Formação

Educados para a vida a dois

comshalom

namorados 3Alguns rapazes e moças poderiam se casar, mas optaram pelo celibato por questão de vocação. Trocaram o círculo pelo âmbito. Vale dizer: saberiam viver no círculo familiar tão bem quanto seus pais e irmãos, mas a fé no Reino de Deus e na grande família humana os leva a ampliar seu afeto. Servem a todas as famílias e a todos os filhos sem ter a sua ou os seus. Tem a ver com fé e vocação.

Alguns rapazes e moças não deveriam se casar. Não, enquanto não aprenderem a ceder e a perder. Não basta querer o prazer do sexo, nem o prazer de ter filhos. Primeiro teriam que se mostrar capazes de viver junto com alguém do outro sexo para criar os filhos com os valores que cabeça de homem e de mulher lhes possa dar. Os eternos vitoriosos deveriam viver sozinhos por toda a vida para saborear egoisticamente cada uma de suas vitórias, já que não conseguem partilhar suas vidas nem aplaudir as luzes dos outros. Quem foi educado para conseguir tudo o que pede e tudo o que quer não está apto para a vida a dois, porque o matrimônio é esta quase simbiose de homem e mulher na qual ambos cedem e ambos conquistam, preferivelmente, juntos. Isto só se consegue quando os dois são capazes de amar. Nenhum deles pode amar pelos dois. Tem duas vertentes o rio da família.

Quando o evangelista diz que Jesus declarou o matrimônio o chamado para ser uma só carne ( Mt 19,5) e quando Neemias e (5,5) e Jeremias, 32,22 profetizam sobre a união de carnes e que Deus é Deus de toda a carne, falam do círculo e do âmbito. Falam de consanguinidade e de afinidade. Nada disso se consegue sem desprendimento.

O namoro deveria ser o tempo em que ele e ela percebem se a outra pessoa é capaz de uma vida a dois pelo tempo que durarem as duas vidas. Se na cabeça de um deles aquele amor tem prazo haverá o risco em gerar filhos e não conseguir educá-los juntos. Terão criado filhos para sofrer. Decidem desde o começo que darão só aos filhos o melhor possível, mas não o sacrifício de uma vida a dois. Uma coisa é o matrimônio que não deu certo e outra, o calculado, que tem prazo e data de validade. Casar por enquanto é o mesmo que não casar porque amor condicional não é amor. Chame-se ao arranjo de contrato, mas não de matrimônio. É isto que os católicos querem saber quando o sacerdote pergunta se aquele enlace é por toda a vida.

Pessoa com garantia absoluta não existe, mas com suficiente garantia, sim. E capacidade de amar e conviver é garantia suficiente para uma vida a dois.

 

Escola de Formação Shalom

Formação Set/2012

23.06

Pregação: Moysés Azevedo
Tempo de Duração: 80 min
Idioma do Áudio: Português
Livre para todos os públicos

Adquira [AQUI]


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *