Formação

Amazônia em foco

Neste ano a Campanha da Fraternidade nos coloca diante da Amazônia, com sua vastidão e complexidade. Olhar a Amazônia sob o prisma da fraternidade se constitui em convite que logo nos desafia a perceber os múltiplos laços de interesses comuns que a realidade amazônica nos apresenta.

Como todos os anos, o tema da Campanha, desde o seu lançamento, vem ungido pelo acerto da escolha, e pela preciosa oportunidade de grandes consensos que ele cria a nível nacional. A Campanha da Fraternidade se tornou laboratório de causas comuns da sociedade brasileira.

Desta vez, o tema assume também uma clara dimensão mundial, pela coincidência com as apreensões diante das mudanças climáticas, que revelam sua indiscutível gravidade, e apontam para a urgência de sintonizar melhor com a natureza, se queremos assumir as responsabilidades que nos cabem com a vida em nosso planeta.

Pela primeira vez a Campanha assume um tema localizado geograficamente. Mas isto não significa que seus objetivos se limitam a uma região determinada, mesmo com a grande extensão que ela apresenta. A Amazônia merece, sim, toda a nossa atenção, pela importância que ela possui, no contexto brasileiro e mundial. Mas ela aponta para problemas que ultrapassam suas fronteiras geográficas.

Na verdade, a Campanha da Fraternidade, assumindo a Amazônia como tema, colocou sua realidade na moldura de um grande espelho. Olhando para ele, podemos compreender melhor a complexa realidade amazônica. Ela exerce um fascínio que atrai e encanta, pelo prodígio de vida que possui, e pela misteriosa harmonia que consegue realizar em meio a situações que escapam à compreensão de quem a olha superficialmente.

Mas olhando para este grande espelho do mundo, na moldura de suas fronteiras, acabamos nos reconhecendo melhor, e percebendo os desafios cotidianos que se colocam em todas as regiões, de respeito com a natureza, de conhecimento de suas leis, de cuidado com sua dinâmica, de responsabilidade na interação com ela.

Assim, a Campanha da Fraternidade nos convida a assumir melhor a Amazônica, com a riqueza que ela representa para o Brasil e para o mundo. Mas nos convida também a rever nossa relação com o ambiente em que nos encontramos, nos reeducando para respeitar suas características, percebendo melhor sua sintonia , que se constitui em contexto vital que possibilita a manutenção de suas potencialidades junto com o seu crescimento harmonioso.

É assim que nos damos conta que a Amazônia se constitui, antes de mais nada, num grande sistema de vida, num bioma rico em potencialidades, que precisa ser melhor conhecido, e manejado com mais responsabilidade.

Quando olhamos nosso planeta como berço de vida, é claro que nossa atenção se volta, prioritariamente, para a vida humana, ápice de todo processo vital nele existente. Também ao olhar para a Amazônia, a Campanha da Fraternidade centra suas atenções nos povos amazônicos, sobretudo os ancestrais, detentores de longa experiência de como conviver com a realidade amazônica.

Promovida pela Igreja, e proposta para toda a sociedade brasileira, esta Campanha sobre a Amazônia interpela a própria Igreja. Ela é chamada a assumir agora, com mais responsabilidade, sua presença na Amazônia, continuando a longa e benemérita ação de muitos missionários estrangeiros que até agora garantiram esta presença. Foi a presença da Igreja que, de certa maneira, desenhou as fronteiras da Amazônia brasileira. A continuidade desta presença é indispensável para a manutenção desta identidade.

Por sua vez, esta campanha alerta o país para as suas responsabilidades diante da Amazônia, ainda mais diante da inquietação internacional que ela suscita.

E como a Amazônia não é só brasileira, sua vasta realidade se torna excelente convite para a partilha de responsabilidades entre os países que partilham seu território.

Este o vasto leque de intenções desta providencial Campanha da Fraternidade.

Dom Demétrio Valentini
Bispo de Jales (SP)

Fonte: CNBB


Comentários

[fbcomments]

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *