Formação

Aquecimento global

comshalom

Como sabemos a Campanha da Fraternidade de 2011 enfoca o Aquecimento Global. Tornados, furacões, enchentes, catástrofes, secas, queimadas, nevascas, desertificação da terra são sinais dos tempos. Algo esta mudando o clima, as águas, o ar, as florestas, os oceanos, as geleiras. Crescemos no desenvolvimento econômico, mas pagamos alto preço, ou seja, a depredação da natureza que geme em dores de parto.

Nas Sagradas Escrituras estes fatos são o rosto do “pecado cósmico” (Cf. Rm 8). O próprio homem é vítima de si mesmo, do seu egoísmo consumista e lucro a todo custo. Eis a “lógica do mais forte”. Há uma arrogância capitalista que destrói a vida e compromete a sobrevivência das gerações futuras e do cosmos. Estamos diante de uma realidade grave e que clama por urgência na busca de soluções.

A terra é casa de todos. Nela se abriga toda a família humana. A cultura da morte não deve ter a última palavra. Acreditamos na “civilização do amor”. Cabe-nos ser zeladores, cuidadores, anjos da mãe terra. A Palavra de Deus (Gn 2, 15) ordena que é nosso dever “cultivar e guardar” o jardim que o Criador nos confiou. O que fizemos foi transformar o jardim em deserto. Chegou a hora da “conversão ecológica”.
Como é confortante ver crianças com consciência ecológica e como é decepcionante ver os poderosos reunirem-se em assembléias como em Coppenhage e nada decidirem em favor do planeta. Apoderam-se da árvore da vida, do bem e do mal com comportamentos endeusados. Os grandes são destrutivos e ainda culpam os pobres, que eles mesmos fabricaram.
O maná que o povo acumulava no deserto apodrecia (Cf. Ex. 16). Todo acúmulo vira desperdício, supérfluo, lixo e, portanto podridão. Tudo está se decompondo e apodrecendo. É preciso com urgência apressar a globalização da educação ambiental, da consciência ecológica, da ética do cuidado, da mudança de mentalidade, de hábitos, de estilo de vida como alerta Bento XVI.

A CF quer gritar em favor da “salvação da criação” e ajudar-nos a escolher a vida. Escutemos os gemidos da terra, os seus clamores por mais cuidado e responsabilidade. Eis nossa esperança, o renascimento do planeta, o nascimento de leis, decisões, mudanças de mentalidade e de visão. Neste assunto não há volta: ou mudamos ou pereceremos. Ainda é possível mudar. Você que coloca o lixo na lixeira está fazendo sua parte, esta colaborando, está apontando soluções. Há micro-soluções preciosas, mas, são de urgência urgentíssima as macro-soluções, as decisões em nível internacional. Louvado sejas Senhor pela mãe terra, pela irmã água, por todas as tuas criaturas.

O texto base da CF sugere muitas ações práticas: o plantio de árvores, o mutirão de limpeza, a coleta e reciclagem do lixo, o zelo pela água, a transformação do óleo de frituras em sabão, a substituição de sacolas e copos plásticos por sacola e copo ecológico. Ao lado destas ações, é preciso mudar o jeito de trabalhar a terra, uma revisão do agronegócio e das indústrias poluidoras. Grandes e pequenos somos todos convocados a frear o aquecimento global.
Temos razões humanitárias, sociais e teologais para compreender a urgência da questão ecológica. Precisamos de humildade e bom senso para admitir que a criação é dom de Deus, é nossa casa, é como que o primeiro livro onde Deus revela seu amor por nós. A criação é o abraço, o beijo, o toque de Deus onde percebemos a sabedoria, a beleza, a bondade das criaturas e por eles chegamos ao Criador, ao Sumo Bem. Tudo foi criado em Cristo, destruir a natureza equivale a uma ofensa ao Criador. Sabemos que Deus perdoa sempre, os homens de vez em quando e a natureza nunca.

Dom Orlando Brandes
Arcebispo de Londrina/PR
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família – CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *