Formação

A Quaresma da Fraternidade

Através de sua obediência Jesus curou a desobediência do homem. Ele é a Palavra de Deus. N’Ele somos a resposta que Deus quer que sejamos.

O Evangelho de Hoje, neste primeiro domingo da Quaresma, nos coloca diante do estilo de vida cristão. A norma da nossa vida cristã é o próprio Deus. A revisão de vida que a Quaresma nos exige tem que resultar do paralelismo entre a nossa vida e as Bem-aventuranças. Para que não nos enganemos nesta revisão, a Igreja nos coloca, hoje, perante o juízo de Deus. A santificação cristã é obra de Deus. Perante a sua Palavra temos que fazer a nossa revisão. Escutar! Reconverter-nos, reconciliar-nos com Deus e com os irmãos. Por isso, a Igreja não cessa de pedir “Converte-nos a Ti! Ilumina-nos com a luz da tua Palavra!”.

Se a Santidade é um dom da Palavra de Deus, o homem pode desejá-la, pedi-la com perseverança. Uma das práticas mais insistentemente recomendadas na Quaresma é a ORAÇÃO.

O clima espiritual deste Tempo está muito bem expresso na Oração da Missa da Quarta-Feira desta Semana primeira: “Olhai com bondade, Senhor, para a Oração do vosso povo, e fazei que, mortificando o corpo pela penitência, renovemos o espírito com o fruto das boas obras”.

A lei da santidade ensina-nos a nos tornarmos imagem de Deus. Não é com alienação e com práticas mirabolantes que seremos santos, mas cumprindo os preceitos que proíbem toda forma de dano às pessoas, exigindo a Justiça, respeitando e amando e não odiando e invejando, que seremos santos à imagem de Deus.

Esta é a Palavra de Deus, Espírito e Vida, este é o sentido do Salmo 18 tão rezado durante a Quaresma: “A Lei do Senhor é perfeita, reconforta a alma”.

Pois para nos converter à sua imagem, Deus nos leva hoje ao DESERTO, como o fez com seu Filho, “Cheio do Espírito Santo, Jesus atravessou o Jordão, em direção ao Deserto, onde passou quarenta dias”. (Cf. Lc 4,1-13). DESERTO significa situações difíceis de fé e de esperança. Deserto significa CRISE. É aí, precisamente aí, que encontramos a mão de Deus dando-nos o caminho, o momento oportuno (KAIRÓS) a hora da Salvação.

Que o Tempo da Paixão de Jesus, vivido e celebrado na Liturgia desta Quaresma, possa ser também o tempo da Graça para nossas vidas e nossas vivências, convertendo-nos à sua Imagem de misericórdia e de amor para os nossos irmãos.

Dom Eurico dos Santos Veloso
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora (MG)

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *