Formação

As Ditaduras da modernidade

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Dom Orlando Brandes

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

A cultura modierna privilegia o individualismo que não é omesmo que subjetividade. As tradições, normas e instituições entram em crise. A dignidade dapessoa não se confunde com subjetivismo, muito menos com arbitrariedade. Nossavocação é a de sermos irmãos para não morrermos como loucos. Vejamos algumasdas ditaduras da modernidade.

 

1.    A ditadura dorelativismo. A expressão é de Bento XVI.A filosofia do relativismo, inverte valores, torna bem o que é mal, cultua oego, os gostos, os desejos, as satisfações e o bem-estar individual. Nega osvalores absolutos, a ética, as certezas, os rumos, as seguranças. Há uma“soberba filosófica” que leva cada um julgar-se absolutamente dono de suasdecisões, aceitando cada vez menos as orientações éticas. Impõe-se o clima depermissividade e sensualidade na lógica do individualismo. Não podemossacrificar a verdade objetiva, nem as normas éticas universais, para sermosescravos do relativismo.

 

2.    A ditadura doesteticismo. Pessoas morrem por obediência ao esteticismo, ao culto do corpoesbelto, magro, bem ao gosto do figurino da moda consumista. Morre-se emcirurgias plásticas, lipoaspiração e jejum das pessoas escravizadas pelasregras e leis do “tipo modelo”. Como sofrem e até são excluídas as pessoas quenão correspondem às medidas de um corpo atraente. Todos querem ser magros emalham o corpo sob o comando da escravização da moda. Morre-se por causa daditadura da magreza. Cuidar do corpo é um dever e a beleza é reflexo de Deus,mas o esteticismo é um engano.

 

3.    A ditadura dacultura homoerótica. As pessoas homossexuais devem ser respeitadas. Osassassinatos de pessoas gays é uma exarcebação do machismo, da discriminação edo abuso do preconceito. Todavia, a Proposta de Lei contra a homofobia, assimcomo está hoje em discussão, é um revanchismo exagerado. Que as pessoas comorientação sexual homoerotica têm direito à segurança jurídica e ao contratocivil, é uma coisa. Outra coisa, é o despotismo vigente no projeto contra ahomofobia.

 

4.    A ditadurafiliarcal. O centro da família moderna hoje são os filhos. Crescem endeusados,sem limites e com poucos valores. Tornam-se onipotentes e depois delinqüentes.Os pais passam a ser reféns de suas crianças egocêntricas. Elas determinam oque comer, o que vestir, onde passear, o que comprar. São duplamente vitimas,do consumismo e filiarcalismo. O centro da família é o casal, não as crianças.Elas precisam do referencial paterno e materno. Criança folgada, crescerádescentrada, e dificilmente aceitará a disciplina, os limites e os valoresobjetivos.

 

5.    A ditadura doconsumismo. A ideologia do bem-estar leva à busca da satisfação imediata, dodesejo de consumo, da criação de necessidades desnecessárias. A avidez domercado descontrola o desejo das crianças, jovens e adultos. Legitima-se que osdesejos se tornem felicidade. Os pobres são perdedores, explorados, excluídos,supérfluos e descartáveis. A desigualdade social é uma iniqüidade que precisaser superada. O consumismo nos trouxe a depredação da natureza, a desigualdadecada vez maior entre ricos e pobres, a ruína dos valores, as doenças típicas damodernidade.

 

6.    A ditadura doindividualismo. Eu quero, eu sei, eu decido, são expressões do individualismo,da autonomia quando não da arbitrariedade subjetivista. A cultura doindividualismo confunde individualidade com subjetivismo. Para satisfazer osdesejos dos indivíduos temos a cultura do ter, a civilização do consumo, aética do agradável, o aumento do narcisismo que resumimos na palavra“hiperindividualismo”. A ditadura do individualismo rompe com a ética, com afamília, a religião, as instituições, as responsabilidades. Acontece então aprivatização da fé, a fragmentação da vida, a relativização dos valores. O bem,a verdade, a liberdade e o amor nos convocam à comunhão e à fraternidadesuperando a elevação do ego e seu endeusamento. Somos criaturas, precisamos dosoutros, comunhão é nossa vocação.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *