Formação

Credo: Creio na Remissão dos Pecados

comshalom

Vemos aqui a misericórdia de Deus através da remissão dos nossos pecados, levando em consideração o poder dado a Igreja por Jesus para ministrar o perdão e reconciliação sobre nossas vidas.

Introdução

Quando Jesus enviou o Espírito Santo aos seus discípulos, lhes conferiu o seu próprio poder divino de perdoar os pecado: " Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoares os pecados, lhes serão perdoados; aqueles a quem os retiveres, lhes serão retidos" (Jo20,22 -23).

1. O pecado.

O pecado é uma falta contra a razão, a verdade. A consciência reta, uma falta ao amor verdadeiro, para com Deus e para com o próximo. O pecado, é portanto, "amor a si mesmo até ao desprezo de Deus".

Segundo S. Tómas de Aquino, com o pecado contraímos cinco males:

a. O primeiro, é a própria mancha do pecado. Quando um homem peca, mancha a sua alma, porque, como a virtude a embeleza, o pecado a enfea.

b. O segundo mal que contraímos pelo pecado é nos tornarmos objeto da aversão de Deus. (Sab 14,9)

c. O terceiro mal é a fraqueza. O homem pecando pela primeira vez, pensa que depois pode abster-se do pecado. Acontece porém, o contrário : debilita-se pelo primeiro pecado e fica propenso para pecar mais. O pecado vai dominando cada vez mais o homem, e este, por si mesmo, coloca-se em tal estado que não pode mais se levantar. É como alguém que cai num poço. Só pode sair dele pela força divina.

d. O quarto mal é a obrigação que temos de cumprir a pena do pecado. A justiça de Deus exige que o pecado seja punido, e a pena é medida pela culpa.

e. O quinto mal contraído pelo pecado foi nos exilarmos do Reino do Céu. O homem foi afastado do paraíso por causa do pecado.

E não podemos esquecer que a Paixão de Cristo tem uma repercursão tamanha que se torna o remédio eficaz para combater todo o pecado.

2. A gravidade do Pecado (Cat 1854)

Convém avaliar os pecados segundo a sua gravidade. A distinção entre pecado mortal e pecado venial se impôs na tradição da Igreja :

– Pecado mortal : acarreta a perda da caridade e a privação da graça santificante, isto é, do estado de graça. Se este estado não for recuperado mediante o arrependimento e o perdão de Deus, causa a exclusão do Reino de Cristo e a morte eterna no inferno, já que nossa liberdade tem o poder de fazer opções.

Este pecado requer pleno conhecimento e consentimento, caracterizando matéria grave.

– Pecado venial : enfraquece a caridade. Traduz uma afeição desordenada pelos bens criados, impede o progresso da alma no exercício das virtudes, contudo sobre a privação total da graça. É humanamente reparável com a graça de Deus.

Este pecado realizado de forma deliberado e que fica sem arrependimento dispõe-nos pouco a pouco a cometer o pecado mortal.

3. Um só Batismo para o perdão dos pecados.

Jesus ligou o perdão dos pecados à fé e ao Batismo: "Ide por tudo o mundo e proclamai o Evangelho a toda a criatura. Aquele for batizado será salvo" (Mc 16,15 -16).

O Batismo é o primeiro sacramento do perdão, porque nos une a Cristo morto pelos nossos pecados, ressuscitado para a nossa justificação (Rm 4,25). Quando recebemos o santo Batismo somos purificados de forma plena e completa recebemos o perdão, que apaga desde o pecado original até os pecados cometido pela nossa própria vontade. O batismo, porém, não nos livra das fraquezas que são conseqüências do pecado, mas torna-se um escudo e uma fortaleza para combatê-las.

4. O poder de ligar e desligar (Mt 16,18)

Depois da Ressurreição, Jesus enviou os apóstolos para "anunciar as nações o arrependimento em seu Nome em vista da remissão dos pecados" (Lc 24,47).

E quando Jesus deu a Pedro o poder de ligar e desligar as coisas do céu às coisas da terra (Mt 16,18), Ele determinava que a Igreja ia exercer em seu Nome o sacramento da reconciliação. Deste modo, os apóstolos e seus sucessores não só anunciavam aos homens o perdão de Deus e nem só os chamava à conversão, mas comunicava-lhes a misericórdia de Deus.

E Sto. Agostinho confirma dizendo : A Igreja recebeu as chaves do Reino dos Céus para que se opere nela a remissão dos pecados pelo sangue de Cristo e pela ação do Espírito Santo. É nesta Igreja que a alma revive, ela que estava morta pelos pecados, a fim de viver com Cristo, cuja graça nos salvou.

Por isso , não há pecado algum, por mais grave que seja, que a Santa Igreja não possa perdoar. (Mt 18, 21 – 22).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *