Formação

As consolações de Deus, ou o Deus das consolações ?

comshalom

Dom Roberto Gomes Guimarães

Muito já se tem considerado sobre os riscos da religião daprosperidade. Quando assim acontece, o relacionamento da criatura comDeus transcorre de maneira acentuadamente interesseiro.

O pedido das graças a serem obtidas é o prioritário, e o ato deculto se esvazia de suas outras dimensões essenciais: adorar o Senhor,agradecer os favores recebidos, pedir o perdão pelos pecados.

Como se vê, descamba-se para a religiosidade do “quebra-galho”, ondese priorizam os interesses particulares da própria pessoa. E este ogravíssimo risco a que se expõe, já que ocorre a inversão dos valoresreligiosos com o conceito distorcido da oração: a busca das consolaçõesde Deus, e não a busca do Deus das consolações.

Trata-se, portanto, da ordem dos valores, porque, embora sintamos adependência do Senhor Deus para a obtenção das graças necessárias, mastal aspecto não pode anteceder o ato de adoração, de agradecimento, e oato de reparação pelas ofensas do pecado.

É assim que incorre na chamada religião da prosperidade. No fundodesta questão, se defronta com aquela mentalidade, segundo a qual asprovações, o sofrimento, a dor seriam manifestação da ausência de Deus,na vida da criatura, e somente a prosperidade estaria, ao invés, aatestar as bênçãos do Senhor. Esta não é mesmo a visão autêntica da fé.

Esta verdade nos é lembrada pelo apóstolo São Paulo, na 2ª carta àcomunidade de Corinto: “ Bendito seja Deus, o Pai de nosso Senhor JesusCristo, o Pai das misericórdias, Deus de toda consolação, e que nosconforta em todas as nossas tribulações” (2Cor 1,3).

Por conseguinte, mesmo nos momentos difíceis, a graça amorosa deDeus nos acompanha,e não nos consideraremos amaldiçoados pelo Pai doCéu, a nos “confortar em todas as nossas tribulações”. O cristão e acristã jamais se esquecerão da advertência de Jesus: “Se alguém quiserme seguir, tome sua cruz”( Lucas 9,23).

No Antigo Testamento, o livro de Jó nos apresenta o modelo de umcoração paciente nas tribulações, ao se conformar com todas ascircunstâncias de agruras pelas quais passou: “O Senhor deu, o Senhortirou, bendito seja o nome do Senhor”(Jó 1,21).

Mais uma vez reconhecemos a essência da religião, na amorosa entregade nossa vida nas mãos do Pai: “Seja feita a vossa vontade, seja nador, seja na alegria.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *