Formação

Corrigir é amar

comshalom

Coluna_Emmir_02062016

Lembrei-me de você, paciente leitor, ao escutar do Pe. João Wilkes [1] a melhor homilia que já ouvi sobre um dos textos mais desafiantes do Evangelho. Pensei logo em transformá-la em texto para que você tivesse acesso a essa preciosidade. Diz o Evangelho: Se teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, mas em particular, a sós contigo! Se ele te ouvir, tu ganhaste o teu irmão. Se ele não te ouvir, toma contigo mais uma ou duas pessoas, para que toda a questão seja decidida sob a palavra de duas ou três testemunhas. Se ele não te ouvir, seja tratado como se fosse um pagão ou um pecador público (Mt .18,15-17).

Essa passagem, como se vê, trata da correção fraterna, também chamada de “exortação”. Se a lemos de forma superficial, corremos o risco de pensar que, nela, Jesus nos dá direito de fazer como o servo de Mt 18 que, mesmo tendo sido perdoado de uma grande dívida, agarra um homem que lhe devia muito menos e, agressivo, exige que lhe pague o que lhe deve. Em outras palavras, corremos o risco de julgar que nesta passagem Jesus nos confere o direito de cobrar de alguém, de corrigir quem nos ofendeu tendo o direito de ser agressivos, de julgar e acusar nosso irmão. Nada mais distante do que quis dizer Jesus.

“Exortar”, em grego, significa “interceder”. A consequência é que, para termos o direito de corrigir um irmão, é preciso, antes, interceder por ele, abençoá-lo como manda Jesus em Mt 5 e suplicar ao Senhor, com toda a sinceridade, sua santificação e felicidade. Depois de interceder por ele com orações, penitência e coração livre, aí, então, teremos recebido de Deus e “armazenado” misericórdia suficiente para corrigi-lo, exortá-lo.

No texto, há, entretanto, um detalhe de enorme importância. Diz Jesus: “Se teu irmão pecar contra ti…” No contexto do Evangelho, onde a lei do amor é colocada acima de toda razão humana e sabendo que o amor tudo perdoa, como diz São Paulo, o primeiro dever que tenho para com quem pecou contra mim é perdoá-lo. Desta forma, se meu irmão errou, preciso interceder por ele antes de corrigi-lo. No entanto, se meu irmão pecou contra mim, é necessário primeiramente perdoá-lo, em seguida interceder por ele e só depois corrigi-lo. Somente após o perdão sincero e generoso seguido da intercessão que suplica a Deus todo o bem e santidade para o irmão, somente, então, estarei em condições de corrigi-lo.

Parece exigente? Pois saiba que a caridade é tão exigente com relação à nossa natureza egoísta, que ainda tem mais. Além de perdoar, além de interceder, ao corrigir é preciso fazê-lo com toda humildade e discrição, sabendo que nunca alguém erra sozinho e fazendo tudo para que o irmão se sinta completamente à vontade para expor suas razões e sentimentos. De forma nenhuma o irmão deverá sentir-se acusado ou cobrado por nós. Ao corrigi-lo, seremos, para ele, profetas e a profecia sempre exorta, ou anima, ou consola, ou os três ao mesmo tempo. Jamais uma verdadeira profecia deixa o irmão pior do que antes da conversa.

A razão para Jesus pedir que esta correção seja feita após o perdão e a intercessão e a sós, é exatamente porque quando outras pessoas sabem do erro do irmão, fica muito mais difícil corrigi-lo, pois ele poderá fechar-se em autodefesa e ressentimento, sentindo-se injustiçado. Caso o irmão não se corrija, Jesus orienta que se volte a conversar com ele na presença de uma ou duas outras pessoas amigas, dispostas a ajudá-lo, mas sempre com toda discrição, humildade, sem acusação ou cobrança e lhe dando toda a chance de expressar-se com liberdade e confiança. Não quebrar a confiança é um dos maiores frutos desta “técnica” de Jesus.

Infelizmente, poucas vezes nos lembramos deste ensinamento de Jesus e apressamo-nos em fazer o contrário: falamos mal do irmão, acusamo-lo, cobramos dele – implícita ou explicitamente – a atitude que consideramos “correta”. É o pecado do falatório e da fofoca, que, além de difamar e expor o irmão, faz-nos incorrer em pecado contra o quinto e o sétimo mandamentos, pois roubamos a boa imagem que os outros podem ter dele e assim o matamos dentro e fora de nós, tirando-lhe cada dia mais a chance de recuperar-se. Além de não solucionar a situação, criamos uma situação mil vezes pior.

Este ensinamento de Jesus inclui a necessária correção dos pais quanto aos filhos, de um cônjuge com relação ao outro e das autoridades quanto às pessoas a elas confiadas. Não corrigir alguém quando temos autoridade e responsabilidade sobre ele é grave pecado de omissão. É dever dos pais corrigir os filhos e das autoridades os seus subalternos. Muitas das desordens que hoje fazem sofrer tantas pessoas têm origem na omissão ou na correção dos filhos feita na frente de outras pessoas, a humilhá-los. Isso sem falar na correção de um cônjuge ao outro feita diante dos filhos ou amigos. Em qualquer que seja o caso, mesmo dentro de uma mesma família ou comunidade, é necessário chamar o irmão à parte e, em segredo, depois do perdão e da intercessão, corrigi-lo.

Há-de se colocar, também, a situação inversa: quando somos nós os corrigidos. Neste caso, o que se levanta dentro de nós não é a tentação da indignação, da vingança, da humilhação pública do irmão ou da fofoca. Explode dentro de nós o orgulho, a autojustificativa, a mentira, a agressividade. É preciso toda uma caminhada espiritual, muita contemplação e adoração de Jesus em Sua Paixão e uma grande união a Maria, Mãe do Senhor, para responder com humildade à correção que nos fazem, especialmente quando o irmão que nos exorta, que nos corrige, foi envenenado contra nós. Não se trata, aqui, de defender as próprias razões, pois sempre teremos errado em algum aspecto. Trata-se, antes, de expor com humildade e tranquilidade o próprio ponto de vista, sabendo que o irmão que nos corrige nem sempre acreditará em nós. Quando o erro for nosso, cabe a nós admitir nosso erro com humildade e mansidão e pedir perdão.

Para coroar esta situação, tão comum no nosso dia-a-dia, há ainda o fato de que tanto nossa correção poderá ser ineficaz para emendar o irmão quanto nosso esclarecimento pode não ser acatado por quem nos corrige. O efeito positivo está na abertura de cada um à graça de Deus através da oração. Somente a graça nos pode dar as virtudes necessárias para ultrapassar esta situação: perdão, intercessão, caridade, humildade, fortaleza, esperança, confiança na misericórdia de Deus, paciência e fé. A nós cabe ser fiéis ao que Deus espera de nós. O resultado palpável é imprevisível. Quanto ao fruto invisível, porém, tanto como benefício para quem corrige e como para quem é corrigido, a este podemos ter como certo.

[1] Padre João Wilkes Rebouças Chagas Júnior é membro da Comunidade de Vida da Comunidade Católica Shalom. Atualmente, está em missão em Roma e é responsável pelo Setor Jovem do Pontifício Conselho para os Leigos

 

Maria Emmir Oquendo Nogueira

Cofundadora da Comunidade Católica Shalom

em “Entrelinhas” da Revista Shalom Maná
TT @emmiroquendo
Facebook/ mariaemmirnogueira
Coluna da Emmir – comshalom.org


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado.