Formação

Decidir-se pelo amor!

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Irmã Maria Elizabeth da Trindade, OCD – Carmelo de Passos-MG

 

Em nossa vida, constantemente precisamos tomar decisões: sevamos a um passeio ou à Missa, se permanecemos neste emprego ou buscamos outro,se usamos esta ou aquela roupa etc. Desde as mínimas coisas até grandesdecisões, como a resposta a determinada vocação, em tudo devemos nosposicionar, fazer uma ‘cisão’, uma quebra, um rompimento com algo para assumiroutro.

A Santíssima Trindade, por ser uma comunidade de amor, viveem perfeita harmonia nas decisões tomadas e assumidas. O Pai, com o EspíritoSanto, decidiu enviar o Filho. O Filho, naquele momento ‘sem momento’, decidiuse apresentar ao Pai dizendo o “eis-me aqui, envia-me”, e sua aceitação levou-oaté o “sim” da cruz e o “sim” que se perpetua na Eucaristia em todos os tempos.Jesus tomou decisões e nos ensina a fazê-lo. O Filho, junto com o Pai, decidiuenviar o Espírito Santo para nos santificar. A Palavra de Deus já nos alerta:“Que o vosso sim seja sim e o vosso não seja não”, “porque se não és frio nemquente vou vomitar-te”. Assim, o cristão se torna alguém que sabe o que quer ebusca ser conseqüente com o que assume.

O amor, eixo em torno do qual gira toda a vida humana ecristã, também é questão de decisão. Sou eu que escolho se quero ou não amar, aquem quero amar e como será o meu amor.

Às vezes, no atendimento às pessoas que batem à porta donosso mosteiro pedindo orações ou conselhos, fico comovida ao escutar históriasverdadeiramente dramáticas, mas onde percebo, no meio de tanto sofrimento eingratidão a dedicação e um amor total e incondicional de alguma pessoa.

Quantas esposas que acolhem e aceitam seus esposos ingratos, alcoólatras,infiéis, agressivos e os amam a ponto de conseguirem de Deus sua conversão elibertação! Por outro lado, também quantos esposos abandonados, traídos ehumilhados por suas esposas, mas que continuam fiéis a um “sim” pronunciado umdia! Quantos pais que insistem em amar seu filho que só traz desgosto esofrimento!… E cobrem tudo com o amor, defendendo a pessoa amada com “unhas edentes”. São pessoas que simplesmente decidiram amar. E muitos milagresacontecem como conseqüência deste amor.

Quando amo devo agir com a consciência de estar fazendo umaopção de vida. Não estou vivendo um sentimento que irá trazer-me apenas prazerou alegria. Irei assumir toda a pessoa, com seus limites, seus defeitos, suasquedas, seus fracassos, mas também suas vitórias e triunfos. Aliás, é na horada desgraça que se prova o verdadeiro amor.

Penso que muitos relacionamentos – inclusive no matrimônio –não se aprofundam nem perseveram por falta desta decisão de amar até o fim,para além dos sentimentos. Deus nos ama assim. Ele é fiel porque se decidiu aestar conosco sempre e nos ama em todo tempo, “na alegria e na tristeza, nasaúde e na doença”, sempre! Quando Jesus decidiu ser amor entre nós, assumindonossa humanidade e nos ensinando a ser humanos, todas as conseqüências foramassumidas juntamente, inclusive a cruz e a morte. “Amar é dar a vida”, e dar avida não é sentimento, é ato de decisão.

Quando amo alguém estou vivendo estemistério que Jesus vive na Eucaristia a cada momento. Ele está ali, no sacrárioe em quem o recebe, independentemente da forma como é acolhido e venerado. É omesmo para aquele que o ama intensamente como para aquele que o recebe comindiferença, em pecado ou para aquele que nem o quer receber. Ele continua omesmo Amor que se dá na pura gratuidade. E este amor gratuito é que nosconstrange a pagar amor com amor e a mudar nossas vidas.

Santa Teresa de Ávila, em seu livro Castelo Interior ouMoradas, descrevendo o itinerário espiritual da pessoa que se entrega à oração,diz várias vezes como se sentia pequena e como que ‘esmagada’ diante de tudoque Deus lhe fazia, de todas as graças que recebia do Senhor. Amor gera amor,dizia ela em outro lugar e era firme na formação das carmelitas descalças paraserem pessoas decididas, pessoas de “determinada determinação”, na linguagemteresiana. Quando a pessoa que Deus coloca em nossa vida para que a amemos nãonos agrada, quando temos de enfrentar lutas de nossa natureza, quando o outrose torna um peso, ou ele tem “o dom de desagradar-me em tudo” – na expressão deSanta Teresinha – então sim, estarei diante de uma excelente oportunidade paraviver o verdadeiro amor, o amor gratuito que Jesus me pede e ensina.

Seja nosso amor para com cada pessoa este ato de decisão quenos leve a perseverar até o fim, ou seja, até a consumação de nossa vida nocéu, onde tudo será amor, pois “na tarde da vida seremos julgados pelo amor”(São João da Cruz).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *