Formação

Cristo aponta para a Amazônia

comshalom

Por ocasião da visita de Bento XVI ao Brasil, o Presidente Lula chamou a atenção para a índole laical do Estado Brasileiro. A Igreja Católica reconhece a autonomia das realidades terrestres, inclusive do Estado laico (cf GS, nº 36). Mas isto não significa a renúncia à sua missão evangelizadora nem o silêncio ante as questões que atingem a vida e a dignidade do ser humano. Uma destas questões é a Amazônia.

A 45ª Assembléia Geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), realizada de 1º a 09 de maio de 2007, lembrou alguns passos dados pela própria Igreja em prol da Amazônia, tais como:

1º) A partir de 1970, a pedido da própria CNBB, a Santa Sé (Vaticano) foi transformando as Prelazias, mais dependentes de congregações religiosas e do exterior, em Dioceses, com seu Bispo próprio e com seu clero autóctone. Assim as Igrejas particulares da Amazônia se fortalecem.

2º) Em 1972 foi criado o projeto “Igrejas-Irmãs”: Dioceses já solidamente estabelecidas assumem um programa de intercâmbio e de ajuda mútua com Dioceses da Amazônia legal. Assim a Diocese de Santa Cruz do Sul assumiu como Igrejas-Irmãs as Dioceses de Diamantino e Sinop, Mato Grosso. Já celebramos o jubileu deste projeto.

3º) Em 2002 foi criada a Comissão Episcopal para a Amazônia, sob a coordenação de Dom Jayme Chemello, Bispo de Pelotas (RS). O objetivo é articular melhor, em nível nacional, com agentes de pastoral e com recursos financeiros, a solidariedade de todo o Brasil para com a Igreja que “está naquele chão”.

4º) Em 2007 foi lançada a Campanha da Fraternidade, melhor campanha de conscientização da Igreja Católica, sobre a Amazônia, com o lema: “Vida e Missão neste chão”. Os próprios Bispos observaram: “A previsão de alguns de que a Campanha não iria decolar fora a própria Amazônia foi desmentida pela participação maciça nos eventos em todos os quadrantes do país”.

5º) Para o futuro a CNBB propõe a participação de toda a sociedade brasileira em defesa da Amazônia. E mais: propõe a união dos países que constituem a Amazônia Continental, a saber: Brasil, Bolívia, Colômbia, Peru, Equador, Venezuela, Guiana, Suriname e Guiana Francesa. Juntos estes países têm mais condições para analisar a problemática, sugerir saídas comuns para a Pan-Amazônia e defendê-la da cobiça internacional.

Finalmente, os Bispos apelam em favor da vida de vários bispos (Dom Erwin Kräutler, Dom Antônio Possamai, Dom Geraldo Verdier) e de padres, religiosos e leigos, ameaçados de morte. Depois do frio assassinato de Irmã Dorothy, a cobiça ilimitada ameaça de morte a quem defende os povos amazônidos, a Amazônia e, por extensão, a vida do planeta terra.

A profecia de Paulo VI nunca foi tão atual: “Cristo aponta para a Amazônia”.

Dom Sinésio Bohn

Bispo de Santa Cruz do Sul

Fonte: CNBB


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *