Formação

Domingo: o “dia supremo da fé”

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

João Paulo II falou sobre a importância do Domingo na vidado cristão. Dentre outras coisas disse que quando o domingo perde o seusignificado e fica subordinado a um conceito profano de fim de semana, dominadopor atividades de diversão e esportes, as pessoas ficam presas em um horizontetão estreito que mal podem enxergar a vida que os transcende. Vale a pena ler erefletir.

 

O convite de Nosso Senhor "vem e segue-me" (Mt 4,19) é tão válido hoje como foi nas margens do mar da Galiléia há mais de doismil anos. A alegria e a esperança do discipulado cristão marcam a vida deinúmeros padres australianos, religiosos, homens e mulheres de fé que juntosprocuram responder ao chamado de Cristo e trazem sua verdade para ser exercidana vida eclesial e cívica da vossa nação. Não obstante isso, perniciosasideologias de secularismo encontraram terreno fértil na Austrália. Na raíz dessedesenvolvimento preocupante, há a tentação de promover uma visão da humanidadesem Deus. Isso aumenta o individualismo, rompe o vínculo essencial entre aliberdade e a verdade e corrompe o relacionamento que caracteriza a vida socialgenuína. Os vossos relatórios descrevem algumas das conseqüências destrutivasdesta eclipse do sentido de Deus: o enfraquecimento da vida familiar; oafastamento da Igreja; uma limitada visão de vida que não consegue despertarnas pessoas o chamado sublime a "voltar-se também para uma realidade que otranscende".

Diante destes desafios, quando os ventos nos são contrários(cf. Mt 6, 48), diz o próprio Senhor: "Coragem, sou eu, não temais"(Mc 6,50). Permanecendo firmes na esperança também vós podeis afastar aapreensão e o medo. Sobretudo numa cultura do "aqui e agora" osBispos devem distinguir-se como impávidos profetas, testemunhas e servos daesperança de Cristo. Ao proclamar esta esperança que emana da Cruz, estouconfiante de que guiareis os homens e as mulheres das sombras da confusão morale do modo de pensar ambíguo para o fulgor da verdade e do amor de Cristo. Defato, somente compreendendo o destino final da humanidade, ou seja, a vidaeterna no Céu, é possível explicar a multiplicidade das alegrias e dosdesprazeres quotidianos, consentindo às pessoas abraçar o mistério de sua vidacom confiança.

O testemunho da Igreja a respeito da fé que ela detém (cf.1Pd 3,15) é particularmente poderoso quando se reúne para o culto. A Missadominical, dada a sua especial solenidade e a presença obrigatória dos fiéis, eporque vem celebrada no dia em que Cristo venceu a morte, expressa com grande ênfase adimensão eclesial inerente à Eucaristia: o mistério da Igreja torna-se presentede modo muito tangível. Consequentemente, o domingo é o "dia supremo dafé", "um dia indispensável", "o dia da esperançacristã!".

Qualquer enfraquecimento na observância dominical da SantaMissa, enfraquece o discipulado cristão e ofusca a luz do testemunho dapresença de Cristo no nosso mundo. Quando o domingo perde o seu significadofundamental e se torna subordinado a um conceito secular de "fim desemana" dominado por coisas como o entretenimento e o desporto, as pessoaspermanecem fechadas num horizonte tão limitado que não conseguem mais ver océu. Em vez de ser verdadeiramente satisfeita ou animada permanece aprisionadaem considerações sem sentido do novo e privada do vigor perene da "águaviva" (Jo 4,11) de Cristo. É evidente que a secularização do dia do Senhorcompreensivelmente vos causa muita preocupação; porém, podeis obter conforto dafidelidade do próprio Senhor, que continua a convidar o seu povo com um amorque desafia e convoca. Exortando os caros fiéis na Austrália e de modo especialos jovens a permanecerem fiéis à celebração da Missa dominical, faço minhas aspalavras da Carta aos Hebreus: "Sem esmorecer, continuemos a afirmar anossa esperança (…) não deixando as nossas reuniões (…) mas animando-nosuns aos outros" (Hb 10, 23-25).

A vós, como Bispos, sugiro, enquanto moderadores daliturgia, que deis a prioridade pastoral a programas catequéticos que ensinemaos fiéis o verdadeiro significado do domingo e lhes inspirem a observá-loplenamente. Para tal fim, reitero a leitura da minha Carta Apostólica DiesDomini. Ela delineia o caráter peregrino e escatológico do Povo de Deus quehoje pode ser tão facilmente esmaecido por uma compreensão sociológicasuperficial da comunidade. Memorial de um evento passado e celebração dapresença viva do Senhor Ressuscitado em meio do seu povo, o domingo olha tambémpara a glória futura da Sua nova vinda e para a plenitude da esperança e daalegria cristã.

Intimamente ligada à liturgia está a missão da Igreja deevangelizar. Enquanto a renovação litúrgica, ardentemente desejada peloConcílio Vaticano II, levou justamente a uma participação mais ativa econsciente dos fiéis em suas próprias tarefas, este envolvimento não devetornar-se um fim em si mesmo. "A finalidade que tem o estar com Jesus, épartir de Jesus, sempre contando com o seu poder e a sua graça". Éprecisamente esta dinâmica que vem articulada pela oração depois da comunhão epelo rito conclusivo da Missa. Mandados pelo mesmo Senhor para a vinha, aprópria casa, o lugar de trabalho, a escola, as organizações cívicas osdiscípulos de Cristo não podem estar "numa praça desocupados" (Mt20,3), nem podem estar tão profundamente imersos na organização interna da vidaparoquial a ponto de serem desobrigados do mandamento de evangelizar os outrosde modo ativo. Renovados pela força do Senhor Ressuscitado e pelo seu Espírito,os seguidores de Cristo devem retornar para a sua "vinha" ardentes dodesejo de "falar" de Cristo e de "mostrá-lo" ao mundo.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *