, níveis, funções e responsabilidades”[6].

Através do cumprimento dos comuns deveres civis, “guiadospela consciência cristã”[7] e em conformidade com os valores com elacongruentes, os fiéis leigos desempenham também a função que lhes é própria deanimar cristãmente a ordem temporal, no respeito da natureza e da legítimaautonomia da mesma[8], e cooperando com os outros cidadãos, segundo a suacompetência específica e sob a própria responsabilidade[9]. É consequênciadeste ensinamento fundamental do Concílio Vaticano II que “os fiéis leigos nãopodem de maneira nenhuma abdicar de participar na ‘política’, ou seja, namultíplice e variada acção económica, social, legislativa, administrativa ecultural, destinada a promover de forma orgânica e institucional o bemcomum”[10], que compreende a promoção e defesa de bens, como são a ordempública e a paz, a liberdade e a igualdade, o respeito da vida humana e doambiente, a justiça, a solidariedade, etc.

A presente Nota não tem a pretensão de repropor o inteiroensinamento da Igreja em matéria, aliás resumido, nas suas linhas essenciais,no Catecismo da Igreja Católica; entende apenas relembrar alguns princípiospróprios da consciência cristã, que inspiram o empenho social e político doscatólicos nas sociedades democráticas[11]. Fá-lo, porque nestes últimos tempos,não raras vezes sob a pressão dos acontecimentos, apareceram orientaçõesambíguas e posições discutíveis, que tornam oportuna a clarificação de aspectose dimensões importantes da temática em questão.

NOTA DOUTRINAL
Sobre algumas questões relativas
à participação e comportamento dos católicos na vida política

Um ensinamento constante »»
Alguns pontos no atual debate cultural e político »»
Doutrina católica sobre laicidade e pluralismo »»
Considerações sobre aspectos particulares »»


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *