Formação

Deus nos fez comunidades

comshalom

André Soares Cardoso

A essência do homem é Deus. Fomos criados à sua imagem e semelhança e por conseguinte, apresentamos características básicas e infusas dessa filiação. Desenvolvemos aspectos intrínsecos que o Criador quis que herdássemos d’Ele próprio, como sinal da semelhança divina. Um desses pontos no qual vamos nos deter é a unidade, mola propulsora da vida em comunidade, jorrada do próprio seio da Santíssima Trindade. A Trindade é a fonte de toda comunhão, é dela e a partir dela, que todo o amor humano, e conseqüentemente toda doação se manifestam numa abertura para o outro. Aí está a base de toda comunidade.

O tripé que sustenta toda a vida em sociedade: Unidade, Doação e Abertura. Sem eles deixamos de nos assemelhar à Trindade, fugindo do desígnio divino para a vida em comum. Antes de ser obra dos homens, a comunidade é um Dom de Deus, que chamou cada um de seus membros para entrar em íntima relação com Ele e com os outros, isto é, à comunhão interpessoal e à fraternidade universal (1). Essa é a síntese da vocação humana: Viver em comunhão com Deus e com seus irmãos.

Jesus mesmo nos ensinou, quando chamou os apóstolos pessoalmente, um a um, para participar com Ele e com os outros discípulos, da sua vida e destino (cf. Mt 3,13-15). Estava assim inaugurada a comunidade cristã, comunidade essa que vivia junto do seu mestre, que seguia os seus caminhos, e bebia suas palavras. Olhando para a comunidade dos discípulos, temos um referencial sólido de ideal de vida, de comunhão completa e dinamismo unificante, encontrando assim, seu arquétipo na vida de unidade das pessoas da Santíssima Trindade. O teólogo S. Gregório de Nazianzeno já professava essa fé na Trindade como a perfeita comunidade, quando dizia: “Nem comecei a pensar na Unidade e a Trindade me banha no seu esplendor. Nem comecei a pensar na Trindade e a unidade toma conta de mim” (2).

As pessoas divinas são realmente distintas entre si. Deus é único, mas não solitário. É o amor e a doação entre o Pai e o Filho que gera o Espírito Santo que, por sua vez, é o mantenedor dessa relação, preservando assim a unidade. São distintos entre si pelas relações de origem: é o Pai que gera, o Filho que é gerado, o Espírito Santo que procede. A Unidade Divina é trina. Não se pode falar de comunidade cristã sem se associar à comunidade divina. Aquela nada mais é que um reflexo dessa, um transbordar do amor de Deus, do Deus Trino que quis reproduzir também entre nós um modelo de comunhão. Quis que também nós experimentássemos a alegria da individualidade e da interdependência, não nos fechando em nós mesmos.

Como sinal do trasbordamento dessa relação, temos aqui na Terra, outra semente da comunhão divina plantada por Deus para ser o berço da santidade, a célula geradora de toda comunidade cristã. Essa segunda fonte da unidade é a família que, no plano de Deus Criador, descobre toda a sua identidade e missão, que brotam do seu próprio ser e representam o desenvolvimento dinâmico das relações entre as pessoas da Trindade, haja vista que o princípio interior e propulsor da família é o amor, que deve ser gratuito e recíproco entre seus membros. A primeira comunhão acontece e se desenvolve nos próprios cônjuges, que através do pacto de amor conjugal, homem e mulher “já não são dois, mas uma só carne” (cf. Mt 19,6), e abraçam o destino, a partir de então, em conjunto e não mais individualmente, como outrora.

Uma vez instaurada, e por ser reflexo da unidade Trina é, por conseguinte, indissolúvel. Fica fácil, então entender e assumir essa condição básica e orgânica do matrimônio. É sinal do amor absolutamente fiel de Deus Pai manifesta pelo homem e que Cristo demonstra pela Igreja. Tal amor radica-se nos laços naturais da carne e do sangue vivificados na instauração e maturação dos laços ainda mais profundos e ricos do espírito, que anima as relações entre os mais diversos membros da família. O Espírito Santo, que se infunde na celebração dos sacramentos, é a pura raiz e o alimento constante da comunhão sobrenatural entre os componentes da família, tornando-a a perfeita extensão e continuação do amor Trinitário aqui na Terra.

Hoje, mais do que nunca, estamos conscientes dos múltiplos e complexos problemas que a família enfrenta, como instituição e como vocação. As forças inimigas sabem que conseguindo destruí-la, ou mesmo, desorganizá-la, conseguirão frustrar todo e qualquer futuro comunitário bem sucedido. Em vista disso, reforça-se a responsabilidade dos cristãos, a exemplo da Sagrada Família, que seguiu a risca os ensinamentos de Deus e viveu em função do menino Jesus tornando-O o centro da sua existência e sentido da união. Como fruto da doação dessa divina família, temos toda a Igreja contemporânea, pois foi através da Unidade e amor de Maria e José que Jesus pôde crescer humanamente e desenvolver-se em um ambiente de amor e cooperação. A pregação de Jesus certamente levou influências do modo de viver e do estilo de vida da sagrada família, gerando a comunidade dos fiéis a qual hoje fazemos parte.

No Concílio Vaticano II, essa questão já era analisada com cuidado, levando os bispos a afirmarem que “o bem da Igreja da sociedade está intimamente ligado ao bem da família” (3). Não pode haver comunidades santas sem famílias igualmente santas, visto que toda família é reflexo e extensão do amor da Trindade, levando seus membros a ansiarem uma doação maior a Deus e aos irmãos, fazendo-os renunciar a diversas coisas (muitas vezes lícitas) por amor a Cristo, ao ponto de deixar suas famílias de origem e se congregarem na nova família cristã que escolheram.

Não por acaso é que o número de comunidades com pequeno número de membros tem aumentado. As exigências apostólicas e os apelos mais insistentes do coração do homem impulsionam-lhe cada vez mais a ocupar um lugar onde possa ficar mais próximo de Deus, mais parecido com a Trindade, pois a vocação é a expressão do Dom de si a Deus e à Igreja. A vocação do homem não é só um chamado individual, mas uma convocação em conjunto com o outro, compartilhando a existência diária, os problemas e as alegrias, de acordo com o carisma e a característica de cada comunidade. Quando o homem aí se realiza, descobriu o chamado do Senhor para si. Nesse novo contexto em que está inserido, o tripé da Abertura, Doação e Unidade, novamente torna-se fundamental para a coexistência em comum e conseqüentemente para a subsistência da comunidade a que pertence. É vivendo com perfeição nossa comunidade humana que estaremos aptos a entrar, no dia da nossa morte, na Unidade perfeita da Trindade.

Notas bibliográficas:
1- Gaudim et Spes, 3.
2- Orígenes 40,41.
3- Gaudium et Spes, 47; Familiares Consortio, 3.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *