Formação

A vocação e os cristãos leigos

comshalom

Completamos o jubileu de ouro da convocação do ConcílioVaticano II. As comemorações desse evento importante do século XX será umaoportunidade muito boa para que examinemos nossos passos dados e as propostasdo Concílio.

 Um dos aspectos levantados foi sobre o papel e a missão docristão leigo na Igreja. A grande preocupação era não apenas de uma maiorparticipação nas preocupações e trabalhos internos à comunidade, como,principalmente, o testemunho na sociedade, nas realidades temporais.

 O fato de o cristão leigo não deveria ser apenas umexpectador ou destinatário da mensagem evangélica e das preocupações da Igreja,mas, sim, ser consciente de sua missão de cristão ao interno da Igreja etestemunhando Jesus Cristo à sociedade.

 Este foi um aspecto importante do Concílio EcumênicoVaticano II, que foi um impulso dado pelo Espírito Santo à Igreja e suapresença no mundo hodierno, mas, dentre as variadas conquistas, podemos afirmarque uma delas foi certamente a valorização da vida e missão dos cristãosleigos, que emergiu como um elemento fundamental para a nova realidade do mundoem transformação.

 A presença do cristão leigo está em muitos documentos, mas oApostolicam actuositatem é dedicado totalmente ao cristão leigo. Creio que sejao primeiro num Concílio em toda a história da Igreja.

 Dá-se uma nova ênfase ao conceito basilar da evangelizaçãodo mundo, sua transformação para uma feição mais humanizada, mais justa, e,portanto, mais cristã. Passamos, então, a falar da missão da Igreja no mundo,servindo ao reino e não a si mesma.

 Portanto, nesta missão evangelizadora da Igreja, recorda-sea missão do cristão leigo, que, vivendo em sua realidade temporal, é chamado aser sal, luz e fermento e assim transformar a realidade através de suaprofissão, da sua presença na sociedade, na política, na cultura, nas ciências,nos esportes, e muito mais. Realidades que não são alcançadas apenas pelo cleronas suas atividades e missão cotidiana, mas que precisa de um protagonista. Aosleigos é dada essa vocação específica: fazer a Igreja presente e fecundanaqueles lugares e circunstâncias onde somente através dos leigos ela pode setornar o sal da terra.

 O Papa Paulo VI afirmava que os leigos são como uma ponteque une a Igreja à Sociedade. Não como uma interferência da Igreja na ordemtemporal ou nas estruturas dos assuntos mais afetos à vida política oueconômica, mas, sim, para não deixar que o nosso mundo fique sem a mensagem dasalvação crista, sem as luzes do Evangelho e da mensagem de Cristo. Portanto,os leigos são chamados a estabelecer este contato entre a vida eclesial e asociedade, ser os construtores de uma nova maneira de servir o bem comum eimbuir a realidade terrestre de uma ordem transcendentes, eterna, Divina.

 São Paulo nos afirma que toda a criação será recriada emCristo. O mundo geme em dores de parto por uma nova ordem: mais justa, maisfraterna. Todos são convidados, portanto, a seguir o modelo de Cristo.

 Os leigos são corresponsáveis pela missão da Igreja,companheiros de caminhada e em quem se confia, a quem se recorre, em quem seacredita e a quem se dá espaço na decisão, no planejamento e na execução dasvárias atividades na Igreja, e isso pela própria essência de sua consagraçãobatismal.

 Unidos a Cristo, através do Batismo, sacramento da fé, osleigos devem, portanto, estar atentos não só a uma pertença à Igreja, mas “ser”e sentir com a Igreja que é mistério de comunhão.

 A V Conferência Episcopal Latino Americana, em Aparecida,afirma que “os fiéis são os cristãos que unidos a Cristo pelo Batismo, são opovo de Deus a participar nas funções de Cristo: sacerdote, profeta e rei. Elesfazem, de acordo com sua condição. São os homens da Igreja no coração do mundo,e homens do mundo no coração da Igreja. Sua missão é realizar o seu testemunhoe atividade e contribuir para a transformação das realidades e para a criaçãode estruturas justas, segundo os critérios do Evangelho”.

 A missão não é somente uma escolha ou uma opção, mas, sim,um dom de Deus. A missão não é nossa nem de um grupo, mas é da Igreja, que nosenvia, e no centro desta missão laical deve estar o Espírito do SenhorRessuscitado, a quem obedecem com a mesma dignidade, mas com ministériosdiversos, tanto os leigos como os ministros consagrados. Ter tal consciênciadesta centralidade da missão em Cristo é de fundamental importância na vida dolaicato no seio da mãe Igreja.

 Conclamo todos os leigos de nossa Arquidiocese, os católicosapostólicos e romanos, para viverem a grandeza de seu batismo, colocando a mãono arado e chamando a todos para o “vinde e vede” do senhor Jesus!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *