Mundo

Aborto seletivo faz com que faltem 63 milhões de mulheres na Índia

Estudos recentes mostram que as meninas recebem menos educação, nutrição e cuidados médicos do que os meninos.

comshalom

O governo da Índia informou em 29 de janeiro, em sua pesquisa econômica anual, que o aborto seletivo das meninas provocou a falta de 63 milhões de mulheres no país.

De acordo com Associated Press (AP), “a proporção desigual de homens e mulheres, na maioria das vezes, acontece devido aos abortos seletivos por sexo e ao fato de que os meninos recebem uma alimentação e cuidados médicos melhores”.

Na Índia, o aborto seletivo é ilegal e os médicos não podem revelar o sexo do bebê. Entretanto, é comum encontrar muitos médicos dispostos a ignorar as leis.

Além disso, informa AP, “a mistura de velhas crenças e a realidade econômica faz com que milhões de famílias indianas tenham medo de ter filhas”.

O relatório também assinalou que outras 21 milhões de meninas nasceram sem ser “desejadas” por suas famílias.

“As famílias onde nasce um filho homem são mais propensas a parar de ter filhos do que as famílias nas quais nasce uma filha mulher”, indicou o relatório.

Estudos recentes mostram que as meninas recebem menos educação, nutrição e cuidados médicos do que os meninos.

Além disso, as mulheres muitas vezes são pressionadas pelas suas sogras para terem filhos homens.

Na Índia, o nascimento de um menino é motivo de celebração e orgulho familiar, enquanto o nascimento de uma menina pode provocar vergonha e até luto para os pais, pois se preocupam com as enormes dívidas que vão ter que fazer por conta de seus casamentos.

Em alguns casos, inclusive, a própria família da mulher grávida induz o aborto, batendo no seu ventre.

O grande número de abortos de meninas, assinala ‘The Washington Post’, causou a existência  de aproximadamente 50 milhões de homens menores de 25 anos, que podem ser considerados uma “bolha populacional excessiva” – parecida com a da China devido à política do filho único vigente durante vários anos – que causa alguns desafios, relacionados à dificuldade de encontrar uma parceira.

“Talvez uma área na qual a sociedade indiana – e isso é do governo à sociedade civil, comunidades e famílias – precisa refletir mais é a chamada ‘preferência pelo filho’, pois o seu desenvolvimento parece não ter provado ser um antídoto”, indica a pesquisa.

Em abril de 2016, o Instituto Charlotte Lozier divulgou um relatório no qual assinalava que o aborto seletivo não ocorre somente na Índia e na China, mas também nos países ocidentais como os Estados Unidos.

Em todo o mundo, explicou Anna Higgins do Instituto Lozier, “há 160 milhões de meninas a menos por causa do aborto seletivo por sexo. Isso é algo que está afetando a sociedade humana em geral”.

Em sua opinião, o aborto seletivo por sexo é uma “discriminação letal e sexual contra as meninas”. “De qualquer forma é inerentemente injusto”, lamentou.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *