Formação

Cara de ladrão – O perigo de rotular as pessoas

comshalom

Dom Pedro José Conti

Umhomem cortava árvores com um machado e vendia a lenha. Gostava muito dasua ferramenta. Um dia o seu machado preferido desapareceu. O homemprocurou-o, mas foi inútil; não conseguia mais encontrá-lo.Convenceu-se que alguém o tinha roubado. Por causa disso, começou aespiar o filho do vizinho. Fazia muito tempo que não gostava do jeitodele. Agora que o observava bem, não tinha mais dúvidas: o andar deleera de ladrão, a cara e o olhar dele, também. Até os cabelos cumpridoseram de ladrão. Só podia ser ele quem tinha pegado o machado. Precisavadesmascarar o criminoso. Após alguns dias, porém, varrendo a casa, amulher encontrou o machado sumido. Estava debaixo do sofá, onde opróprio marido o tinha jogado voltando do trabalho. O homem ficou felize reparando novamente o filho do vizinho decidiu que, talvez, o andardele não fosse de ladrão, nem a cara, nem o olhar e nem os cabelos.Contudo, melhor desconfiar, nunca se sabe.

Essapequena história nos lembra como é fácil rotular as pessoas. O fazemosseguindo os nossos gostos, as nossas idéias e, na maioria das vezes, osnossos pré-conceitos. Depois é difícil desfazer os rótulos; quando opercebemos eles já estão bem colados nas pessoas e essas os carregam avida inteira. É difícil aceitar e acolher os outros como eles são, semquerer julgá-los ou classificá-los, conforme os nossos esquemasmentais. Mais difícil ainda é nos alegrarmos com a melhoria deles.

Aconteceutambém com Jesus, voltando para a sua cidade natal, Nazaré. O rótulodele era aquele de ser o filho do carpinteiro, de ser pobre, dointerior, do norte. Era verdade que agora ele revelava uma novasabedoria, tinha gestos diferentes, e alguns diziam que fazia milagres.Contudo, para o povo de lá, continuava sendo o mesmo de alguns anosantes. Não queriam admitir que tivesse mudado.

Porque é tão difícil reconhecer que as pessoas podem mudar, inclusive paramelhor? De onde nos vem tanta desconfiança? A resposta é simples.

Primeiroporque se admitirmos a mudança do outro, que agora se apresentadiferente de como o tínhamos rotulado, deveríamos reconhecer queerramos. Fica mais cômodo continuar a pensar que nós estamos certos eque só mudaram as aparências dele, a substância, porém, ainda é amesma. Tudo disfarce. Porque nós nunca erramos.

Asegunda razão é pior do que a primeira. Excluir que as pessoas possammudar nos permite também continuar a sermos o que somos; na maioria dasvezes acomodados em nossa mediocridade, ou em nossa ilusóriasuperioridade. Reconhecer que seja possível mudar significaria admitirque nós também poderíamos ou deveríamos mudar. Isso nos incomoda e nosdeixa inseguros. Muito melhor manter as nossas idéias, os nossosrótulos, porque isso nos faz sentir bem, na nossa segura e cômodadesculpa que sempre defendemos: mudar é impossível. Foi por causa dacabeça dura dos moradores de Nazaré, diz o Evangelho, que Jesus nãopode fazer milagre algum naquele lugar e que somente curou algunsdoentes.

Maisuma vez deveríamos entender que o verdadeiro milagre que o Senhor querfazer conosco, se o deixarmos, é aquele de entrar em nossa vida comoamigo e companheiro de luta e caminhada, sem mais nem menos, acolhidocom alegria e confiança. Nós, porém, em várias formas, continuamos arotulá-lo de "quebra galho", de "curandeiro", ou de "invasor deprivacidade". Naturalmente se acharmos que nos deu uma forcinha eresolveu o nosso problema, nesses casos valeu a ajuda. Mais amávelainda é quando não nos diz o que devemos fazer, querendo impor a suamoral. Se nos deixar a consciência em paz, é bom. Quantas vezes ochamamos de "salvador", mas dos outros ou dizemos que é a "verdade",contanto que esta coincida exatamente com as nossas idéias. Um amigoverdadeiro não precisa de rótulos. Está conosco porque nos ama, nadamais. Nesse caso os piores cegos somos nós: os que não querem ver.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *