Formação

A vida não é uma balada

comshalom

Dom Anuar Battisti

    Odireito de se divertir e encontrar os amigos para algumas horas dedistração  juntos, nunca pode tirar, da consciência, o dever decuidar-se e cuidar dos outros. Os encontros sempre foram umaoportunidade bonita de estreitar laços de amizade e construirrelacionamentos verdadeiros. As baladas são uma oportunidade positiva,para quem tem a cabeça no lugar, assim outros ambientes sociais, epodem conduzir a uma verdadeira vivência dos valores da vida humana,como por exemplo a amizade, o respeito e a valorização do outro e davida. Somos ou não somos corresponsáveis para criar um mundo melhor?Acreditamos ou não que a vida é presente de Deus e que deve serpreservada a todo custo?

    Diantede tantos fatos de jovens se matando no trânsito, excedendo em bebidaalcoólica,  em drogas que afetam diretamente a consciência e o corretouso da razão; diante das reuniões exclusivas para determinados grupossociais; diante da diversidade de opções que levam jovens ou adultos aviverem alienados em um mundo ilusório, acreditando serem felizes,pergunto: Quantas vidas foram e estão sendo ceifadas, a cada dia, porcausa dos abusos e extravagâncias? Como convencer esta gente que pensaque a vida não vale nada? Como os pais podem ficar tranquilos em casaem um fim de semana, sem ver os filhos de volta? Quando e como voltam?Quantos não voltaram, senão em um carro funerário!

    Comoparte deste mundo imundo, não podemos estar de braços cruzados. Muitasiniciativas foram tomadas e estão sendo levadas a bom termo. Atitudesde repressão, como também de educação e de prevenção, são realizadas emtodos os ambientes, com o objetivo de proporcionar qualidade de vida efavorecer a construção de uma sociedade cada vez mais solidária esegura.  Além de todo o trabalho feito, a prevenção e a verdadeiraeducação vêm da família, onde, desde pequenos, aprendem a viver oslimites da vida, onde aprendem o quanto vale cada coisa que usam, sabemde onde veio e quanto suor custou. Ao mesmo tempo, aprendem, com ospais, o caminho da igreja, do amor e o temor de Deus. Desde o colomaterno e paterno os pequenos aprendem que a vida vale mais, que acimade tudo temos um Deus que nos ama e nos quer ver felizes, aqui e naeternidade.

    Semquerer fazer dos filhos estátuas ou múmias sem sentimentos ou desejos,os pais devem, como missão, oferecer um caminho onde saibam valorizar opouco, onde saibam viver na abundância e na carência, onde aprendamdeste a tenra idade a orar e dobrar os joelhos, reconhecer que nãoestão sozinhos. Ninguém pode furtar-se a esse dever. É puro enganopensar: Vou deixar meus filhos crescerem e quando grande eles decidem oque querem seguir. A primeira escola, a primeira igreja, a primeiraprofessora, o primeiro catequista é a sua casa, é o seu colo, é suaexperiência de Deus. Quantos pais e mães, vazios de Deus, sem nenhumaexperiência espiritual para apresentar aos filhos! Ninguém dá o que nãotem.  Com certeza, muitos deram tudo, menos o essencial. Com certeza,muitos não tinham nada e deram o que tinham: o amor e o carinho de quemacredita que a vida é dom de  Deus Pai. Assim vamos contemplar ummundo, onde a morte não ocupa o primeiro lugar e nem nossas ruasficarão manchadas de sangue de inocentes e de irresponsáveis que matame morrem. A vida não é uma balada.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *