Formação

Arrumar as malas…

comshalom

            Como estou longe doBrasil há mais de dois anos não sei quais são as palavras e expressões demodismo que estão na boca das pessoas, de modo geral, mas sei de uma que é cadavez mais freqüente nas canções católicas e que virou marca registrada doMissionário Shalom. Primeiro eles cantaram que eram “estrangeiros aqui” e agoraque estão de “malas prontas”, para onde? Para o Céu! O Céu tem se tornado umbendito modismo.

 

Se pensássemos maisno Céu relativizaríamos mais o que é passageiro e nos prepararíamos com maisleveza e melhor para voltar para lá, de onde viemos. Nossa vida é tão curtinhase pensarmos na eternidade e no que nos espera do lado de lá! Mais que um lugarmonótono – quando eu era criança, confesso, eu ficava pensando como seriapassar todo o tempo louvando a Santíssima Trindade, e temia que fosse a coisamais chata do mundo – pelo que o livro do Apocalipse fala, no Céu usufruiremos emplenitude da presença de Deus, e nele tudo é absoluto, principalmente o Amor, eneste Amor está toda a liberdade, a paz, a beleza, a realização. Não haverámais dor, sofrimento, tristeza e limite de qualquer espécie! Cristo será tudoem todos, diz a Palavra de Deus! Vida em abundância! Comunhão total com Deus!

Quem já teve algumaexperiência espiritual por conta do toque da Graça, que é o Espírito Santo, econheceu na alma a presença de Jesus Ressuscitado, passando a se relacionar comEle cada vez mais intimamente, pessoalmente, diariamente, pela oração, pelaPalavra e acima de tudo pela Eucaristia, sabe do que eu estou falando. E estas sãopequeníssimas labaredas de amor que nos tocam e nos curam, plenificam, muitasvezes nos inundam de lágrimas e paz, imagine quando não houver mais nenhum véu,nenhuma barreira e será todo o Amor e todo o Fogo? Esta imagem é tão cara a SãoJoão da Cruz… Por isso, quando alguém que a gente ama morre, principalmentese vivia a vida em Deus se preparando para o Céu, em amor, choramos de saudade,mas deveríamos de fato ficar feliz por ela.

Acho que teremossurpresas quando chegarmos no Céu e penso muito nisso. Não por causa dasconversões espetaculares que acontecem e que só Jesus mesmo conhece – não foi ocaso de quem morria ao seu lado também crucificado? – mas por causa dos santosordinários de cada dia e que andam ao nosso lado. Claro que vai ser fantásticoencontrar uma pessoa que foi um “horror” neste mundo, alcançada pelo amorinequívoco e mais brilhante do que o sol que Deus nos dá em Jesus, no últimoinstante de decisão de sua vida e vontade. Este é um mistério que ninguém sabecomo se dá nem quando se dá, pois só morremos uma vez, mas cremos, confiamos eescutamos diariamente que a salvação foi dada a todos, pois o amor de Deuscobriu toda a humanidade: “… este é o cálice do meu sangue, o sangue danova e eterna aliança que é derramado por vós e por todos os homens para operdão dos pecados… fazei isso em memória de Mim”. Haverá muitos bonsladrões e boas ladras que nos surpreenderão na eternidade, graças a Deus.

Mas haverá também ossantos escondidos, simples, comuns como feijão com arroz e que vivem ao nossolado na célula, na casa comunitária, na paróquia, na vizinhança, até nas nossasfamílias. Grande neles é Deus mesmo que tomou posse da alma, em amor, mas quepermaneceu escondido no cotidiano e nos limites ordinários da humanidade decada um. Deve ter sido assim a surpresa das irmãs do Carmelo de Lisieux quemorreram antes dela, que a conheceram e que, ainda no purgatório, felicíssimaspor se prepararem para o banquete do grande Rei, como acontece na parábola doFilho Pródigo, se dão conta que Teresinha tinha ido direto para Céu, santíssima,transfigurada, porque totalmente tomada e unida a Jesus, o Amado de sua vida.Pense na cena! Como pode, uma pessoa tão comum, tão simples, que fazia tudoigual a todo mundo ir para direto para o Céu? Mas é exatamente esta adesão eeste amor à vontade de Deus, sem resistência, contínua, diária, amando,perdoando, não julgando, se arrependendo, deixando a alma ser grande e livre emDeus, continuamente fixada nas coisas Dele, rezando, rezando, pacientementedando passos de formiga – quem é da minha idade deve se lembrar da brincadeirade infância que chamava ‘Mamãe posso ir?’ – mas passos determinados.Afinal de contas, Teresinha era filha de Teresa e ambas tinham a determinadadeterminação de ser o que Deus queria que elas fossem: santas. Essa é a mesmadeterminação que Deus dá aos que são Shalom!

Este pensamento deCéu e da santidade dos meus irmãos e irmãs de casa, missionários como eu,também os demais que estão no Brasil e no mundo, espalhados, me faz admirarainda mais a obra do Senhor através do Carisma Shalom em cada um, e me fazquerer ir para o Céu junto com eles, em unidade, não por presunção, mas porvocação, pois este é o fim último de nossas vidas e consagração: a vida eterna,o Céu.

Tomara que essa modapegue, querer ir para o Céu e, enquanto vivemos por aqui, ajudemos uns aosoutros a arrumar as malas.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *