Formação

A televisão e a educação

comshalom

22.11A educação é um processo contínuo na vida do ser humano. Esse processo tem como objetivo “guiar o homem no desenvolvimento dinâmico, no curso do qual se constituirá como pessoa humana – dotada das armas do conhecimento, do poder de ajudar e das virtudes morais – transmitindo-lhe ao mesmo tempo o patrimônio espiritual da nação e da civilização às quais pertence e conservando a herança secular das gerações” (1).

Não é, pois, difícil intuir a influência que a televisão exerce nesse processo, dado que ela não é um eletrodoméstico a mais em nossa casa. “A televisão é um eletrodoméstico que fala, que transmite lições, que propõe casos para imitar, que difunde modos de cultura. Exerce influência por osmose, quase imperceptível a quem se lhe entrega passivamente” (2). E é imenso o tempo que se gasta diante da “telinha”; pesquisas revelam que crianças entre seis e 11 anos passam cerca de 25 a 30 horas semanais diante da TV.

Isso é preocupante porque, além do excessivo tempo de exposição aos programas de TV, a assimilação, o aprendizado por esse veículo se dá bem mais rapidamente e em maior quantidade de informações, porque se utiliza as capacidades audiovisuais em conjunto. Aprende-se sem grandes esforços. O subconsciente encarrega-se de assimilar a maior parte do conteúdo transmitido. Assim, o aprendizado se dá de maneira acelerada e mais prazerosa. O problema é o que se aprende, visto que a televisão contribui tanto para a educação quanto para a “deseducação” do ser humano.

As influências positivas da TV

A televisão, “se ‘ingerida em pequenas doses’ poderia ser uma ajuda preciosa, pois ela seria dominada, limitada, discutida e elaborada” (3). O uso da TV, portanto, se acompanhado pelos pais, que selecionem os programas e discutam seus conteúdos com os filhos, pode apresentar efeitos positivos.

Um desses efeitos é a veiculação da informação. É fascinante obter notícias e documentários de todas as partes do mundo através do som e da imagem! Informações acerca dos mais diversos assuntos: música, esportes, entretenimento, economia, política, sociedade…

Outro efeito é tornar o mundo “pequeno”, os seres humanos mais próximos. Diante das cenas transmitidas das mais diversas partes do mundo, tem-se a impressão de que, de fato, nosso planeta é uma grande “tribo” colorida que gira nesse imenso universo; somos, portanto, todos irmãos. A beleza do outro não me ameaça, antes enriquece-me; sua alegria é minha, bem como sua dor me faz sofrer.

A televisão também proporciona lazer. É possível – infelizmente nos canais abertos não é tão possível assim – escolher um bom programa e divertir-se sem sair de casa, a família toda reunida, com a pipoca e o refrigerante à mão…

A TV, portanto, se bem gerida, proporciona cultura, engrandecimento da pessoa humana.

As influências negativas da TV

Quando mal empregada, a televisão pode se tornar nociva. Pode, por exemplo, comprometer aspectos indispensáveis ao saudável desenvolvimento infantil, como a curiosidade, a iniciativa e a atividade física. “A criança que assiste demais à televisão – às vezes até tarde da noite, sem critério algum – corre o risco de ter a curiosidade e a sede de conhecer reduzidas ao desfrutamento passivo de estereótipos distantes do mundo infantil” (3). No tocante à atividade física, em linhas gerais, movimentar o corpo é indispensável para a aquisição de todos os pré-requisitos para a aprendizagem escolar, como a lateralidade e a estruturação espaço-temporal. No entanto, hoje é grande a preocupação com o alto índice de crianças e adolescentes obesos, que não fazem qualquer atividade física, não praticam esportes, antes “ocupam” o tempo diante da TV, comendo balas, doces, sanduíches e refrigerantes.

O excessivo e sem critérios uso da televisão pode causar também defasagem no rendimento escolar, posto que, habituados que se tornam às respostas prontas, à lei do menor esforço, desinteressam-se pelos jogos e atividades escolares, que requerem dinâmica, criatividade e esforço. Se a escola for tradicional também é problema, pois a tecnologia e as cores da TV ofuscam a rotina da escola.

Pior que tudo isso, é a influência sobre os valores. Desde cedo – muitas vezes mesmo nos programas preparados para as crianças – elas aprendem o triunfo da esperteza, do furto, do ganho fácil; aprendem a discriminar pela cor, raça, credo ou classe social, ou seja, a não valorizar o diferente; aprendem os fortes vencem os fracos, os grandes derrotam os pequenos; que as leis podem ser burladas desde que ninguém esteja olhando e muitos outros contravalores.
Antigamente – não faz muito tempo – identificava-se, nos desenhos animados, o bem do mal porque os personagens do bem eram bonitos, coloridos, de voz doce e temperamento meigo, e os do mal eram monstrinhos.

Hoje, porém, até os personagens do bem vêm em forma de monstros e brigam entre si. Um exemplo disso é o desenho japonês Pokémon, campeão entre a garotada. Minha irmãzinha de seis anos, infelizmente, não escapou da febre Pokémon. Um dia, assistindo a um episódio com ela perguntei-lhe: “Quem é do bem e quem é do mal?”, ela disse-me que ambos eram do bem. Eu fiz nova pergunta: “Por que o bem precisa brigar contra si, não é mais lógico brigar contra o mal?”, mas ela acha a coisa mais natural do mundo: “É porque eles precisam das insígnias”. Mas justifica brigar contra os bons?, perguntei insistente. Ela, para finalizar a “discussão”, disse: “É porque tem de ser assim mesmo e pronto”. Nessas últimas férias, fui com ela ao cinema e fiquei indignada dela ter gostado mais do filme Pokémon do que do Caminho para o El Dourado.

Aos poucos, os pequenos acostumam-se e modelam-se – linguajar, roupas, comportamentos, mentalidades, valores… – segundo a ditadura televisiva.

Como usar a televisão

O jornalista italiano Pascal Iónata (5) aponta algumas sugestões sobre como usar a televisão de modo que não prejudique, mas auxilie na educação da criança:

– Ajudar as crianças a escolherem os programas mais adequados para elas e assisti-los em sua companhia;
– Falar com as crianças sobre os programas de TV pelos quais elas têm mais interesse e escutar seus comentários;
– Combinar com elas quanto tempo se pode dedicar à TV; e não permitir TV em seus quartos;
– Evitar que vejam TV antes de irem à escola;
– Evitar que fiquem diante da TV até o momento de ir dormir (especialmente quando se tratar de programas emocionantes);
– Evitar que o televisor esteja ligado durante as refeições;
– Evitar a utilização da TV como babá;
– Não usar a privação da televisão como castigo;
– Desencorajar o uso do controle remoto para realizar um multiprograma;
– Evitar que façam os deveres de casa diante da TV;
– Ter atenção aos aspectos sanitários do relacionamento com a TV (hábito de comer fora de hora das refeições, ficar em posições incorretas, ambiente escuro, aproximação do vídeo etc.);
– Proporcionar às crianças programas alternativos à TV, motivando-as a jogar, ler, conviver com outras pessoas;
– Dar o bom exemplo.

Enfim, é preciso “trancar o televisor no armário e fazê-lo funcionar em períodos limitados, não lhe permitindo dominar a situação”(6).

Maria Auristela Barbosa Alves
Formação: Dezembro/2008

 

Notas bibliográficas:
1. BRANDÃO, Carlos, R. O que é educação. 33 ed. São Paulo: Brasil, 1995, p. 65.
2. BETTENCOURT, Estêvão. A “senhora” televisão. Pergunte e responderemos. Ano XXX, n. 323, abr/1989, p. 81, Rio de Janeiro: Lumen Christi.
3. SANTANCHÈ, Egidio. O mundo desconhecido das nossas crianças. São Paulo: Cidade Nova, 1994, p. 19.
4. Ibidem, p. 22.
5. IÓNATA, Pascal. A hipnose da televisão. Cidade Nova, ano XXXV, n. 4, abr/1993, pp. 10-12, São Paulo: Cidade Nova.
6. SANTANCHÈ, Egidio. O mundo desconhecido das nossas crianças. São Paulo: Cidade Nova, 1994, p. 28.

 

24.11

 

Nesta pregação, é aprofundada a necessidade de a juventude estar bem atualizada, sem se deixar levar pelas coisas que não pertencem à nossa fé e à nossa doutrina.

Adquira o seu [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *