Formação

Braço a braço com Deus

comshalom

O episódio de 11 de setembro 2002 e o surto religioso que oacompa­nhou sob diversas modalidades, têm provocado a réplica de ateus, que vêmpublicando obras que combatem a fé como grande ilusão ou maluqui­ce infantil ouainda fator alienante ultrapassado, diz-nos a revista VEJA de 27/6/07: sãocitados quatro autores de escritos ateus: o biólogo inglês Richard Dawkins, ofilósofo americano Dennett, o jornalista inglês Christopher Hitchens e ofilósofo francês Michel Onfray. Vamos, a seguir, transmitir as principaissentenças desses pensadores e propor-Ihes uma resposta.

 1. Que dizem os ateus?

 Eis algumas das afirmações mais características de taispensadores:

 “O mundo seria melhor sem Deus” (Dawkins, Onfraye Hitchens).“Mesmo um ateu pode e deve cultivar valores sagrados como a verdade, o amor, ademocracia”.

 “Uma vida sem Deus tampouco precisa ser vazia de sentido,como bem demonstrou o filósofo inglês Bertrand Russe: “Acredito que, quando eumorrer, irei apodrecer e nada do meu ego sobrevivera. Mas me recuso a tremer deterror diante da minha aniquilação. A felicidade não é menos feliz porque devedevem chegar a um fim, nem o pensamento e o amor perdem seu valor porque nãosão eternos’” (Dennett).

 “A existência de Deus não pode ser comprovada nem tampoucohá como a negar…

 Dawkins admite que é impossível negar Deus, mas nem por issoateísmo e teísmo são hipóteses equivalentes. A evolução parte de elementossimples para chegar a formas complexas como o olho ou o cérebro humano. Ahipótese teísta seria uma inversão dessa lógica: colo­ca uma inteligênciacomplexa como origem de todo o universo. Não se trata, portanto, de dizer queDeus não existe; ele seria apenas muito, muito improvável”.

 Em relação ao Catolicismo a agressão é muito violenta:

 “Santíssima Trindade é acompanhada pela Virgem Maria, umadeusa de fato, embora não seja chamada assim. O panteão católico é infladoainda pelos santos, que, se não são semideuses, têm poderes de intercessão emáreas especializadas que incluem dores abdominais, anorexia, desordens intestinais.O que me impressiona na mitologia cató­lica é não só a sua qualidade kitsch,mas também a falta de vergonha com que essa gente fabrica as coisas no andar dacarruagem. É tudo despu­doradamente inventado”.

 Richard Dawkins, biólogo inglês, em The God Delusion Frenteao Antigo Testamento:

 “Nem é preciso dizer que nenhum dos eventos repulsivos edesordenados que o Êxodo narra aconteceu. Não houve fuga do Egito, nemperegrinação pelo deserto, e nem a conquista dramática da Terra Prometida – (.. .) os horrores e crueldades e loucuras do Velho Testamen­to. E quem – a nãoser por sacerdotes antigos que exercem o poder atra­vés do método consagrado daimposição do terror – poderia desejar que esse novelo emaranhado de fábulasseja verdadeiro?”

 ChristopherHitchens, jornalista americano em God Is Not Great

 2. Que respondem os cristãos?

 1. O mundo seria melhor sem Deus .. ,”

 Os ateus talvez digam isto impressionados pelas guerras deReligião ocorrentes na história da humanidade.

 A respeito observamos:

 Para os antigos, era, muitas vezes, dever de consciênciaempreen­der uma guerra para salvaguardar valores religiosos. Tal era aimportância que atribuíam à fé. – Hoje em dia já não se pensa assim. Mas não sepodem julgar os antepassados segundo categorias de pensamento que eles nãotinham nem podiam ter. Ao cristão é necessário defender as verdades da fé, sem,porém, chegar ao recurso das armas.

 Feita esta ponderação, devemos dizer que a religião, além deser culto a Deus, é um fator morigerante ou educativo de alto valor. Muitos sãoaqueles e aquelas que, após uma vida devassa e desesperadora, se voltam para aReligião e se tornam novas criaturas. Nada há de mais poderoso do que aReligião para motivar feitos heróicos. Por isto o mundo não seria melhor semreligião.

 O ateu pode ser uma pessoa moralmente honesta e digna,porque em seu íntimo existe a lei natural com seus ditames: “Não matar, nãoroubar, não caluniar”. Mas é bem difícil sustentar essa bondade natural, tal éa força das paixões que habitam no coração humano ou que o atraem no seuambiente de vida. Sartre dizia: “Se Deus não existe, tudo é permitido; soucarrasco ou açougueiro”. Na verdade, se Deus não existe, nada há acima do homemque o obrigue a determinado procedimento ou lho proíba; cada qual fará seucódigo de Ética, de acordo com suas conveniências. “Cada um na sua’, comoproclamam os existencialistas. O cidadão será carrasco ou açougueiro, de acordocom os referenciais do momento. Acontece, porém, que o homem foi feito para oAbsoluto e não consegue viver plenamente sem tal parâmetro transcendental.

 2. “Quando eu morrer, apodrecerei e nada ficará de mim”

 Estas são palavras que contrariam a aspiração natural do serhumano à Vida, à Verdade, ao Amor… Bem dizia S. Agostinho: “Senhor, Tu nosfizeste para Ti, e inquieto é o nosso coração enquanto não repousa em Ti”. Amorte é um corte, se não há continuidade no além, deixa o homem frustrado noque ele tem de mais autêntico e legítimo: o anseio de viver, de conhecer aVerdade, de experimentar o Amor, a Bondade, a Justiça …

 Bertrand Russell afirma que a felicidade, por ser finita,não deixa de ser felicidade … Sim, ainda é felicidade, mas chorosa em seuíntimo, pois todo ser humano tem sede de Bem (aventurança) sem limites. Quemteria coragem para dizer “Não” a uma alegria sadia e reconfortante? Por queserá necessário dar-lhe um fim?

 3. Prova-se ou não a existência de Deus?

 A sã filosofia (não só a Teologia) prova que Deus existe,pois todo relógio supõe um relojoeiro ou, em linguagem mais erudita: todo sercontin­gente (que existe, mas poderia não existir) requer uma causa que tenhafeito passar do não-existir para o existir. O mundo, complexo como é, desde abactéria até o olho e o cérebro humanos, não pode ser produto do acaso.

 Se não tem causa, o mundo é eterno, é o próprio Deus – o quenão condiz com a volubilidade das criaturas passageiras deste mundo. É precisoque exista um Ser Supremo, sumamente inteligente e poderoso, que tenha dadoorigem à matéria que evoluiu após o bíg bang. Não é lógico admitir que Deusseja muito, muito improvável, como diz o ateu.

 Em geral os ateus não tocam na questão da origem da matériaprimordial, pois essa temática leva a descobrir Deus, limitam-se a explicar aorigem da vida sem Deus – o que é aceitável para os graus da vida vegetativa eda sensitiva, não para a vida intelectiva, que supõe uma alma espiritual,especialmente criada por Deus.

 Ocorre porém que um cientista não pode furtar-se a umaquestão atinente à sua área de trabalho, como é a questão da origem da matériainicial: A verdadeira ciência não tem medo da verdade.

 4. O “panteão católico”

 Richard Darkins caricatura a mensagem católica para zombarda mesma.

 O Catolicismo está longe de considerar Maria Santíssima “amais bendita de todas as mulheres”, como uma deusa. Atribui-se-lhe profundaestima e veneração, por ter concebido Deus Filho em seu seio, jamais, porémadoração.

 Os Santos não são semideuses, mas criaturas que correram opá­reo com grande êxito, e hoje junto a Deus continuam a interceder por nós,como nós intercedemos por nossos irmãos necessitados aqui neste mun­do. A mortenão rompe a comunhão ou solidariedade existente entre os filhos de Deus. Apiedade popular pode ter exagerado o papel dos Santos na vida católica; assimfazendo, não é representativa do pensamento ca­tólico. Este professa que há umsó Mediador entre Deus e os homens, Mediador que quer comunicar sua obramediadora aos justos para que pela oração colaborem com Cristo na salvação dosseus semelhantes.

 Acusam a Igreja de se envolver em assuntos de ordem temporalou material, como casamento, sexo, experiências científicas … , quando eladeveria ficar no plano meramente espiritual sem interferência na vida pú­blicados homens. – Em resposta, notamos que o ser humano é psicossomático; tem umaalma espiritual que vive num corpo e num mun­do materiais, de modo que asquestões de índole material importam à Igreja na medida em que são ou não sãoconformes à lei de Deus. É somente o ponto de vista ético que a Igreja atinge.

 5. O Antigo Testamento

 Michel Onfray zombeteia acerca da história do AntigoTestamento como nenhum cientista faria. Revela não ter estudado o assunto, demodo que fala levianamente, em contraste com sua veia filosófica.

 Fazendo contraparte a todo o ceticismo ateu, que extingue osenso místico de todo ser humano, publicamos, a seguir, bela página de SantoAgostinho, que escreve em nome do que há de mais íntimo dentro de cada um denós.

 6. Em contraste: Santo Agostinho

 “Ninguém vem a Mim, senão aquele que é atraído por meu Pai.Não julgues que és atraído contra a tua vontade: a alma também é atraída peloamor. Não devemos temer a censura que, por causa destas palavras evan­gélicasda Sagrada Escritura, poderiam dirigir-nos alguns homens, que pesammaterialmente as palavras, mas estão muito longe de compreender o verdadeirosentido das coisas divinas. Poderiam dizer-nos “Como posso acreditarlivremente, se sou atraído?”. E eu respondo: “Parece-me pouco dizer que somosatraídos livremente: é com prazer que sentimos a força dessa atração”.

 Que significa ser atraído com prazer Põe as tuas delícias noSe­nhor e Ele satisfará os anseias do teu coração. Trata-se de um certo ape­titeda alma que nos torna saboroso pão do céu. Se o poeta pôde dizer:

 “Cada um é atraído pelo próprio apetite”, não pelanecessidade, mas pelo prazer, não pela obrigação, mas pelo gosto, nãopoderíamos dizer nós com maior razão, que o homem é atraído para Cristo, porquepõe as suas delicias na verdade, na bem-aventurança, na justiça, na vidaeterna, e sabe que Cristo é tudo isto?

 Acaso terão os sentidos corporais os seus prazeres, sem queo es­pírito tenha também os seus? Se o espírito não pode experimentar as suasdelícias, por que se diz no salmo: À sombra das vossas asas se refugiam oshomens? Podem saciar-se da abundância da vossa casa e vós os inebriais com atorrente das vossas delícias. Em Vós está a fonte da vida e é na vossa luz queveremos a luz.

 Apresenta-me alguém que ame e compreenderá o que afirmo.Apre­senta-me alguém que deseje, que tenha fome, que se sinta peregrino eexilado neste deserto, que tenha sede e suspire pela fonte da pátria eterna;apresenta-me um destes homens e compreenderá o que digo. Mas se falo a umcoração frio, esse não pode compreender nada do que estou a dizer.

 Se as delícias e os gostos terrenos, quando se oferecem aquem os ama, exercem tão forte atração, porque “cada um é atraído pelo próprioapetite”, como não há de atrair-nos o amor de Cristo, que é a revelação do Pai?Que pode a alma desejar mais ardentemente que a verdade? De que outra coisapode sentir-se o homem mais faminto? Para que deseja ele ter são o paladarinterior senão para discernir a verdade, para comer e beber a sabedoria, ajustiça, a verdade, a eternidade?

 Diz o Senhor: “Bem-aventurados os que têm fome e sede dejustiça, cá na terra, porque serão saciados, lá no céu”. Dou-Ihes o que amam;dou-Ihes o que esperam; verão aquilo em que acreditaram sem ver; comerão eserão saciados com aqueles bens de que tiveram fome e sede. Onde? Naressurreição dos mortos, porque Eu os ressuscitarei no último dia”.

 Sem dúvida, a volúpia de que fala S. Agostinho é maisvaliosa do que o vazio apregoado pelo ateísmo.

 “Todo homem tem dentro de si um vazio do tamanho de Deus”.(Dostoievski)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *