Institucional

A proteção dos Anjos da Guarda

comshalom

 Os anjos são servidores e mensageirosde Deus, porque contemplam constantemente a face de Deus que esta nos céus.

A presença deles nas Escrituras, émuito clara, e é uma verdade de fé. Estão presente desde a criação, e ao longode toda a Historia da Salvação, anunciando de longe ou de perto esta salvação eservindo ao desígnio divino da sua realização , como nos diz o Catecismo daIgreja (p 87)

A vida da Igreja se beneficia da ajudamisteriosa e poderosa dos anjos.

Desde a infância, até a morte, a vidahumana é cercada pela sua proteção e pela sua intercessão. Cada fiel é ladeadopor um anjo como protetor e pastor para conduzi-lo à vida.

Os santos são testemunhos destaverdade. Em suas narrações sempre estão presentes estas Criaturas sobrenaturais,como nos narra Pe.Pio, São São D.Bosco, São Martinho de Poris, e tantos outros.Emmir, Coor.Fundadora da Comunidade Católica Shalom em seu livro, “Anjos nossosde cada dia”, narra fatos concretos acontecido com ela por meio do Anjo daGuarda.

Se prestarmos atenção, como fizeram ossantos, veremos coisas inacreditáveis acontecendo conosco, no dia a dia, emuitas vezes não nos damos conta que é o nosso anjo da guarda agindo. Gostariamuito de poder citar vários fatos ocorridos com pessoas que se encontraram emsituações difíceis e diante delas, viram e sentiram a presença destas criaturascelestes vindo em seu auxílio. Como não é possível, cito aqui três casos, doisdeles acontecido comigo.

Uma amiga, hoje ministra da Eucaristiana Igreja do Cristo Rei, de Fortaleza-CE, chamada Josefa, me contou, que umavez foi levar Eucaristia, para uma pessoa doente.

“Eram 8h da noite, estava só, edirigia o seu carro. No caminho foi atingida por uma fortíssima chuva, quaseimpedindo de dirigir. Passando por um lugar sem asfalto e um pouco deserto, ocarro atolou-se. Ao seu redor não havia ninguém, só mato, e a uma certa distânciauma academia. Diante dessa situação um pouco preocupante, mesmo porque traziaconsigo o próprio Cristo, viu que a melhor coisa a fazer era pedir socorro eproteção ao próprio Cristo, fazendo-o assim imediatamente. Foi quando derepente sentiu que o seu carro estava sendo erguido, e olhando pelos vidrosembaçados do carro, viu em cada extremidade do carro um homem vestidos debrancos com a faixa amarrada na cintura, erguendo o carro do atolamento.

De onde surgiu esses homens?Perguntava ela. E não se continha de felicidade, pensando que talvez fossem rapazesda academia, que vendo-a teriam tido compaixão e ido ao seu socorro.

 Ela pensou em agradecer essas gentis pessoas,mas não conseguia mais vê-los, pois a chuva impedia. Assim da mesma forma queapareceram, também desapareceram. E agradecendo a Deus ela seguiu o seucaminho.

Ai eu pergunto: Quem numa chuva destaia ver de longe um carro atolado no meio do mato e ido ao encontro para ajudar?

 

“O Céu que envia os seus anjos.”

 

Pude muitas vezes observar econtemplar esses acontecimentos em minha vida, que edificou mais a minha fé nestasCriaturas.

“Um deles aconteceu comigo há uns trêsanos atrás quando fui chamada a encontrar urgentemente minha mãe, que estavamuito mal, já a beira da morte, na cidade de Uberlândia –MG

Precisei sair de Brasília de ônibus a meianoite do dia 30 de dezembro para chegar as 5h da manhã.

Nesse dia senti que Jesus me preparavapara alguma coisa que iria me acontecer, e rezando eu escutava fortemente a suavoz no interior do meu coração dizendo; “Tenha confiança, não tenha medo. Euestou com você”

Eu me perguntava: o que vai acontecer?Será que não encontrarei mais minha mãe viva? Mas resolvi entregar tudo a Ele eviajar.

Entrando no ônibus percebi que a minhacompanheira de poltrona, era uma senhora bem idosa, e estava sempre rezando. Nocansaço que me encontrava adormeci, acordando a poucos km de Uberlândia, com oônibus sendo assaltado por três rapazes encapuzados.

 

No momento lembrei-me daquela voz queme falava através da Palavra de Deus: “Não tenha medo, confia em Mim, eu estoucom você”, e me senti tranquila, mesmo diante daquele quadro assustador;enquanto a minha companheira sobriamente, rezava mais intensamente.

Eles, armados, foram mandando que jogássemostudo o que tínhamos no corredor do ônibus, e dois iam de cadeira em cadeiraverificando se tínhamos obedecido e nos ameaçando.

E por incrível que pareça, quandochegaram perto da cadeira onde me encontrava com a senhora, eles pareciam nãonos ver, e seguiram.

Adiante com suas ameaças. A minhacompanheira estava com sua bolsa debaixo dos pés, e do jeito que estavacontinuou.

A mim parecia viver mais um dos filmesdramáticos de Hollywood, na certeza de que Deus estava comigo e Ele não iadeixar nada grave acontecer.

Para resumir, aqueles foram momentoscurtos mas que pareceram longos deixando todas as pessoas tensas e até com um poucode pânico. Eles carregaram tudo de todos que estavam dentro do ônibus, menos aminha bolsa e da senhora. Foi inacreditável!! E eu me perguntava: Quem é esta senhora,que de certa forma com suas orações parecia me proteger, e proteger todos ospassageiros de algo pior? Depois de um ano, ouvi no noticiário que um ônibusteria sido assaltado no mesmo lugar, e jogado no precipício.

Seria meu anjo da guarda em formahumana? Poderia ter sido sim, como poderia ter sido um anjo da terra, guiadopelo nosso anjo da guarda a interceder.”

 

“Outro fato, foi na posse de D.Claudioem S.Paulo. Saide Aparecida ,calculando chegar em Santo Amaro as 20 h para participar dascelebrações no dia seguinte.

Mas aconteceu que calculei errado e játarde da noite, ainda me encontrava dentro do ônibus que dirigia para estebairro.

Não sabendo direito onde descer, deias referências ao trocador pedindo que ele me avisasse quando chegasse no local.

Aconteceu que ele esqueceu, e passoudo ponto onde eu deveria descer, parando  bem mais distante, em um lugar estranho, cheiode matagal, enfrente a um motel . Isto depois das 23 h e no meio de uma forteneblina. Estremeci-me toda, me vendo por algum tempo cheia de pavor.

Ainda bem que a poucos metros tinhauma churrascaria ou um restaurante, não me recordo bem , com muita gente ebarulho.

Entrei lá desnorteada para telefonar,mas com o barulho não consegui entender nada. Informei-me da parada do ônibus comalguém que ali estava, e me foi apontando para um jovem que estava esperando umônibus a alguns metros do local.

Dirigir-me apressadamente para lá .Tudo me apavorava, aquela situação parecia me engolir pelo medo. Perguntei aesse jovem sobre o ônibus que eu deveria tomar, e pedia a Deus que ele nãosaísse dali antes de mim.

O jovem serenamente me explicou tudocomo eu deveria fazer e aonde descer, e depois acrescentou: “veja, ai vem o seuônibus, vá.” Eu mal poderia enxergar naquela neblina o ônibus que se aproximava.Senti uma alegria, uma gratidão e paz brotando no meu coração. Já não mais emmim existia aquele pavor, mesmo sabendo que poderia ainda encontrar outros desafiosmais para frente.

 Já quase meia noite,desci na minha parada, emmeio a algumas pessoas estranhas. Estas me ajudaram emprestando o celular paraeu ligar para os meus irmãos virem me pegar. Tudo terminou na paz.

Aquele jovem foi meu anjo da guarda.Rezo constantemente para ele, pedindo a sua proteção.”

Obrigada meu Anjo da Guarda


Janua Pinheiro
Missionária da Comunidade CatólicaShalom em Fortaleza/CE


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *