Formação

De quem é a Culpa?

comshalom

Jovem é mantida como refém pelo ex-namorado em apartamento, no bairro Santo Amaro, São Paulo. O desfecho da história foi trágico e o Brasil acompanhou o caso passo a passo e perguntou-se, de quem foi a culpa? Uns dizem que foi da polícia, devido à má condução nas negociações e invasão do cativeiro; outros afirmam que a culpa foi da imprensa pela forte exposição do caso tornando o jovem delinqüente no “príncipe do gueto”, como ele mesmo afirmara; outros ainda afirmam que a culpa foi da família por ter deixado a jovem namorar com um rapaz bem mais velho.

Outra barbárie noticiada, também em São Paulo: homem mata a mãe, atira na esposa, nos três filhos e suicida-se. Os vizinhos do casal, de classe média procuram uma resposta que possa explicar aquela tragédia familiar. De quem teria sido a culpa daquele ato violento? Dos remédios e drogas consumidos pelo homem que ensandeceu?
 

Afinal, de quem é a culpa por tanta violência? Seria a falta de policiamento? Ou o descaso do poder público ao negligenciar políticas para a juventude? Seria a falta de emprego e oportunidade para o empreendedorismo? Ou o próprio meio social violento no qual estão inseridos boa parte da população?

A resposta a todas essas questões ainda não esclarecem a verdadeira causa de tanta violência. Caso todos os problemas sugeridos nas perguntas acima fossem solucionados, ainda assim a violência continuaria a ceifar vidas, pois ela nasce dentro do coração do homem.

O homem e, conseqüentemente, a sociedade que retira Deus de seu horizonte é o culpado pelo crescimento da barbárie. Quando os olhos cambiam do essencial para o secundário, automaticamente, perde-se a noção de valor, de respeito e da ética. Daí vê-se surgir uma sociedade despersonalizada e contraditória na defesa de seus interesses. Esta é capaz de penalizar quem destrói ovos de tartarugas ao mesmo tempo em que luta pela descriminalização do aborto; chora os filhos tragados pelas drogas e, concomitante é a favor da legalização da maconha; É contra a pedofilia, mas erotiza os infantes e defende o sexo livre, cada vez mais cedo.

Quando a pessoa retira de sua vida a esperança e a certeza da existência da vida eterna, perde-se a persistência em se fazer o bem, logo, não tem valor aquilo que está fora de meus interesses, forma-se em então um ambiente propício à violência e sua proliferação.

Agora, quando Deus faz parte do sentido de vida de uma pessoa e de uma sociedade o bem é possível e se este é possível o homem pode tornar-se ainda mais quem ele é, um ser racional, capaz de Deus, logo, capaz de amar, de superar limitações, de doar-se.

O amor também nasce no coração do homem e só ele pode suplantar a violência. Temos, portanto, duas realidades que se digladiam dentro de si, vence aquela a quem mais dermos força. Cabe a cada um escolher e decidir-se amar para acabar com a violência.
 


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *