Formação

Educar para a virturde

comshalom

A propósito da ética do “Já Que”, havia eu prometido voltar ao assunto com o objetivo de refletir um pouco sobre a “educação para virtude”. A ética do “Já que” consagra costumes que não promovem os valores da dignidade humana. Exemplificando: “já que os adolescentes muito cedo iniciam sua vida sexual, vamos distribuir ‘camisinhas’ que os protejam das doenças sexualmente transmissíveis e da gravidez precoce”. Esta forma de pensar é despejada cotidianamente na mente de nossas crianças através da propaganda pelo uso de preservativos. Já houve quem acusasse a Igreja de irresponsabilidade por se opor a essa forma de combater a AIDS e de prevenir a gravidez precoce. Ora, a posição da Igreja reflete a proposta de vida que desde sempre ela ofereceu e continua a oferecer à juventude. Essa proposta concorda plenamente com a dignidade da pessoa humana e se assenta em uma antropologia que entende a realização da pessoa humana – sua felicidade – como um processo de integração de todos os seus dinamismos no horizonte do bem, vale dizer do amor. A pessoa cresce e se torna adulta na medida em que entra na posse de si, desenvolvendo de forma harmoniosa todos os seus talentos e na medida em que se torna capaz de uma inserção construtiva e prazerosa na comunidade humana. Esse caminho supõe um processo pedagógico que ofereça, desde os primeiros anos, meios que favoreçam o desenvolvimento da pessoa e que seja cientificamente fundamentado e cimentado por um amor sincero e maduro. Tendo o processo de crescimento da pessoa como autor o próprio sujeito, é necessário que o educador e a atmosfera educativa proponham para o educando um ideal de vida, que de fato corresponda à dignidade da pessoa e aos anseios que brotam de suas estruturas profundas. Posse de si , relação ativa com o mundo e com os outros, experiência da própria identidade e de pertença à comunidade, só são possíveis mediante um continuado empenho em harmonizar as várias dimensões do próprio ser em uma unidade presidida pelo bem verdadeiro, o bem pessoal e o bem da comunidade humana. Explicitando essa harmonização, o filósofo pagão, Aristóteles, elaborou sua ética. Ele entendeu que a felicidade – objetivo de toda ação humana – está na realização do bem, do que é de verdade o bem da pessoa e da comunidade. É nesse contexto que emergem as considerações sobre as virtudes. O ser humano se realiza quando se conforma ao bem, o bem propriamente humano. Fora da prática das virtudes não há felicidade verdadeira nem para a pessoa nem para a sociedade. A tradição filosófica greco-cristã viu nas quatro virtudes: Prudência, Justiça, Temperança e Fortaleza, as bases da vida moral e o caminho certo para a realização do ser humano. Educar para a virtude exige que os educadores sejam modelos de vida e que a atmosfera cultural em que crescem as novas gerações veicule os verdadeiros valores. Decididamente adotar a prática do “Já que” na condução dos destinos da sociedade é desistir da missão de educar. Mas, é isso que estamos vendo acontecer em nossos dias. Curioso como defensores da justiça social, desprezam, na prática, a formação das pessoas para a virtude, como se fosse possível uma sociedade justa sem pessoas virtuosas. O Santo Padre se referiu a essa contradição quando afirmou: “Tanto o capitalismo como o marxismo prometeram encontrar o caminho para a criação de estruturas justas e afirmaram que estas, uma vez estabelecidas, funcionariam por si mesmas; afirmaram que, não só não necessitariam de uma precedente moralidade individual, mas haveriam de fomentar a moralidade comum. Esta promessa ideológica se demonstrou falsa. Os fatos o mostram. O sistema marxista, onde se implantou, não só deixou uma triste herança de destruições econômicas e ecológicas, como também uma dolorosa opressão das almas. O mesmo vemos também no ocidente, onde cresce constantemente a distância entre pobres e ricos e se produz uma inquietante degradação da dignidade pessoal com a droga, o álcool e os sutis simulacros de felicidade”. Ainda: “As estruturas justas são, como o disse, uma condição indispensável para uma sociedade justa, porém não nascem nem funcionam sem um consenso moral da sociedade sobre os valores fundamentais e sobre a necessidade de viver esses valores com as necessárias renúncias, inclusive contra o interesse pessoal”. Este consenso é fruto da educação, como ensino e como empenho em viver, moldando o próprio caráter, segundo esses valores. Entretanto, afirma o Santo Padre, “uma sociedade em que Deus está ausente não encontra o consenso necessário sobre os valores morais e a força necessária para viver segundo esses valores, mesmo contra seus próprios interesses”. Aqui se inscreve a missão precípua da Igreja: ser sinal de Deus no mundo. Voltaremos ao assunto.

Dom Eduardo Benes*
Arcebispo de Sorocaba (SP)


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *