Formação

Brincar de Deus

comshalom

Dom Anuar Battisti

Diante de situações bem pessoais, onde entra em jogo os interesses derealização, o desejo de fazer só o que gosto, de buscar aquilo queconsidero “bom” e penso que mereço; diante de tudo o que faço, penso esinto que seja bom para mim, cultiva-se um leve sentimento de soberaniae autossuficiência. No caminho de realização pessoal, não pode existirapenas o “eu”, como centro das atenções. Precisamos dar abertura para ooutro, aquele que faz o mesmo ou outro caminho.Ao lado destes sentimentos de autonomia e autorrealização, pode existira ganância de superioridade, galgando os degraus da independência.Depender do outro parece coisa do passado ou de gente ignorante.Ninguém veio ao mundo sozinho, dependemos em tudo, até o dia doencontro definitivo com o Criador.

No livro “A Cabana”, Wilian P. Youngrelata um diálogo entre Mark e Sarayu, que faz o papel do EspíritoSanto. Mark diz: “Agora posso ver que gastei a maior parte do meu tempoe da minha energia, tentando adquirir o que eu achava que era bom, comosegurança financeira, a saúde, a aposentadoria, ou sei lá o quê. Egastei uma quantidade gigantesca de energia e preocupação temendo o quedeterminei que era mau.E Sarayu, com gentileza disse: Quanta verdade há nisso! Lembre-se: Issopermite que vocês brinquem de Deus em sua independência. Por essarazão, uma parte de vocês prefere não me ver. E vocês não precisam demim para criar uma lista do que é bom e ruim. Mas precisam de mim, setiverem qualquer desejo de parar com essa ânsia tão insana deindependência. Então pergunta Mark: Há algum modo de consertar? Vocêdeve desistir de seu direito de decidir sobre o que é bom e ruim e,escolher viver apenas em mim (Espírito Santo). É um comprimido difícilde engolir. Para isso, você deve me conhecer o bastante, a ponto deconfiar em mim e aprender a se entregar à minha bondade infinita”.

O discernimento entre o que é bom e mau no direito de decidir, só podeser alicerçado nos valores que vão além do humano pensar e sentir. Nãoexiste realização pessoal ou satisfação em viver, sem que haja umrelacionamento firme e decidido com a luz de Deus e seu Espírito.Quantos erros cometemos com consequências negativas incalculáveis anível pessoal e comunitário, porque nos colocamos como deuses esenhores de nós e dos outros.

Somos o que somos por graça, e se “degraça recebemos também de graça devemos dar”. Devemos dar de nósmesmos, na abertura ao outro, a fim de baixar o nível de independênciae construir juntos o bem, que não está longe de nós. Parecebrincadeira, mas tem muita gente brincando de Deus. Diante da Palavraficamos calados, pois “não é aquele que diz: Senhor, Senhor que entraráno Reino, mas aquele que faz a vontade do Pai Deus”. O esquecimento deque somos criaturas e não criadores, colocados no mundo para povoar eaperfeiçoa a criação, faz com que, os absurdos da independência humanatomem lugar do respeito e do amor à criação e ao Criador. Deturpamoscom a maior tranquilidade o fim pelo qual existimos e somos. Perdemos ogrande horizonte da vida humana que é a busca de perfeição, e nosperdemos em meio às coisas passageiras tentando trazer para o aqui eagora, o que está reservado no paraíso.

Como diz Willam P. Young:“Comprimido difícil de engolir”, principalmente quando a pessoa humanabrinca de Deus. Ainda é tempo, você sabe que só tem um, descer do seupedestal de criador e assumir a sua condição de criatura.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *