Formação

As consequências do encontro com Cristo e com sua Palavra

comshalom

Os cristãos são um povo chamado a ser sujeito ativo de efetiva transformação social,
pois o encontro com Cristo e sua Palavra, gera, necessariamente, o encontro com o
outro. O encontro pessoal com Cristo tem como conseqüência a mudança necessária nas
relações sociais que ganham como referência não mais o egoísmo, o individualismo,
mas o amor que se oferta e gera fraternidade e solidariedade, um verdadeiro humanismo
plural que acolhe a todos, pois a Boa Nova de Cristo é dirigida a todos os homens
e mulheres, sem qualquer distinção. Os cristãos que tiveram a experiência do
encontro pessoal com Cristo e Sua Palavra não se deixam escravizar pela mentalidade
consumista, materialista e utilitária que coloca a si mesmo e suas necessidades como
única prioridade a ser satisfeita, mas manifestam gestos concretos de doação, e sua
opção firme e radical pelo Reino de Deus e seus valores absolutos e intangíveis (DAp
397).

A vida ao ritmo da Palavra de Deus coloca o cristão em estado de missão constante,
a cada minuto do seu dia, pois vive em plena unidade com Aquele cujo coração doa-
se inteira e constantemente em Amor. O Amor não pode parar de dar-se inteiramente,
porque senão não é amor verdadeiro. Quem vive a vida na Palavra de Deus, ama sempre
mais e melhor a cada minuto de cada dia, por isso santifica tudo que toca.

Como o pequeno beija-flor que com as pequenas gostas de água em seu bico faz sua
parte para apagar o incêndio da floresta, esforço que aos olhos humanos parece ser
lançado fora; o católico com a oferta de sua vida escondida, no dia a dia, com suas
decisões por Cristo e pelo Reino, segue determinado na construção da santidade pessoal
e social, mesmo que aos olhos do mundo ele pareça um tolo ou um louco, mas que é na
verdade, louco de amor por Cristo!. E, afinal, o apóstolo Paulo já dizia que a sabedoria
do mundo é loucura para Deus, e a sabedoria de Deus é loucura para o mundo (I,Cort 1).
Mas, não foram homens apaixonados por Cristo que mudaram radicalmente a história
de seu tempo, como Francisco de Assis, Madre Tereza de Calcutá, ou João Paulo II,
cuja vida aproximou o mundo separado pela guerra fria?!.

O cristão que pensa que pode viver só para si, e que suas decisões pessoais não têm
reflexo na sociedade e no mundo de hoje, é como aquele homem que estando no barco
com outros dez homens, começa a furar o casco do barco debaixo de seu banco. Um
dos homens no barco grita para ele: o que pensa que está fazendo?!. Ele responde: estou
fazendo o que quero, debaixo do meu banco, afinal o que vocês têm que ver com isso,
se preocupem com a vossa parte, e não com a minha!?.

Quando deixamos as coisas acontecerem ao nosso redor sem que manifestemos
nossa opção por Cristo e Sua Palavra no mundo de hoje, vivendo nossa “vidinha”
só para nós mesmos, estamos furando o barco onde esta toda a humanidade e, com
isso contribuindo para o naufrágio de toda a família humana. Ao contrário, quando
nos decidimos em colocar Cristo e Sua Palavra no centro de nossas decisões, vamos

lançando pelo terreno da humanidade sementes de eternidade, que fecundadas pelo
Espírito Santo, são capazes de brotar, crescer e de gerar o céu na terra, um mundo
santificado pela presença de pequenos santos que no dia a dia ofertam suas vidas por um
mundo de Paz!.

A Encíclica Spe Salvi do Papa Bento XVI, nos lembra que somos salvos pela esperança
(Rom 8, 24), pois é ela que nos lança o olhar de eternidade, que nos faz ver além das
barreiras e desafios do tempo presente, o céu de hoje e o céu que nos espera. Nós
devemos ser os portadores dessa esperança, para um mundo que ou perdeu a esperança
ou que a coloca em coisas passageiras que não satisfazem a largura do coração do
homem que foi feito para amar com o amor divino.

O Cardeal Arcebispo de São Paulo, ao comentar sobre a Spe Salvi, colocou: Se não
houver um horizonte de esperança, que repousa em algo que está além de mim, não
naquilo que eu posso dar de mim, se não houver esta perspectiva, o mundo fica fechado
em si mesmo, e fechado dentro de seus próprios problemas. Então, com esta encíclica,
o papa quer ajudar a humanidade a se superar da estreiteza dos próprios limites, da
própria cultura, ou dos seus próprios problemas (Coletiva à imprensa em 30/11/2007).

Só em Cristo e na Palavra de Deus podemos encontrar essa esperança que é o dom
necessário para o mundo de hoje, que precisa retomar o sentido do eterno que vai além
do visível, ou dos limites humanos, dos problemas e desafios cotidianos e atuais, e
atinge às alturas do céu e da eternidade!.

Temos pois, de encarar de frente este nosso mundo, com os seus valores e problemas,
as suas ânsias e esperanças, as suas conquistas e fracassos: um mundo, cujas situações
econômicas, sociais, políticas e culturais, apresentam problemas e dificuldades mais

graves do que o que foi descrito pelo Concílio na Constituição pastoral Gaudium et
spes.(7) é esta, todavia, a vinha, é este o campo no qual os fiéis leigos são chamados a
viver a sua missão. Jesus quer que eles, como todos os Seus discípulos, sejam sal da
terra e luz do mundo (cfr. Mt 5, 13-14).

Almejamos o céu, mas construímos a eternidade no dia de hoje!


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *