Formação

Como valorizar a humildade?

comshalom

Padre Cantalamessa comenta o Evangelho deste domingo

Lucas (14, 1.7-14)

E sucedeu um sábado que Jesus foi à casa de um dos chefes dos fariseus (…) Observando como os convidados elegiam os primeiros postos, disse-lhes uma parábola: “Quando fores convidado por alguém a uma boda, não te ponhas no primeiro posto, não seja que tenha sido convidado por ele outro mais distinguido que tu, e vindo o que vos convidou a ti e a ele, diga: ‘Deixa o lugar para ele’”. (…) Disse também ao que lhe havia convidado: “Quando deres um banquete, chama os pobres, os feridos, os coxos, os cegos; e serás ditoso, porque não te podem corresponder, e serás recompensado na ressurreição dos justos”.

O começo do Evangelho de hoje nos ajuda a corrigir uma discriminação muito difundida entre os cristãos. Acabou-se por fazer dos fariseus o protótipo de todos os vícios: hipocrisia, falsidade, os inimigos de Jesus. Com estes significados negativos, o termo fariseu e o adjetivo farisaico entraram no vocabulário de nossa língua e de muitas outras. Tal idéia dos fariseus não é correta. Entre eles havia certamente muitos elementos que responderam a esta imagem, e é com eles com quem Cristo se choca duramente. Mas não todos eram assim. Nicodemos, que foi ter com Jesus de noite e que mais tarde o defendeu no Sinédrio, era um fariseu (Cf. João 3,1: 7, 50ss). Fariseu era também Paulo antes da conversão, e era certamente pessoa sincera e diligente, ainda que mal iluminada. Fariseu era Gamaliel, que defendeu os apóstolos ante o Sinédrio (Cf. Atos 5, 34ss).

As relações de Jesus com eles não foram, portanto, só conflitivas. Alguns, como neste caso, também o convidam a comer em sua casa. Estes convites por parte de fariseus são tanto mais dignos de destacar enquanto que eles sabem muito bem que não será o fato de convida-lo a sua própria casa o que impede a Jesus de dizer o que pensa. Também em nosso caso Jesus aproveita a ocasião para corrigir alguns desvios e levar adiante sua obra de evangelização. Durante a refeição, aquele sábado, Jesus ofereceu dois ensinamentos importantes: um dirigido aos convidados, outro ao anfitrião.

Ao senhor da casa, Jesus diz: «Quando deres uma ceia, não chames teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos…». Assim fez ele mesmo, Jesus, quando convidou ao grande banquete do Reino pobres, afligidos, mansos, famintos, perseguidos (as categorias de pessoas enumeradas nas Bem-aventuranças).

Mas é sobre o que Jesus diz aos convidados onde queria deter-me esta vez. «Quando fores convidado por alguém a uma boda, não te ponhas no primeiro lugar…». Jesus não pretende dar conselhos de boa educação. Tampouco trata de alentar o sutil cálculo de quem se põe no último lugar, com a secreta esperança de que o anfitrião lhe faça um gesto de subir mais para cima. A parábola aqui pode levar a um engano, se não se pensa de que banquete e de que senhor está falando Jesus.

O banquete é o mais universal do Reino e o senhor é Deus. Na vida, quer dizer Jesus, elege o último lugar, tenta fazer felizes os demais mais que a ti mesmo; sê modesto ao valorizar seus méritos, deixa que sejam os demais os que os reconheçam, não tu («ninguém é bom juiz em sua própria casa»), e já desde esta vida Deus te exaltará. Exaltar-te-á em sua graça, far-te-á subir na lista de seus amigos e dos verdadeiros discípulos de seu Filho, que é o único que verdadeiramente conta.

Exaltar-te-á também na estima dos demais. É um fato surpreendente, mas certo. Não é só Deus que «se inclina para o humilde, mas ao soberbo conhece desde longe» (Sal 137, 6); o homem faz o mesmo, independentemente do fato de que seja mais ou menos crente. A modéstia, quando é sincera e não afetada, conquista, faz a pessoa amada, sua companhia desejada, sua opinião apreciada. A verdadeira glória foge de quem a persegue e persegue a quem a foge.

Vivemos em uma sociedade que tem necessidade extrema de voltar a escutar esta mensagem evangélica sobre a humildade. Correr a ocupar os primeiros postos, talvez passando, sem escrúpulos, sobre as cabeças dos demais, a competitividade exasperada, são características por todos suplicadas e por todos, lamentavelmente, seguidas. O Evangelho tem um impacto sobre o social, até quando fala de humildade e modéstia.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *