Formação

Células-tronco embrionárias: quem são vocês?

comshalom

Dom Antonio Augusto Dias Duarte

Momento de veneração

O biólogo americano Francis S. Collins é um dos cientistasmais respeitados da atualidade. É diretor do Projeto Genoma Humano e trabalhano que há de mais moderno em torno do estudo do DNA, o código da vida. Até osseus 27 anos era um ateu convicto e foi cursando a faculdade de medicina etestemunhando o verdadeiro poder da religião nos pacientes que ele examinavanas enfermarias do hospital-escola que a sua visão começou a mudar.

São suas as seguintes palavras: “Não existe um antagonismoentre as visões científica e espiritual do mundo? (…) Não para mim. Muitopelo contrário. Para mim a experiência de mapear a seqüência do genoma humano edescobrir o mais notável de todos os textos foi, ao mesmo tempo, uma realizaçãocientífica excepcionalmente bela e um momento de veneração”.

Essas palavras coincidem no seu sentido religioso com as doex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, pronunciadas na Casa Branca,transmitidas por via satélite a várias partes do mundo, quando no primeiro semestredo novo milênio ele anunciava a conclusão do primeiro rascunho do genomahumano.

“Sem dúvida trata-se do mapa mais importante e maisextraordinário já produzido pela humanidade. Hoje estamos aprendendo alinguagem com a qual Deus criou a vida. Ficamos mais admirados pelacomplexidade, pela beleza e pela maravilha da dádiva mais divina e mais sagradade Deus”.

Um cientista, líder do Projeto Genoma Humano em todo mundo,e um ex-presidente americano teriam sido guiados pela Igreja Católica parausarem expressões tão significativas como veneração e dádiva divina parareferirem-se ao texto constitucional do ser humano que tem 3 bilhões de letras?

Seria absurdo alguém levantar esta hipótese paradesacreditá-los, mas o que se pode extrair das suas afirmações é que elesintuíram que está presente em cada célula do organismo humano, não só umamaravilha biológica – a enorme seqüência de letras contidas num espaço celulartão minúsculo – mas acreditaram na presença de alguém, que é digno deveneração, de respeito, de reconhecimento, intuíram a existência de um dom quenão pertence absolutamente a ninguém, mas que é uma dádiva de Deus.

As células humanas têm desde a sua matriz inicial – o zigotoou ovo fecundado – um processo constitucional e organizativo. São verdadeiras“fábricas” de substâncias nutritivas e energéticas, elas se diferenciam e seespecializam, elas se dirigem espacial e funcionalmente para diversas zonas docorpo humano, onde atingirão sua maturidade biológica e fisiológica, e em todosos momentos desses processos quem está presente é uma pessoa, é um você que seposiciona diante de um eu e de um nós.

Só sob uma perspectiva biológica

Ao estudar as células-tronco embrionárias só sob umaperspectiva biológica os resultados alcançados serão, sem dúvida nenhuma, úteise verdadeiros, mas só dentro desse ângulo considerado. É o que vai sedivulgando com o estilo próprio do jornalismo, ma mídia brasileira, uma sériede informações aos leitores que vão alimentando esperanças e vão acelerando osdebates sobre um tema tão atual.

A divulgação desses dados científicos sobre células-troncohumanas, em particular, sobre as células-tronco embrionárias, tem se mostradotão polêmico que se faz necessário um esclarecimento científico e ético maisobjetivo. Não é suficiente o “marketing” das pessoas a favor das pesquisas e dautilização terapêutica dessas células embrionárias.

É preciso saber que, em primeiro lugar, o desenvolvimento deum corpo humano inicia-se com a fecundação e segue adiante com uma trajetóriacontinua de diferenciação e crescimento; cada etapa desse itinerário biológicoé reconhecida por uma morfologia e por funções distintas do anterior-nívelgestacional.

Sabe-se que a primeira divisão celular ocorre em torno de 30horas depois da fecundação, e que a formação dos blastócitos (de onde seretiram as células-tronco embrionárias) se dá no 5º dia aproximadamente, e quea implantação do embrião no útero ocorre em torno do 6º-7º dia, e que acirculação sangüínea útero-plancentária inicia-se perto do 13º dia, e que até opróprio fenômeno do nascimento (9º mês), e outros fenômenos biológicos própriosdessa idade gestacional, tudo se desenvolve ininterruptamente segundo oprograma inscrito nesse texto fundamental da vida, que é o genoma.

É preciso saber também em que momento dessa trajetória ascélulas do embrião em desenvolvimento merecem ser chamadas de você, comocostuma acontecer quando a mãe e o pai vêem o seu filho através de umaultra-sonografia?

Um relacionamento entre pessoas humanas

Quando se emprega esse pronome de tratamento o que ficaevidente é uma intimidade entre iguais, ou seja, um relacionamento entrepessoas humanas, idênticas entre si na dignidade e incomparáveis no valor dassuas vidas. Ainda que esse pronome pessoal tenha adquirido conotações novas emtempos mais recentes e é utilizado pelos filhos, pelos netos, pelos sobrinhos,etc, ao se dirigirem aos seus pais, aos seus avós, aos seus tios, nem por issoa informalidade do tratamento faz perder a consciência do respeito devido a essaspessoas mais velhas.

Acontece que a divulgação jornalística do temacélulas-tronco embrionárias, empregando só termos biologicamente adequados,como por exemplo, fazer pesquisas com essas células para fins terapêuticos,prometer sucesso garantido para as doenças cardíacas, metabólicas,degenerativas, para lesões musculares e nervosas, até agora irreversíveis foiintroduzindo na cultura dos jovens e dos adultos uma certa limitaçãointelectual: só se vê o lado da ciência e não o lado da consciência, do certo edo errado, do bem e do mal.

Ainda que tal informação e todo debate feito só a nívelterapêutico amplie a inteligência humana com os conhecimentos científicos deúltima geração e introduza na linguagem cotidiana palavras especializadas -totipotentes, pluripotentes, multipotentes, medicina regenerativa, clonagemterapêutica, etc… – isto não está contribuindo para um maior esclarecimento eum aprofundamento necessário a favor de quem se está falando, de quem estásendo pesquisado e usado como remédio de última geração.

Falando só do ponto de vista experimental-científico

Se os juristas, os médicos, os biólogos, os políticos, osjornalistas estiverem falando só do ponto de vista experimental-científico,então quem os ouve ou os lê interpretarão suas palavras como reveladoras de unsconhecimentos limitados a uma perspectiva – a da ciência – que parte só do queé experimental e comprovado por instrumentais técnicos. E o que é invisível, eo que é humano propriamente dito?

 Agora se as mesmaspessoas estiverem falando de pessoas humanas nas diversas etapas do seudesenvolvimento físico-corporal, então estarão falando de seus iguais, e apalavra você merecerá um destaque especial, pois as células não são apêndices,mas sim são a própria pessoa que se faz visível e ocupa um espaço, e mostra aolongo do tempo da sua existência uma morfologia específica, conforme o estágiodo seu desenvolvimento, e tem uma excelência e uma dignidade não mensuráveis emlaboratórios farmacêuticos e em centros de pesquisa.

As células do corpo humano, sejam no momento inicial –zigoto –, sejam no momento final – morte – não só obedecem a um plano prescritono genoma presente em cada uma delas, mas representam quem está sendoconstruído pelos seus gens e pelo entorno em que se desenvolve e quem estámorrendo num leito de UTI, numa enfermaria ou na sua casa.

A pessoa humana é quem protagoniza os momentos vitais do seudesenvolvimento biológico; é um eu único e unitário, original e biográfico,corporal e espiritual, em todas os instantes e formatos da sua existência.

Ela não é menos pessoa quando tem 1, 2, 4, 8, 16, 32, 64,etc, células em comparação aos milhares, aos milhões de células presentes noseu corpo adulto, mas é a mesma pessoa, com o mesmo espírito corporalizado oucom o mesmo corpo espiritualizado, e, portanto, é merecedora de um tratamentopessoal, onde os pronomes eu, tu, nós, vós, podem ser utilizados, na linguagemmais coloquial, mas nem por isso, menos respeitosa, como você e eu ou vocês enós.

Quem estuda e intervêm sobre as pessoas que estão na etapa embrionária– mesmo que se tenha finalidade terapêutica futura marcada pelo sucesso –pesquisando a totipotencialidade das suas células capazes de formar os 250tipos celulares diferentes do organismo adulto, deve trabalhar com aconsciência ética para venerar, assim, com o máximo respeito, à dignidadehumana, e para defender sempre o direito à inviolabilidade da vida dessasmesmas pessoas, conscientizando-se de que está vivendo relações interpessoaissingularíssimas: pesquisador e pesquisado, eu e você, médico e paciente.

A Igreja Católica

A Igreja Católica sempre defendeu que o fruto da geraçãohumana, desde o primeiro momento da sua existência, é uma pessoa – é um você,um outro indivíduo – e a ela se deve o mesmo respeito incondicional que se temdiante de uma pessoa adulta, pois em qualquer estágio do seu desenvolvimentofísico há uma totalidade pessoal e uma unidade corporal e espiritual.

A partir do seu momento constitucional – a fecundação –devem ser, portanto, reconhecidos os direitos primários de qualquer pessoahumana e de qualquer cidadão brasileiro, principalmente o direito inviolável detodo ser humano inocente à vida íntegra, à vida saudável e à vida em comunidadeonde se valorizem os laços familiares e sociais: “você é um filho”, “você é um parente”,“você é igual a todos nós”, e não um aglomerado de células produzidas oucongeladas num laboratório”.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *