Formação

Deformado! Envenenado! Traído!

comshalom

coluna da emmir

toxina

Ucrânia, julho de 2004: Viktor Yushchenko parece mais um ator de Hollywood que candidato da oposição ao governo do seu sisudo país.

Setembro de 2004: o mesmo Yushchenko, da mesma Ucrânia, estampa no rosto inchado e deformado as pústulas provocadas Deus sabe por qual vírus ou veneno. Os cabelos, antes louros e viçosos, estão esbranquiçados e menos abundantes.

Olhar as duas fotos do mesmo Yushchenko traz à mente – ao coração? – duas reflexões: a fragilidade invencível do homem, exposto seja ao vírus oportuno ou ao veneno que persegue os mais poderosos políticos há séculos, traídos por seus companheiros mais íntimos e, em paralelo, a deformação causada pelo pecado, que há milênios persegue o mais prosaico dentre os homens, traído por si mesmo e pelo inimigo de Deus que se faz de seu íntimo amigo. Não estou dizendo que as pústulas de Yushchenko foram causadas pelo seu pecado. Não! Explico-me: o que há em comum entre as pústulas de seu rosto e o pecado é o tremendo poder de deformação do homem.

Quando a gente fala de pecado vêm à mente crimes hediondos, ataques terroristas, roubos espetaculares, guerras fratricidas, torturas revoltantes. Raramente vêm as ofensas nossas de cada dia, variantes do orgulho, pecado que deu origem a todos os outros, ofensa pessoal a Deus que deu origem a todas as ofensas em todos os tempos: a indiferença à bondade de Deus, que se chama ingratidão; a falta de confiança no cuidado de Deus para conosco, que se chama falta de fé; a contumaz teimosia – com todo seu pleonasmo – em confiar mais nas nossas próprias forças e capacidades que no poder e providência de Deus para conosco; a mágoa, que faz a gente esquecer-se das centenas de vezes que fomos perdoados e nos impede de perdoar o irmão. Em uma palavra: o desejo desordenado por poder sempre mais, ter sempre mais, “curtir” sempre mais, sem pensar no outro, sem pensar em Deus.

Estas atitudes tão comuns no dia a dia da quase totalidade das pessoas vão, tal qual as pústulas do Yushchenko, deformando seu interior, fazendo-o inchar de amor a si mesmo a partir de dentro da alma. Seu inchaço explode a cada milímetro em pequenos tumores que o fazem agarrar-se a si mesmo, ao dinheiro, às pessoas, à imagem, ao prestigio, ao desempenho sexual. Na aparência, tornam-se mais bonitos, mais atléticos, mais produzidos por tudo o que, em uma visão superficial, conquistaram. No interior, porém, são peremptoriamente minados pelas tais pústulas inclementes que eles mesmos provocaram.

O pior é que estes tumores – tal como canceres traiçoeiros e silenciosos – não doem. Pelo contrário. Paradoxalmente, provocam prazer, auto-satisfação, sensação de bem-estar, de sucesso, de conquista. Além do próprio Deus, que os vê e sofre por eles, somente os homens que oram conseguem vê-los em si e nos outros. Estes, porém, ainda que os denunciem, raramente são ouvidos. Quem é que, no auge do sucesso e bem-estar consigo mesmo, no cume do brilho da beleza e juventude, vai ouvir um homenzinho qualquer, sem prestígio, feio, pobre e desprezado e que, ainda por cima, fala de renúncia a si mesmo pelo bem do outro, fala da estreiteza do caminho e da porta, ensina a escolher o segredo escondido no amargo?

Ninguém o ouviria! Por isso é difícil a um homem cheio de si ter a vida eterna. Por isso é mais fácil fazer um camelo passar pelo buraco de uma agulha, como diz Jesus sobre o homem cheio de si. O homem, coitado, prefere o prazer momentâneo dos valores voláteis preconizados por seu egoísmo que a conquista permanente dos valores enraizados na doce-amarga renúncia do amor.

Pústulas… visíveis no belo rosto de Yushchenko. Invisíveis no coração do homem. Resultado, ambas, de venenos e vírus inculcados por inimigos. Fruto, em ambos os casos, de alguém cego pelo orgulho, que preferiu amar a si mesmo a amar a Deus e ao outro.

Yushchenko, cedo ou tarde, voltará a ter seu belo rosto de star. Um bom médico, bons remédios, talvez uma plástica e… tchan, tchan! Fica ainda melhor que antes e ainda vira manchete!

Quem dera sua cura venha a ser uma profecia da cura das pústulas interiores do homem de hoje. Aquela a que chamamos “salvação”. Aquela conquistada exatamente por um Deus que escolheu o caminho estreito, a porta estreita que recusamos. Que uniu-se à humanidade pela via da pobreza, do desprezo, da humilhação, da morte injusta, ensinando que a renúncia a si mesmo para o bem do outro é o único caminho que o amor conhece. A única cura. O único meio de devolver ao nosso deformado rosto interior a beleza que caracteriza um filho de Deus.

Leia também: “Nada te perturbe”

Maria Emmir Oquendo Nogueira
TT @emmiroquendo

Facebook/ mariaemmirnogueira
Coluna da Emmir – comshalom.org
Entrelinhas – Revista Shalom Maná

(Out 2008)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *