Formação

Credo: Creio em Jesus Cristo, Filho Único…

comshalom

Não é somente necessário crerem os cristãos que existe um só Deus, e que Ele é Criador do céu, da terra e de todas as coisas, mas também é necessário crer que Deus é Pai e que Jesus Cristo é seu verdadeiro Filho. Esse mistério não é um mito, mas uma verdade certa e comprovada pela Palavra de Deus – II Ped 1,16 – 18.

O próprio Jesus Cristo muitas vezes chama a Deus como seu Pai e, também, denominava-se Filho de Deus. Os apóstolos e os Santos Padres colocaram entre os artigos de fé que Jesus Cristo é Filho de Deus, quando definiram este artigo do Credo: … E em Jesus Cristo seu Filho, isto é, Filho de Deus.

Creio em Jesus Cristo … (Cat 422 – 440)

A transmissão da fé cristã é primeiramente o anúncio de Jesus Cristo, para levar a fé nele. Desde o começo, os primeiros discípulos ardiam de desejo para anunciar a Cristo (At 4,20), e convidavam os homens de todos os tempos a entrarem na alegria da sua comunhão com Cristo ( I Jo 1,1 – 4).

Movidos pela graça do Espírito Santo e atraídos pelo Pai, cremos e confessamos acerca de Jesus: " Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo" ( Mt 16,16).

Quando pronunciamos de uma só vez as duas palavras Jesus Cristo, não podemos dizer como se formassem uma só . Ora, quando dizemos "Jesus Cristo" , não estamos empregando um modo rebuscado de nos referirmos a Nosso Senhor, pois podíamos muito simplesmente dizer "Jesus" ou "Cristo". Também não estamos procurando distingui-lo do famoso chefe israelita que conquistou a Palestina, cujo nome era igualmente Jesus, embora habitualmente lhe chamemos Josué. Não ; quando dizemos "Jesus Cristo" não nos limitamos a nomear Nosso Senhor; mas dizemos algo acerca dEle.

Jesus quer dizer, em hebraico : "Deus salva". No momento da Anunciação, o anjo Gabriel ao conceder- lhe o nome de Jesus, exprime sua identidade e missão (Lc 1,31). Uma vez que " só Deus pode perdoar os pecados" (Mc2,7), é ele que, em Jesus seu Filho eterno feito homem, "salvará o seu povo dos pecados" (Mt 1,21). Em Jesus, portanto, Deus recapitula toda a sua história de salvação em favor dos homens.

O nome Jesus significa que o próprio nome de Deus está presente na pessoa do seu Filho (At 5,41) feito homem para a redenção universal e definitiva dos pecados. É o único nome divino que traz a salvação (Jo 3,5), e agora pode ser invocado por todos, pois se uniu a todos os homens pela Encarnação (Rm 10,6 – 13), de sorte que "não existe debaixo do céu outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos" (At 4,12).

O nome de Jesus está no cerne da oração cristã. Todas as orações liturgicas, tem na sua estrutura a seguinte frase : __ por Nosso Senhor Jesus Cristo… . Numerosos cristãos, com Sta. Joana D’Arc, morrem tendo nos lábios apenas o nome de "Jesus".

Na realidade, "Cristo" não é um nome, mas um título. E as duas palavras __ "Jesus" e "Cristo" __ são verdadeiramente o centro do credo, porque no princípio quando os Apóstolos começaram a pregar a religião cristã, essas duas palavras continham toda a essência da sua mensagem. Os Apóstolos começaram a dizer a seus amigos judeus : "Jesus é o Cristo". E os seus amigos judeus sabiam o que eles queriam dizer com essas palavras.

Cristo vem da tradução grega do termo hebraico "Messias" que quer dizer "ungido". Só se torna o nome próprio de Jesus porque este leva à perfeição a missão divina. Esse devia ser por excelência o caso do Messias que Deus enviaria e seria anunciado pelos profetas, cuja a missão seria instaurar definitivamente o Reino de Deus (Sl.2,2). Este seria o Messias com a unção do Espírito Santo(Is.11,2) que ao mesmo tempo seria o Rei, o sacerdote e o Profeta (Zc.4,14;Is.61,1). Jesus realizou a esperança messiânica de Israel na sua tríplice função.

Filho Único de Deus (Cat. 441 – 445)

Filho de Deus, no Antigo Testamento, é um título dado aos: anjos (Dt 32,8; Jó 1,6), ao povo da eleição (Ex 4,22; Jr 3,19), aos filhos de Israel (Dt 14,1;Os 2,1) e aos seus reis (2Sm 7,14). Portanto, sua significação é: uma filiação adotiva que estabelece entre Deus e a sua criatura relações de uma intimidade especial.

Esta adoção, significa aceitação da parte de Iahweh, seu amor e proteção particulares, como também responsabilidades e obediência impostas a Israel. No Novo Testamento, o título é atribuído freqüentemente a Jesus. Este título é um meio pelo qual a Igreja primitiva expressava sua fé no caráter absolutamente único de Jesus. O uso do termo reflete a fé desenvolvida da Páscoa e de Pentecostes.

Estas passagens do Novo testamento, confirmam que Jesus usou deste termo em várias situações. Vejamos então:

– Mt 11,27; 21, 37-38 : Ele se designava como o "Filho que conhece o Pai".

– Mt 21, 34-36 : Jesus é diferente do "servos" que Deus enviou anteriormente a seu povo.

– Mt 24,36 : Jesus é superior aos próprios anjos.

– Mt 6,9 : Jesus manda rezar a oração que o Pai ensinou.

– Jo 20,17 : Jesus ressalta a distinção dEle e do Pai.

– Mt 4,3.6; Lc 4,3.9 : o objetivo da tentação de Jesus foi verificar se Ele era o Filho de Deus.

O nome Filho de Deus significa a relação única e eterna de Jesus Cristo com Deus seu Pai: Ele é o Filho Único do Pai (Jo 1,14) é o próprio Deus (Jo 1,1). Crer que Jesus Cristo é o Filho de Deus é necessário para ser cristão (I Jo 2,23).

O uso mais solene do título está na cena do batismo (Mt 3,17;Mc 1,11; Lc 3,22; Jo 1,34) e na transfiguração (Mt 17,5; Mc 9,7; Lc 9,35; 2Pd 1,17). No batismo o título vem do Pai que designa como seu "filho bem-amado". Na Transfiguração a voz do Pai ordenava que lhe desse ouvido como o novo Moisés, e os discípulos se prostraram diante do Mestre.

Somente no mistério pascal que podemos captar o alcance do título "Filho de Deus". É depois da Ressurreição que a filiação divina de Jesus aparece no poder da sua humanidade glorificada: "Estabelecido Filho de Deus com o poder por sua Ressurreição dos mortos" (Rm1,4). Os apóstolos poderão confessar: "Nós vimos a sua glória, glória que Ele tem junto ao Pai como Filho Único, cheio de graça e de verdade" (Jo1,14).

Nosso Senhor (Cat 446 – 451) Por que dizemos "Nosso Senhor" quando queremos referir-nos ocasionalmente ao Filho encarnado de Deus ?

Vejamos a origem deste costume a partir do povo Judeu : os judeus tinham um nome para o seu Deus – chamavam-no Javé, segundo dizem os estudiosos. Mas cada vez mais se ia enraizando neles a convicção de que essa palavra evocava algo muito sagrado para poder falar em alta voz o nome de Deus. Por isso, sempre que se liam alto, substituíam-na pela palavra "Senhor", que era a palavra adequada para falar com um rei ou outras personalidades importantes; aliás, as mulheres só se dirigiam aos seus esposos dizendo "Senhor". É importante notar que para os judeus do A.T. e para os cristãos do N.T., a palavra "Senhor" se tornou comum e familiar.

Na versão grega dos livros do A.T., o nome inefável com o qual Deus de revelou a Moisés (Ex 3,14), Iahweh, é traduzido por "Kyrios" – "Senhor". Senhor, torna-se desde então o nome mais habitual para designar a própria divindade do Deus de Israel. É neste sentido forte que no N.T. utiliza o título de "Senhor" ao mesmo tempo para o Pai, mas também __ e aí está a novidade _ para Jesus reconhecido assim como o próprio Deus ( I Cor 2,8).

A versão latina apresenta o seguinte significado para a palavra "Senhor" :

"Dominus" ao pé da letra significa "dono de escravos". É essa a primeira imagem que a palavra sugeria aos primeiros cristãos, a de um Senhor que de fato os possuía. O mesmo era atribuído a Jesus. Ele nos possui, comprou-nos e, portanto, pertencemo-lhe. Este é o sentido que devemos compreender ao afirmar que acreditamos que Jesus Cristo é o nosso Senhor. Pertencemos ao Nosso Senhor, quer dizer, o nosso Dono, do mesmo modo que as ovelhas pertencem ao pastor. É por esta razão que trazemos em nós o seu sinal, o batismo. Nosso Senhor pôs em cada um a sua marca o sinal da cruz. Nem você nem eu podemos ver, porque pertence à ordem sobrenatural. É uma marca indelével nunca sai.

A história cristã e a Igreja testemunha a verdade do Senhorio de Jesus desde do princípio, sobre o mundo e sobre a história (Ap 11,15). Esta verdade significa também que o homem não deve submeter a sua liberdade pessoal, de maneira absoluta, a nenhum poder terrestre mas somente a Deus Pai e ao Senhor Jesus Cristo (Mc 12,17; At 5,29).

"A Igreja crê… que a chave, o centro e o fim de toda a história humana se encontra no seu Senhor e Mestre"(GS 10,2). E é por isso que a oração da Igreja peregrina é cheia de confiança e esperança ao proclamar "Maranatha" (vem Senhor ! ) (I Cor 16,22; Ap 22,20).

Concebido pelo poder do Espírito Santo (Cat. 456 – 489)

Não é somente necessário ao cristão acreditar que Jesus Cristo é o Filho de Deus, como falamos anteriormente , mas também convém crer na Sua Encarnação. Por isso, o Bem-aventurado João Batista nos insinua a Sua Encarnação, quando diz: E o Verbo se fez carne (Jo 1,14).

A missão do Espírito Santo está sempre conjugada e ordenada à do Filho (Jo 16,14 – 15). O Espírito Santo é enviado para santificar o seio da Virgem Maria e fecundá-la divinamente, ele que é "o Senhor que dá a Vida", fazendo com que ela conceba o Filho Eterno do Pai em uma humanidade proveniente da sua.

Jesus Cristo ao ser concedido como homem no seio de Maria, torna-se o "Cristo", o Filho Único de Deus Pai. Cristo é ungido pelo Espírito Santo (Mt 1,20) e toda a sua vida manifestará, portanto, " como Deus o ungiu com o Espírito e com poder" (At 10,38).

Voltando a afirmação de João : E o verbo se fez carne (Jo 1,14), podemos também lançarmos uma pergunta, que com certeza muitos gostariam de fazê – la: porque o verbo se fez carne?

O verbo se fez carne para:

– salvar-nos reconciliando-nos com Deus (I Jo 4,10 .14; I Jo 3,5)

– que assim conhecêssemos o amor de Deus (I Jo 4,9; Jo 3,16)

– ser nosso modelo de santidade (Mt 11,29; Jo 14,6; Jo 15,12)

– tornar-nos "participantes da natureza divina" (2 Pd 1,4)

A fé na Encarnação verdadeira do Filho de Deus é o sinal distintivo da fé cristã (I Jo 4,2). Esta é a alegre convicção da Igreja desde o seu começo, quando canta "o grande mistério da piedade" : "Ele foi manifestado na carne" (I Tim 3,16). A Encarnação é, portanto, o Mistério da admirável união da natureza divina e da natureza humana na única Pessoa do Verbo.

Jesus Cristo é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, na unidade da sua Pessoa divina: por isso, Ele é o único mediador entre Deus e os homens.

A VIDA DE JESUS (Cat. 512 – 560)

Introdução

O nosso grande modelo de vida é a pessoa de Jesus e a sua própria maneira de viver. Não existe nada que possamos melhorar em seu plano de ação, tudo foi perfeito e progressivo, isto é, sua ação crescia progressivamente rumo a vontade de Deus. Tinha uma metodologia já definida, que devemos conhecer:

a. Sua missão: Salvar o homem todo e a todos os homens (Lc 4,1-19)

b. Sua meta : Instaurar o Reino (Mt 4,23)

c. Seu método: Formar discípulos (Mt 4,18 – 22)

Traços de sua via :

Toda a vida de Cristo foi um contínuo ensinamento: seus silêncios, seus milagres, seus gestos, sua oração, seu amor ao homem, sua predileção pelos pequenos e pelos pobres, a aceitação do sacrifício total da Cruz pela redenção do mundo, sua Ressurreição constituem a atualização da sua palavra e o cumprimento da Revelação. Deste modo, pode-se dizer que a vida de Cristo é :

– Revelação do Pai : suas palavras, seu pensamento, sua maneira de ser, tudo revelava a presença do Pai nele (Jo 14,9; Lc 9,35; I Jo 4,9).

– Mistério de Redenção : este mistério está em toda a vida de Cristo, como ação : – na Encarnação, fazendo-se pobre nos enriquece com sua pobreza (2 Cor 8,9); – na sua vida oculta, que pela submissão, serve de reparação para nossa insubmissão (I Cor 15,21); – na sua palavra que purifica os seus ouvintes (Jo 15,3); – nas suas curas, pois olha para nossa fraqueza e leva nossas doenças (Mt 8,17; Is 53,4); – na sua Ressurreição, pela nossa justificação (Rm 4,25).

– mistério de Recapitulação : tudo que Jesus fez, disse e sofreu tinha por objetivo restabelecer o homem à sua vocação primeira que é a santidade (I Tes 4, 1-3).

Etapas da vida de Jesus

a. seu nascimento e sua infância : Na manjedoura em Belém os pastores e os Reis adoram o Filho de Deus. Isto significa que nenhum homem pode atingir a Deus e mesmo na terra todos os joelhos se dobram para adora-lo e presta-lhe culto. (Mt 2,1 -12).

Com José e Maria, com seu exemplo de submissão a eles e pelo seu humilde trabalho, Jesus nos dá o exemplo da santidade na vida cotidiana na família e no trabalho (Lc 2, 41 -51).

b. a vida pública e o seu batismo : A vida pública de Jesus tem início com o seu Batismo no rio Jordão (Lc 3,23). O Batismo de Jesus é, da parte dele, aceitação e a inauguração da sua missão de Servo sofredor. No Batismo de Jesus, "abriram-se os Céus" (Mt 3,16),que o pecado de Adão havia fechado; e as águas santificadas pela presença do Espírito Santo.

c. A tentação no deserto : mostra Jesus, Messias humilde que triunfa sobre Satanás pela total adesão ao desígnio de salvação querido pelo Pai (Mt 4,1 -11).

d. A Igreja : o Reino dos Céus foi inaugurado na terra por Cristo. "Manifesta-se lucidamente aos homens na palavra, nas obras e na presença de Cristo. A Igreja é o germe e o começo deste Reino. As suas chaves são confiada a Pedro (Mt 16,18).

e. A Transfiguração : tem por finalidade fortificar a fé dos apóstolos em vista da Paixão : a subida à "elevada montanha" prepara a subida no Calvário, Cristo, cabeça da Igreja, manifesta o que seu corpo contém e irradia nos sacramentos : " a esperança da glória" (Cl 1,27).

f. A entrada em Jerusalém : manifesta a vinda do Reino que o Rei-Messias, acolhido na sua cidade pelas crianças e pelos humildes de coração, vai realizar através da Páscoa de sua Morte e Ressurreição (Lc 19,29 – 44).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *