Formação

Ecologia Humana

comshalom

O caminho deste Ano Novo de 2010 clamapor redobrada atenção de todos os cidadãos para as sérias ameaças à pazmundial. A mensagem do Santo Padre Bento XVI para o Dia Mundial da Paz,celebrado no primeiro dia deste ano, recorda o Papa João Paulo II emsua mensagem com o tema Paz com Deus criador, paz com toda criação, queé fundamental ter em devida consideração as relações que se estabelecementre as criaturas de Deus e o universo que as circunda. Éincontestável que o desrespeito à natureza é uma causa forte de ameaçaà paz mundial. A consciência ecológica, então, “não deve ser reprimida,mas antes favorecida, de maneira que se desenvolva e vá amadurecendoaté encontrar expressão adequada em programas e iniciativas concretas”.

 

Há muito tempo a Igreja Católica, peloMagistério dos Papas, tem alertado e configurado um horizonte éticovisando a mudanças para este cenário estarrecedor de desrespeito evandalismos no tratamento da natureza. O Papa Paulo VI, por ocasião dooctogésimo aniversário da encíclica Rerum Novarum, do Papa Leão XIII,insistia que “por motivo de uma exploração inconsiderada da natureza, ohomem começa a correr o risco de destruí-la e de vir a ser, também ele,vítima dessa degradação”. Não é outro o cenário mundial, exigindo umapostura diferente dos cidadãos e também um investimento fortíssimo naconsciência ecológica, que não deve considerar simplesmente a naturezaem si mesma, mas articular esta consideração com a própria condiçãohumana, avaliando seriamente, para intuir modificações no modusvivendi, condutas e cidadania nas sociedades.

O Papa Paulo VI, naquela ocasião, faziauma observação de cunho profético ao dizer que, em consequência, “nãosó o ambiente material se torna uma ameaça permanente – poluições,lixo, novas doenças, poder destruidor absoluto – mas é o própriocontexto humano que o homem não consegue dominar, criando assim, para odia de amanhã, um ambiente global que se lhe poderá tornarinsuportável. Problema social de grande envergadura, que diz respeito àinteira família humana”.

Portanto, a crise ecológica que está emcurso precisa ser enfrentada incluindo também como capítulo centraltudo o que se refere à ecologia humana. Ora, há um caráterprevalentemente ético que reveste esta crise ecológica. Esta dimensãoética é de responsabilidade de todos os cidadãos. Há uma questão deordem moral que subjaz no quadro das relações entre as pessoas e anatureza, entre as criaturas e a criação. A degradação ambiental atingefrontalmente a família humana inteira. Hoje, já se fala em refugiadosambientais: pessoas que, em razão da degradação do ambiente onde vivem,se veem obrigadas a abandoná-lo, perdendo os seus bens, suas tradiçõese os elementos constitutivos de sua identidade.

A consideração, por isso, não pode serestringir ao tratamento e busca de soluções para o fenômeno dasalterações climáticas, a desertificação, deterioração e perda deprodutividade de vastas áreas agrícolas, poluição de rios, nascentes elençóis de água, a perda da biodiversidade, o aumento das calamidadesnaturais, o desflorestamento das áreas equatoriais e tropicais. O PapaBento XVI, em sua mensagem – cuidado pastoral em reacender um horizontemais largo na consideração desta crise ecológica – indica o quanto setorna urgente o capítulo que trata da responsabilidade pessoal, sociale política de cada cidadão.

Há um sério impacto no exercício dosdireitos humanos, quando se pensa o desenvolvimento, sua concepção eefetivação, o direito à vida, à saúde e à alimentação. Não se podeenfrentar, adequadamente, esta grave crise ecológica semquestionamentos cruciais quanto ao entendimento do desenvolvimento.Também não se pode prescindir de uma aprofundada avaliação, para novosentendimentos e consequente conduta nova, sobre a visão do homem e dassuas relações com os seus semelhantes e com a criação.

O Papa Bento XVI insiste na inadiávelrevisão profunda e clarividente do modelo de desenvolvimento e de todosos desdobramentos que o configuram, especialmente a economia. Estaaudácia de rever o conjunto do desenvolvimento praticado na sociedademundial vai revelando a crise cultural e moral do homem contemporâneo.Os sintomas estão se manifestando por toda parte. Os esforços precisamse multiplicar, em programas grandes e miúdos, para que uma profundarenovação cultural ocorra. O remédio para a crise ecológica não podeser simplesmente aplicado na natureza. É preciso redescobrir aquelesvalores que constituem o alicerce firme para construir um futuro melhorpara todos.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *