Formação

Dúvidas sobre o batismo das crianças

comshalom

16. É à luz da doutrina acima (ler artigo ) recordada que devem ser julgadas certas opiniões, que se exprimem nos nossos dias a respeito do Batismo das crianças, às quais tendem a pôr em discussão a legitimidade desta prática como norma geral.
Batismo e ato de fé

17. Partindo da consideração de que nos escritos do Novo Testamento o Batismo se segue à pregação do Evangelho, supõe a conversão e é acompanhado da profissão de fé, e ainda de que os efeitos da graça (remissão dos pecados, justificação, regeneração e participação da vida divina) são geralmente postos em conexão mais com a fé do que com o Sacramento [28], alguns propõem que a sucessão "pregação – fé – sacramento" seja estabelecida como norma, a qual, fora do caso de perigo de morte, se aplique também às crianças; e que para estas seja instituído um catecumenato obrigatório.

18. É fora de dúvida que a pregação apostólica se dirija normalmente a adultos, e que os primeiros batizados foram homens convertidos à fé cristã. Como estes fatos são narrados pelo Novo Testamento, pode daí originar-se a opinião de que neles não é tida em consideração senão a fé dos adultos. Todavia, como se recordou mais acima, a prática do Batismo das crianças apóia numa tradição imemorial, de origem apostólica, cujo valor não pode ser refutado; além disso, nunca se administra o Batismo sem a fé, que, no caso das crianças, é a fé da Igreja.

Por outro lado, segundo a doutrina do Concílio de Trento sobre os Sacramentos, o Batismo não é somente um sinal da f é, mas também a sua causa [29]. Ele opera no batizado "a iluminação interior" e, por isso, a liturgia bizantina o chama justamente "sacramento da iluminação" ou simplesmente "iluminação", quer dizer fé recebida que invade a alma, para que, diante do esplendor de Cristo, caia o véu da cegueira [30].

Batismo e apropriação pessoal da graça
19. Diz-se também que toda a graça, dado que é destinada a uma pessoa, deve ser acolhida conscientemente e tornada própria por aquele que a recebe; e as criancinhas são absolutamente incapazes de fazer isso.

20. Na realidade, a criança é uma pessoa muito antes de ser capaz de manifestá-lo mediante atos de consciência e de liberdade; e, como tal, pode já tornar-se, pelo sacramento do Batismo, filha de Deus e co-herdeira com Cristo. A sua consciência e a sua liberdade poderão em seguida, a partir do despertar de tais faculdades, disporem das energias infundidas na sua alma pela graça batismal.

Batismo e liberdade da criança
21. Objeta ainda que o Batismo das criancinhas constituiria um atentado à sua liberdade; seria contra a dignidade da pessoa impor-lhes obrigações religiosas, que terão de observar no futuro e que, mais tarde, elas virão talvez a recusar. Seria melhor não conferir o Sacramento senão naquela idade em que se tenha tornado possível um compromisso livre. Entrementes, os pais e os educadores deveriam comportar-se com reserva e abster-se de todas as pressões.

22. Mas uma tal posição é absolutamente ilusória: não existe liberdade humana assim tão pura, que possa considerar-se absolutamente imune de todos os condicionamentos. Mesmo no plano natural os pais fazem para os seus filhos opções indispensáveis à vida destes e à sua orientação para os verdadeiros valores. Um modo de comportar-se da família que pretendesse ser neutra em relação à vida religiosa da criança, na prática acabaria por ser uma escolha negativa, que a privaria dum bem essencial.

Quando se pretende dizer que o sacramento do Batismo compromete a liberdade da criança, esquece-se sobretudo que todo o homem, mesmo o não batizado; enquanto criatura, tem para com Deus deveres imprescritíveis, que o Batismo ratifica e eleva com a adoção filial. Além disto, esquece-se que o Novo Testamento nos apresenta a entrada na vida cristã, não como uma servidão ou uma coação, mas como o acesso à verdadeira liberdade [31].

Poderá acontecer, certamente, que a criança, chegando à idade adulta, se recuse a observar os deveres que derivam do seu Batismo. Os pais, à parte o sofrimento que possam sentir com isso, não devem arrepender-se de ter mandado batizar os próprios filhos e de lhes ter dado uma educação cristã, como era seu direito e seu dever [32]. Com efeito, não obstante as aparências, os germes da fé depositados na sua alma poderão um dia "revivescer", para o que os mesmos pais contribuirão com a sua paciência, o seu amor, a sua oração e o seu testemunho autêntico da própria fé.

Batismo e situação sociológica
23. Em atenção aos vínculos que ligam a pessoa à sociedade, alguns julgam que numa sociedade de tipo homogêneo, na qual os valores, os juízos e os costumes constituíssem um sistema coerente, o Batismo das crianças ainda se apresentaria conveniente; mas nas sociedades pluralistas dos dias de hoje, caracterizadas pela instabilidade dos valores e pelos conflitos ideológicos, esta prática seria contra-indicada. Em tal situação, convirá esperar até que a personalidade do candidato esteja suficientemente amadurecida.

24. Sem dúvida, a Igreja não ignora que deve ter em conta a realidade social. Todavia, os critérios da homogeneidade e do pluralismo são apenas indicativos e não podem estabelecer-se como princípios normativos, porque eles são inadequados para resolver uma questão propriamente religiosa que, por sua natureza, compete à Igreja e à família cristã.

O critério da "sociedade homogênea" permitiria sustentar a legitimidade do Batismo das crianças, se essa sociedade fosse cristã; mas levaria a negá-la no caso de as famílias cristãs serem minoritárias; e isto, quer no caso de uma sociedade com predomínio ainda pagão quer no caso de um regime de ateísmo militante, é uma coisa evidentemente inadmissível.
Quanto ao critério da "sociedade pluralista", não tem mais valor que o precedente, porque neste tipo de sociedade a família e a Igreja podem agir livremente e, portanto, podem dar uma formação cristã.

De resto, uma reflexão sobre a história demonstra claramente que a aplicação destes critérios "sociológicos" nos primeiros séculos teria paralisado a expansão missionária da Igreja. Convém ainda acrescentar que, nos nossos dias, muitas vezes se invoca o "pluralismo", a fim de paradoxalmente, impor aos fiéis comportamentos que, na realidade, dificultam o uso da sua liberdade cristã.

Numa sociedade em que a mentalidade, os costumes e as leis já não se inspiram no Evangelho, é de suma importância, pois, que no respeitante às questões suscitadas acerca do Batismo das crianças, se tenha em conta antes de mais a natureza e a missão próprias da Igreja. O Povo de Deus, embora se ache a viver inserido na sociedade humana e apesar de fazer parte de diversas nações e culturas, possui uma sua identidade própria, caracterizada pela unidade da fé e dos Sacramentos. Animado pelo mesmo espírito e pela mesma esperança, ele é um todo orgânico, capaz de criar nos diversos grupos humanos as estruturas necessárias ao seu crescimento. A pastoral sacramental da Igreja, em particular a do Batismo das crianças, deve inserir-se neste contexto, e não depender unicamente de critérios tomados por empréstimo das ciências humanas.
Batismo das crianças e pastoral sacramental

25. Finalmente, encontramos uma outra crítica quanto ao Batismo das crianças: este seria fruto duma pastoral destituída de impulso missionário, mais preocupada em administrar um Sacramento do que em suscitar a fé e promover o compromisso evangélico. Mantendo-a, a Igreja cederia à tentação do número e da "instituição" social; estaria a favorecer a persistência duma "concepção mágica" dos Sacramentos, quando é seu dever ter sempre em vista a atividade missionária, fazer maturar a fé dos cristãos, promover o seu compromisso livre e consciente e, por conseqüência, admitir fases na sua pastoral sacramental.

26. O apostolado da Igreja deve tender, sem dúvida, a suscitar uma fé viva e a favorecer uma existência verdadeiramente cristã; mas não se podem aplicar, pura e simplesmente, as exigências da pastoral sacramental dos adultos às criancinhas que são batizados "na fé da Igreja", como se disse acima. Além disto, não se pode tratar de ânimo leve a questão da necessidade do Sacramento, que conserva todo o seu valor e a sua urgência, sobretudo quando se trata de assegurar a uma criança o bem infinito da vida eterna.

Quanto à preocupação do número, se ela for retamente entendida não é para a Igreja uma tentação ou um mal, mas um dever e um bem. Definida por São Paulo o "Corpo" de Cristo e sua "plenitude" [33], a Igreja é no mundo o sacramento visível de Cristo; a sua missão é estender a todos os homens o vínculo sacramental que a une ao seu Senhor glorificado. Por isso, ela não deseja senão conferir a todos, tanto às crianças como aos adultos, o primeiro e fundamental Sacramento, que é o Batismo.

Assim compreendida, a prática do Batismo das crianças é autenticamente evangélica, dado que a mesma tem um valor de testemunho; porque ela manifesta a iniciativa de Deus em relação a nós e a gratuidade do seu amor que abrange a nossa vida toda: "Não fomos nós que amamos a Deus, mas foi Ele que nos amou… Nós amamos, porque Ele próprio nos amou primeiro a nós" [34]. Mesmo no caso dos adultos, as exigências ligadas à recepção do Batismo [35] não devem fazer esquecer que Deus "nos salvou, não por causa das obras de justiça que tivéssemos feito, mas par misericórdia, mediante o batismo de regeneração e renovação do Espírito Santo" [36].


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *