Formação

Desafio à nossa sociedade

comshalom

Cardeal Geraldo Majella Agnelo

Estão vindo a público dramas humanos de meninas que engravidam após uma história de abusos por parte de padrastos e pais.

Aferida aberta em nossa sociedade que deve ser compreendida em suascausas, implicações e respostas operativas para reduzir esses casos queconstituem uma fonte de sofrimentos, humilhações e traumas tremendos.

O drama vivido por essas meninas e suas famílias nos provoca e questiona.

Oprimeiro passo quando se enfrentam essas situações, encaminhando-aspara o que parece a melhor solução do ponto de vista dos atoressociais, é compartilhar a dor das pessoas envolvidas, acolhendo-as,ouvindo suas histórias de sofrimentos, procurando compreender quaiscircunstâncias tornaram possíveis esses abusos.

Resulta desumano reduzir esses fatos a material para defender bandeiras, para marcar pontos nas batalhas ideológicas.

Também,a imposição de solução por parte de alguns adultos que não têm nenhumcompromisso maior com as pessoas envolvidas a não ser a emissão doparecer supostamente técnico e valorativamente neutro pode agravarainda mais o sofrimento dessas pessoas, tratadas como objeto, primeiropor familiares que delas abusaram e agora por estranhos, com o sistemade saúde interferindo com o propósito de promover o aborto  a fim de“resolver” o problema, até contra a vontade das próprias meninas mães.

Valea pena perguntar-se porque acontecem abusos e violências em muitasfamílias nos dias de hoje. Que valores movem uma pessoa que abusa deuma criança indefesa e vulnerável ferindo-a no mais profundo de suaalma? Onde terá assimilado esses valores? Que escolas eles terãofreqüentado, que programas de rádio e de televisão eles terãoacompanhado, que igrejas eles terão seguido?

Tenho certeza que uma família cujos membros rezam juntos em casa aocomeçar o dia e de noite, preparando-se para dormir, que lêem oEvangelho, que procuram aprender a vida seguindo os ensinamentos deJesus Cristo, que freqüentam uma comunidade cristã ficaria livre dessesproblemas. Por isso a Igreja Católica está preocupada com aevangelização missionária em todo o Brasil, aliás, em todo o Continentelatino-americano.

Poroutro lado, a figura do pai foi tão desvalorizada e desprestigiada quepouco sobra hoje da nobreza de sua tarefa educativa. Se uma criança, umadolescente, um jovem, crescem entendendo que ser pai não significanada além de fornecer os gametas para a reprodução acontecer, se nãoassociam mais à sua condição de pai uma tarefa de fundamentalimportância, uma responsabilidade sagrada para introduzir a criança quegeraram à compreensão da realidade e da vida, conduzindo-a eacompanhando-a até a maturidade, então tudo pode acontecer. Faltando acompreensão da própria paternidade, a relação pode decair e ser vividacomo qualquer outra, não mais orientada pelo ideal da paternidade, masmovida pela busca de alguma vantagem ou de algum prazer. 

Criançasgravemente abusadas pelas pessoas que mais delas deveriam cuidarquestionam a nossa maneira de construir a sociedade moderna, a obsessãocom a qual nos dedicamos a desconstruir tudo o que nos foi legado pelatradição ou possa relembrar o horizonte religioso da vida. Pelocontrário, parece-me extremamente saudável olhar para a paternidade deDeus, o Criador, o amor com o qual acompanha a cada um, Ele que sabeaté o número dos cabelos que estão em nossa cabeça. Ele pese o nossocoração segundo à ternura e à compaixão com a qual pede o nossocoração, muitas vezes ferido pelo ódio e pelo desamor, para curá-lo.Mas, aqui se abre o misterioso espaço da liberdade de cada pessoa, pararesponder ao Seu apelo ou recusá-lo. Jesus no livro do Apocalipse diz:“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir aporta, eu entrarei na sua casa e tomaremos a refeição, eu com ele e elecomigo” (AP 3, 20). Será verdade que para ser “moderno” é necessáriorecusar essa companhia potente e misericordiosa? Não será mais sábioquem nele confia e constrói sua vida sobre essa Rocha?

Nestequarto domingo da Quaresma, ouvimos o evangelho de João 12, 20-33:“Havia alguns gregos que vieram à Jerusalém e aproximaram-se de Filipee pediram: gostaríamos de ver Jesus” para ouvi-lo e quem sabe segui-lo.E nós?


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *