Formação

Contemplamos a paixão do Senhor

comshalom

Quem venera realmente a paixão doSenhor deve contemplar de tal modo, com os olhos do coração, Jesus crucificado,que reconheça na carne do Senhor a sua própria carne.

Trema a criatura perante osuplício do seu Redentor, quebrem-se as pedras dos corações infiéis e saiampara fora, vencendo todos os obstáculos, aqueles que jaziam debaixo de seustúmulos. Apareçam também agora na cidade santa, isto é, na Igreja de Deus, comosinais da ressurreição futura e realize-se nos corações o que um dia serealizará nos corpos.

A nenhum pecador é negada avitória da cruz e não há homem a quem a oração de Cristo não ajude. Se ela foiútil para muitos dos que o perseguiam, quanto mais não ajudará os que a ele seconvertem?

Foi eliminada a ignorância daincredulidade, foi suavizada a aspereza do caminho, e o sangue sagrado deCristo extinguiu o fogo daquela espada que impedia o acesso ao reino da vida. Aescuridão da antiga noite cedeu lugar à verdadeira luz.

O povo cristão é convidado agozar as riquezas do paraíso, e para todos os batizados está aberto ocaminho de volta à pátria perdida, desdeque ninguém queira fechar para si próprio aquele caminho que se abriu também àfé do ladrão arrependido.

Evitemos que as preocupaçõesdesta vida nos envolvam na ansiedade e no orgulho, de tal modo que nãoprocuremos, com todo o afeto do coração, conformar-nos a nosso Redentor naperfeita imitação de seus exemplos. Tudo o que ele fez ou sofreu foi para anossa salvação, a fim de que todo o Corpo pudesse participar da virtude daCabeça.

Aquela sublime união da nossanatureza com a sua divindade, pela qual o Verbose fez carne e habitou entre nós (Jo 1,14), não excluiu ninguém da suamisericórdia senão aquele que recusa acreditar. Como poderá ficar fora dacomunhão com Cristo quem recebe aquele que assumiu a sua própria natureza e éregenerado pelo mesmo Espírito por obra do qual nasceu Jesus? Quem nãoreconhece nele as fraquezas próprias da condição humana? Quem não vê quealimentar-se, buscar o repouso do sono, sofrer angústia e tristeza, derramarlágrimas de compaixão, eram próprios da condição de servo?

Foi precisamente para curar anossa natureza das antigas feridas e purificá-la das manchas do pecado, que oFilho Unigênito de Deus se fez também Filho do Homem, de modo que não lhefaltasse nem a humanidade em toda a sua realidade, nem a divindade em sua plenitude.

É nosso, portanto, o que estevemorto no sepulcro, o que ressuscitou ao terceiro dia e o que subiu para aglória do Pai, no mais alto dos céus. Se andarmos pelos caminhos de seusmandamentos e não nos envergonhamos de proclamar tudo o que ele fez pela nossasalvação na humildade do seu corpo, também nós teremos parte na sua glória.Então se cumprirá claramente o que prometeu:  Portanto, todo aquele que sedeclarar a meu favor diante dos homens, também eu me declararei em favor delediante do meu Pai que está nos céus (Mt 10,32).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *