Formação

A visita do Papa

comshalom

Um magistrado brasileiro se manifestou contra os gastos do país com a visita do Papa Bento XVI, alegando que o Brasil não é um Estado confessional e, portanto, não pode financiar a visita de um líder de determinada religião.

Que o Brasil não é uma república de aiatolás, onde o clero mande, está claro. Nosso Estado é laico.

É também verdade que a grande maioria do povo brasileiro é de cultura católica. Nós gostamos do papa e nos alegramos com sua visita. Ele é o sucessor do Apóstolo Pedro, a pedra sobre a qual Jesus prometeu construir a sua Igreja e lhe deu o poder das chaves, para ligar e desligar (Mt 18, 18-19). Ele é o fundamento e o sinal visível de unidade da Igreja. É o Vigário de Cristo, tem a missão petrina de testemunhar a doutrina apostólica e de presidir o colégio apostólico. Ele é muito bem-vindo entre nós.

Mas o papa vem ao Brasil também como representante supremo do Estado da Cidade do Vaticano. É um Estado pequeno, mas soberano, neutro, inviolável, colocado sob a proteção da Convenção de Haia. É reconhecido pela ONU como patrimônio cultural da humanidade e “sacrário da cultura humana”.

Como Estado, o Vaticano é pequeno: tem uma superfície de 440 mil metros quadrados, dos quais 260 metros são área coberta; tem 1045 metros de comprimento e 850 metros de largura; está cercado de muros por todos os lados, menos na frente, onde fica a Praça de São Pedro, com a magnífica coluna de Bernini. Tem bandeira própria, central telefônica, rádio, sigilo, selos postais e cunha sua própria moeda. Se dentro do Vaticano mal vivem mil habitantes, o Sumo Pontífice preside mais de um bilhão e cem milhões (1.100.000) de seres humanos que constituem a Igreja Católica Apostólica Romana.

Como Estado soberano, o Vaticano participa dos organismos internacionais, assina tratados e tem relações diplomáticas com inúmeros países. A diplomacia vaticana é um dos segredos de sua eficácia na promoção da paz, da cooperação entre os povos e da defesa dos direitos humanos, entre os quais o direito à liberdade religiosa.

A visita de Bento XVI ao Brasil acontece no contexto da 5ª Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe. A atenção do mundo estará voltada para Aparecida , sede do evento, que o Papa há de inaugurar dia 13 de maio de 2007. Foi a 13 de maio de 1917 que a Mãe de Jesus apareceu em Fátima, pedindo oração, penitência e conversão ao Evangelho. O povo está convidado a acompanhar o Papa e o Episcopado reunido em Aparecida também com oração e disposição para viver como discípulos e missionários de Jesus Cristo, “para que nossos povos nele tenham vida”.

Dom Sinésio Bohn
Bispo de Santa Cruz do Sul


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *