Formação

A potência do belo

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Janice Dantas Tavares

Arquiteta e Urbanista,

Membro da Comissão de Arte Sacra da Arquidiocese deFortaleza

 

Chego a estes lugares que de ti encheste de uma vez parasempre. (…) Ó lugar, quantas vezes, quantas vezes te transformaste antes depassares d’Ele a mim! Quando Ele te encheu pela primeira vez, ainda não erasnenhum lugar exterior, mas apenas o ventre de sua Mãe. Oh! que sensação saberque as pedras sobre as quais caminho em Nazaré são as mesmas que tocavam o seupé, quando ainda era Ela o teu lugar, único no mundo. Encontrar-te através dumapedra que foi tocada pelo pé de tua Mãe! Ó lugar, lugar de Terra Santa, como égrande o espaço que ocupas em mim! Por isso não posso pisar-te com meus pés,devo ajoelhar-me. E assim atestar hoje que tu foste um lugar de encontro. Eu meajoelho – e deste modo aponho o meu sigilo. Aqui permanecerás com o meu sigilo– permanecerás, permanecerás – e eu levar-te-ei comigo, transformar-te-eidentro de mim num lugar de novo testemunho. Eu parto como uma testemunha quedará o seu testemunho através dos séculos.

K. Wojtyla, Obras literárias. Poesias e dramas, LivrariaEditora Vaticana 1993, p. 124 

 

Como se não bastasse descer à condição humana e passar pelacruz, o Senhor elegeu lugares para colocar sua “tenda” e assim estar mais pertodo homem.

 “Tudo saiudas mãos de Deus e não há lugar onde Ele não se encontre. Ele está em todos oscantos da terra, e o mundo inteiro pode considerar-se “templo” da sua presença.Mas isto não impede que o espaço possa ficar assinalado por particularesintervenções salvíficas de Deus, onde se pode experimentar o divino de formamais intensa do que habitualmente se verifica na imensidão do mundo.”

 O espaçodito sagrado é um lugar separado, colocado à parte para Deus aí se manifestarde forma mais plena. É um oásis, donde jorra a água cristalina e onde, pela fé,o céu é “atingido”.

 Em temposonde tudo é relativo e a unidade de opiniões, de ideais é escassa, valerecorrer à linguagem universal da arte e da beleza verdadeira, que tem poderpara unificar e ordenar o coração do homem com a suavidade e a força própriasda fonte criadora de todo o bem… recorrer à beleza cuja finalidade não é seracessório, mas ser adubo e catalisador do “religar” entre Criador e criatura. Ea eficácia para promover esta religação, esta re-união entre Deus e o homem épossível e completamente plausível nos espaços sagrados: nas igrejas, capelas,basílicas, catedrais… Diríamos até que o espaço sagrado é o lugar porexcelência da manifestação da beleza verdadeira, da caridade de Cristo.

 O Catecismoda Igreja Católica ensina que o culto não está ligado a um lugar exclusivo. Oprimordial na congregação dos fiéis são as “pedras vivas” reunidas para a“construção de um edifício espiritual” (1Pd 2, 5). O Catecismo instrui aindaque, incorporados a Cristo pelo Espírito Santo, “nós é que somos o templo doDeus vivo” (2Cor 6, 16). Mas acrescenta que os cristãos constroem edificaçõespara celebrarem os mistérios do Cristo. E ainda: “Essas igrejas visíveis nãosão simples lugares de reunião, mas significam e manifestam a Igreja viva nestelugar, morada de Deus com os homens reconciliados e unidos em Cristo.” Numa primeira análise dascolocações do Catecismo, tem-se a impressão de que o lugar sagrado não temnenhuma importância, ficando para o homem a prioridade. Porém, logo após ovemos como lugar de primazia, morada de Deus. Por que então? Como a finalidadeda obra de salvação do Cristo é o resgate do homem, o fim último do espaçosagrado é, como espaço celebrativo, a santificação do homem e a glorificação deDeus. Assim, o espaço sagrado não temfim em si mesmo, antes presta-se a uma função específica. E essa função é a demanifestar o Deus vivo, presente na assembléia reunida e nos ministros, mastambém “refletido” em cada sacramental, em cada sinal.

“ ‘O mundo foi criado em vista da Igreja’, diziam oscristãos dos primeiros tempos. Deus criou o mundo em vista da comunhão com asua vida divina, comunhão esta que se realiza pela ‘convocação’ dos homens emCristo, e esta ‘convocação’ é a Igreja. …” A Igreja enquanto convocação é o corpo místico de Cristo, a nação santa,o povo eleito de Deus. A igreja enquanto edifício cristão é o lugar onde essecorpo místico de Cristo se reúne em assembléia. Lugarde celebração, lugar onde Deus se revela ao seu povo através dos mistérios… ese dá a conhecer. Lugar de primazia e de transfiguração. Lugar onde Deus vemhabitar junto a seu povo.

Uma das fortes características da civilização pós-moderna éa perda do sentido do sagrado. Algo que parece simples, mas que ganha grandesproporções em cada indivíduo e em toda a sociedade. Afinal, quando se perde asnoções de sacralidade, os limites se distorcem e tudo passa a ser permitido.Mas o que é o sagrado?

Sagrado é tudo aquilo que é separado, tirado à parte,escolhido, recolhido para Deus. O sagrado não admite uso profano, pois osagrado é diferente do profano. E deste diz-se que é aquilo “de uso cotidiano”,comum, da ordem de todas as coisas. Por si, não é mau. Mas o sagrado não é daordem de todas as coisas, é exclusivamente divino.

Existe um equívoco no que diz respeito ao profano: comumenteo entendemos como mundano, sujo, sem dignidade, ilícito. O mundano sim, éoposto a santo. Porém, do profano podemos dizer que é a mesa em que fazemosrefeição, a roupa que vestimos, o livro que lemos etc. Nada disso é contraDeus, mas, pelo contrário, são artifícios necessários ao homem criado à imageme semelhança de Deus. E, apesar do profano não ser mau ou contrário a Deus,também não é exclusivamente Dele. Assim, cada material, especialmente ossagrados, deve ser feito de acordo com sua função para servir unicamente comotal.

Contudo, não basta “cumprir a lei”, pois não é este o fim dasagrada liturgia. Devemos buscar saber o porquê de cada orientação litúrgica,senão nos condicionaremos a leis e determinações e perderemos a essência. Nãodeve ser uma pena, por exemplo, restringir o uso de uma toalha unicamente aoaltar. E realmente não será… Pelo contrário, se compreendermos de fato que oaltar é o Cristo, a pedra angular, será uma violência contra nós mesmos nãoseguirmos essa orientação, porque passa a gerar vida em nós e no corpo dacomunidade.

Que a celebração do mistério cristão inebrie a vidacomunitária, e o desejo de corresponder ao Ressuscitado que passou pela cruzganhe as dimensões de zelo pela Casa do Amado. Assim se terá vivido a SagradaLiturgia em nosso meio.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *