Formação

Como ser banqueiro e cristão

comshalom

"Muitos de nós se cansam de imaginar Deus como um criador que está trabalhando incansavelmente 24 horas por dia. Eu o imagino mais como um ator afastado do palco e relegado a um show dominical para um público cada vez menor."

"Por isso, falar sobre a fé ativa no local de trabalho pode parecer excêntrico. Mas, se percebêssemos que nosso trabalho é precioso para Deus, não faríamos outra coisa a não ser levar a fé para o trabalho."

Quem disse estas palavras não foi um sacerdote, nem um bispo, nem um religioso, mas o diretor de um banco, cujo nome é Ken Costa e que recentemente escreveu um livro intitulado "Al trabajo con Dios" ("Trabalhando com Deus", ed. Messaggero Padova), que está gerando comentários consideráveis.

Ken Costa é um dos dirigentes bancários mais importantes da nossa geração, conhecido por sua paixão, criatividade, liderança e pensamento estratégico em sua vida profissional; também é uma pessoa de profunda fé cristã.

Acredita-se que Deus e os negócios não se misturam. No entanto, o autor do livro explica que "o Deus que criou e sustenta o mundo é também o Deus do local de trabalho" e que, "se a fé cristã não for relevante no trabalho, não será relevante em lugar nenhum".

A partir da leitura do Evangelho, Costa se convenceu de que "o capitalismo democrático, apesar de todos os seus defeitos, era o sistema econômico que melhor servia o bem comum e que melhor refletia os princípios do Novo Testamento de justiça, de liberdade individual".

"A economia de mercado – observou ele – é um bom servo, mas um amo ruim: é necessário trabalhar dentro de um contexto moral mais amplo, que considere preciosos todos os seres humanos e preciosos todos os recursos do mundo, precisamente porque têm valor para Deus."

"Sem uma estrutura baseada em valores – afirmou -, a economia de mercado é fraca em seus próprios alicerces."

Sobre a presença de Deus e seu espaço no trabalho cotidiano, Costa disse que "a vida do cristão no trabalho é uma tensão em direção ao bem. Dia a dia, podemos perceber a vida de Deus, enquanto evitamos a escuridão. Nós tentamos caminhar ao longo deste estreito limite, procurando alcançar a luz".

"Algumas pessoas pensam que a fé nos torna imunes a fazer escolhas erradas… Eu gostaria que fosse assim. Deus nos dá os recursos espirituais para crescer através da fraqueza e recuperar-nos quando sucumbimos às tentações onipresentes", acrescentou.

Quando perguntado sobre "por que trabalhamos?", Costa respondeu com muitas razões contidas na Bíblia, ou seja: criar riqueza, sustentar a nós mesmos e nossas famílias, sentir-nos realizados e ter um objetivo, evitar ser um fardo para outros, ser novas pessoas, através de um esforço colaborativo.

O autor afirma estar convencido de que "Deus tem no coração o bem da sociedade" e, por isso, quando questionado sobre sua fé, responde: "Meu local trabalho é o meu lugar de oração".

por Antonio Gaspari


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *