Formação

Compaixão de Jesus fonte de esperança

comshalom
Naquele tempo, Jesus foi para as margens do mar da Galileia, subiu a montanha, e sentou-se. Numerosas multidões aproximaram-se dele, levando consigo coxos, aleijados, cegos, mudos, e muitos outros doentes. Então os colocaram aos pés de Jesus. E ele os curou.O povo ficou admirado, quando viu os mudos falando, os aleijados sendo curados, os coxos andando e os cegos enxergando. E glorificaram o Deus de Israel.
Jesus chamou seus discípulos e disse: "Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho".
Os discípulos disseram: "Onde vamos buscar, neste deserto, tantos pães para saciar tão grande multidão?" Jesus perguntou: "Quantos pães tendes?" Eles responderam: "Sete, e alguns peixinhos". E Jesus mandou que a multidão se sentasse pelo chão. Depois pegou os sete pães e os peixes, deu graças, partiu-os, e os dava aos discípulos, e os discípulos, às multidões. Todos comeram, e ficaram satisfeitos; e encheram sete cestos com os pedaços que sobraram.
(Mt 15,29-37)

“Jesus chamou os seus discípulos e disse: ‘tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que está comigo, e nada tem para comer. Não quero mandá-los embora com fome, para que não desmaiem pelo caminho” (Mt 15, 32).

    A Liturgia de hoje nos apresenta a experiência de um Deus próximo do homem, que eleva e enriquece o mistério da encarnação do Verbo por conta do seu coração que é cheio de compaixão e que participa do sofrimento do homem. Assim, Jesus vem nos ensinar que Deus está próximo do homem, seja em sua alegria ou sofrimento, e que essa verdade deve nos encher de esperança.

    Na homilia da missa das vésperas do primeiro domingo do Advento, Bento XVI vem nos ensinar que: “a esperança encontra-se animada por uma certeza: que o Senhor está presente no fluir da nossa vida, Ele acompanha-nos e um dia enxugará as nossas lágrimas. Um dia, não muito distante, tudo encontrará o seu cumprimento, no Reino de Deus, Reino de justiça e de paz”.

    Por isso, com a Liturgia de hoje, possamos meditar sobre o milagre da multiplicação dos pães à luz da vivência da esperança que é própria do Advento. Deus deseja fazer do nosso coração um manjedoura que acolhe o Messias. Não deixemos passar as graças próprias do Advento, por meio da alegria da certeza da vinda do Messias, cumulada pela esperança em Jesus.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *