Formação

Apesar dos percalços

comshalom

Pode parecer ingenuidade do Concílio Vaticano II, mas os conciliares recomendaram à Igreja a abertura de um paciente diálogo com o mundo moderno. Tal procedimento foi levado a sério, por suas evidentes vantagens recíprocas. O pensamento embutido nessa atitude provém da convicção de que nem tudo no mundo está errado, e que a Igreja tem muito a colaborar com os tempos modernos. Os resultados foram, ora vantajosos, ora quase decepcionantes. E não ocorreu só de os tempos modernos aprenderem com a Igreja – como ocorreu com a Doutrina Social – mas também sucedeu o contrário: a Igreja aprendeu da modernidade. Assim, por exemplo, os direitos humanos, bem como a liberdade religiosa e o conceito de democracia, (na verdade princípios nascidos do evangelho), foram âmbitos em que a esposa de Cristo assimilou nova mentalidade. Foi uma atitude aberta e “progressista” que herdamos de São Paulo: “Examinem tudo e fiquem com o que é bom” (1 Tes 5, 21).

Mas persistem vários impasses. Há várias “teimosias” que não deixam ir para frente. Em alguns pontos formaram-se muralhas. Curiosamente – com tristeza o digo – são mais intransigências do lado da modernidade do que do lado da Igreja. Vou citar alguns exemplos:

* a ONU é fortemente contra a família monogâmica tradicional, e está sinalizando com punições contra legislações que não se enquadram;

* as leis civis se manifestam cada vez mais intolerantes com a defesa do nascituro (o lado mais fraco), olhando só os interesses dos adultos;

* o uso livre dos preservativos sexuais, que estimulam a libertinagem sexual, e destroem os valores da família, são irresponsavelmente apresentados como única solução real.

O bombardeio contra as posições da Igreja é permanente, não cabendo uma atitude humilde de escuta, para analisar os argumentos. Eles já conhecem as explicações, mas não as ouvem. “Eles são duros de ouvido e fecharam os olhos” ( Mt 13, 15). Ainda mais, ampliando ilegitimamente o Código Penal, classificam essas posições cristãs de “crimes hediondos” contra a humanidade. A idéia, embutida atrás dessa afirmação, é que o sexo é uma atividade humana incontrolável, incorrigível e irreprimível. Essa é que é uma idéia “hedionda”. Nós ainda queremos mostrar para o mundo moderno que a educação, seja na família seja na escola, acompanhada pela força da graça, pode mudar o ser humano num “novo homem, segundo Jesus Cristo” (Ef 4, 24).

Dom Aloísio Roque Oppermann, scj
Arcebispo de Uberaba, MG.

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *