Formação

Educar para as Virtudes:O nosso Catecismo ensina…

comshalom

“O trabalho é pois um dever: ‘Quem não trabalhar , tambémnão há de comer’(2Ts3,10). O trabalho honra os dons do Criador e os talentosrecebidos. Suportando a pena do trabalho, unido a Jesus, o artesão de Nazaré eo crucificado do Calvário, o homem colabora de certa maneira com o Filho deDeus na sua obra redentora. Mostra´se discípulo de Cristo carregando a cruz decada dia, na atividade que está chamado a realizar. O trabalho pode ser um meiode santificação e uma animação das realidades terrestres no Espírito de Cristo”(CIC, 2427). Esse ensinamento da Igreja mostra bem o valor sobrenatural dotrabalho do homem; e portanto, diz aos pais o quanto é importante introduzir osfilhos no mundo do trabalho com uma correta mentalidade que lhes acompanhe avida toda. O mundo da oficina deve ser tão sagrado quanto o seio da igreja ondeentramos para celebrar o Santo Sacrifício. Não podemos dividir a nossa vidanuma parte profana e outra religiosa; o mesmo Deus é o autor da fé e dotrabalho, e quer, que através de ambos cheguemos à santidade. São DomingosSávio, modelo de santidade jovem, dizia que ser santo “é cumprir bem os deverese ser alegre”. Que receita simples, nascida no coração de uma criança santa!Nós leigos somos chamados a santificar o mundo através do trabalho. Um mautrabalhador, preguiçoso, negligente, displicente, é também um mau cristão.Temos que ensinar aos nossos filhos que o trabalho não deve ser bem realizadosó quando o patrão está perto, ou quando o salário é gratificante; mas, emqualquer circunstância deve ser bem feito, para a maior glória de Deus. SãoPaulo, ao escrever aos colossenses, disse: “Tudo o que fizerdes, por palavrasou por obras, fazei´o em nome do Senhor Jesus, dando por Ele graças a Deus Pai”(Col 3,17). “Tudo o que fizerdes, fazei´o de bom coração, como para o Senhor enão para os homens. Sabeis que recebereis como recompensa a herança das mãos doSenhor. Servi ao Senhor Jesus Cristo” (Col 3,21). Esses ensinamentos doApóstolo mostram que “tudo” o que fazemos deve ser bem feito, por amor a Deus epara Deus; e, é Dele, de Suas Mãos, que vamos receber o prêmio da fidelidade deter trabalhado bem, por mais simples que seja o nosso ofício. Portanto, épreciso ensinar o filho a trabalhar como se o Senhor fosse o Patrão; e naverdade Ele é o grande Chefe desta oficina que é o mundo. Não permitam que osfilhos caminhem na ociosidade, para que não cheguem às moradas dos vícios.

 Ira e ressentimento

 O ser humano, naturalmente, é levado à ira e ao ódio quandoé contrariado e ofendido; uns mais, outros menos, conforme a própria índole. Ospais cristãos precisam ensinar aos filhos o que Jesus nos ensinou: “não pagar omal com o mal”, mas com o bem. E isto não é fácil; pois o mundo ensina sempre o“bateu, levou”, isto é, o revanchismo, a desforra. “Não resistais ao mal. Sealguém te ferir na face direita, oferece´lhe também a outra” (Mt 5,38). “Quandoo ímpio amaldiçoa o adversário, amaldiçoa´se a si mesmo” (Eclo 21,30). “Amai osvossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, orai pelos que vos maltratam eperseguem” (Mt 5,43). A marca mais distintiva do cristianismo é o perdão quevence o ódio, o desejo de vingança, a sede de represália. Sobretudo neste pontoé difícil educar os filhos porque o mundo fala´lhes uma linguagem oposta. Mas,se quisermos os nossos filhos verdadeiramente cristãos, temos que insistirnesta máxima de Cristo, o perdão. O ódio é destruidor; a violência gera maisviolência; o mundo só poderá ter paz a partir da quebra da corrente daviolência pela força do perdão. Sobretudo é preciso exigir dos filhos estecomportamento em casa, e nunca permitir que fiquem uns brigados com os outros, semse falarem, etc. “Agora, porém, deixai de lado todas essas coisas: ira,animosidade, maledicência, maldade, palavras torpes … (Col. 3,8). Os paisdevem desenvolver nos filhos a virtude da mansidão cristã que sabe perdoar.“Aquele que se quer vingar sofrerá a vingança do Senhor, que guardarácuidadosamente os seus pecados” (Eclo 28,1). “Não se ponha o sol sobre o vossoressentimento. Não deis lugar ao demônio” (Ef 4,26). O ódio é como que a cólicada alma; antes de matar o inimigo, mata primeiro, lentamente, o próprio dono. Éum lento suicídio. A cólera é como uma loucura momentânea, que se não forcontida termina em tragédia. Por isso, é sinal de sabedoria saber conter´se epassar por cima da ofensa recebida. Longe de ser um ato de fraqueza, é um gestode fortaleza, digno dos fortes. O perdão é a face mais bela do amor, por issoCristo morreu perdoando os seus algozes. Foi a maior lição que Ele nos deixou.

 Inveja e ciúmes

 Outro mal que deve ser combatido nos filhos é a inveja quese aninha no coração. Ela é mais forte e mais comum no filho inseguro; estesente´se mal diante do sucesso dos irmãos e dos amigos, e torce para que essesfracassem. O sentimento de inveja e de ciúme deve ser combatido pelabenevolência, que consiste em pensar bem dos outros, desejar o seu bem, falarbem deles, e ajudá´los nas suas necessidades. Por inveja aconteceu o primeiroassassinato da humanidade, um fratricídio, Caím matou Abel. E a bíblia nosassegura que foi por inveja que o pecado e a morte entraram em nossa história.“É por inveja do demônio que a morte entrou no mundo…” (Sb 2,24). Foi tambémpor inveja que os irmãos de José o venderam para a caravana que ia para oEgito. Também Jesus foi morto por inveja (cf. Mt 27,18), por parte daqueles quenão tinham o seu poder e a sua autoridade. “A inveja e a ira abreviam os dias,e a inquietação acarreta a velhice antes do tempo” (Eclo 30,26). A inveja é umbaixo sentimento; próprio daqueles que não se conformam com o próprio fracassoou com uma posição inferior aos outros. Devemos ensinar aos filhos secontentarem com o que são, com o que têm e com o que fazem, e lutar parasuperar a si próprios, sem a necessidade de derrubar os outros.

 Avareza e caridade

 Todos sabemos a atração que o dinheiro exerce sobre nós. Umadas piores escravidões é a dele, pois faz o homem viver em sua função,colocando abaixo dele sentimentos nobres e as próprias pessoas. Não é à toa queSão Paulo diz que: “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (1Tim 6,10).E Jesus nos alertou que “ninguém pode servir a dois senhores: a Deus e aodinheiro´ (Mt 6,24). A avareza é mostrada na Bíblia como uma idolatria (cf. Ef5,5; 1Cor 6,10) que deve ser evitada. Também aqui o exemplo dos pais, e asobriedade no uso do dinheiro, será importante para ensinar aos filhos o seuuso correto. Diz o eclesiástico: “Nada mais vil do que o amor ao dinheiro:aquele que o ama chega até a vender a sua alma” (Eclo 10,10). “Para o homemavarento e cúpido a riqueza é inútil; para que serve o ouro ao homem invejoso”(Eclo 14,3). “Quem procura enriquecer afasta os olhos de Deus” (Eclo 27,1).Muitos pais só se preocupam em trabalhar cada vez mais, e não têm tempo para osfilhos. Cobre´os com excesso de dinheiro, roupas e bens, mas deixam´lhes faltaro essencial: a sua presença. É preciso fugir desta escravidão. “As vigíliaspara enriquecer ressecam a carne, as preocupações que elas trazem tiram o sono”(Eclo 31,1). Os pais devem estimular nos filhos o amor aos pobres eensinar´lhes a importância da esmola. “Estende a mão para o pobre, a fim de quesejam perfeitos teu sacrifício e tua oferenda” (Eclo 7,36). “Encerra a esmolano coração do pobre, e ela rogará por ti a fim de te preservar de todo o mal”(Eclo 29,15). “Por causa do mandamento, socorre o pobre; e não o deixes ir comas mãos vazias na sua indigência” (29,12). O avarento é o mais infeliz doshomens pois chega a amar a seus bens mais até do que a si mesmo. O Eclesiásticolembra que: “Aquele que ama o ouro não estará isento de pecado. O ouro abateu amuitos, e os seus encantos o perderam” (Eclo 31,5´6). Todos precisamos dodinheiro para viver; portanto, em si mesmo, ele não é mal; o perigo está no“amor” ao dinheiro, isto é, na avareza. “Bem´aventurado o rico que foi achadosem mácula, que não correu atrás do outro, que não colocou sua esperança nodinheiro e nos tesouros” (Eclo 31,8). Ensinar aos filhos a prática da caridadeé a maior lição que podemos lhes dar; pois, como disse São Paulo, “a caridade éo vínculo da perfeição”(Col 3,14); “é a plenitude da Lei” (Rom 13,10); ela“encobre uma multidão de pecados”( 1Pe4,8); vivê´la “é cumprir toda a Lei e osProfetas”(Mt 22,37). Como é importante ensinar o filho a dar o pão àquele quetem fome e dar o coração àquele que está triste! Ensine´o a “fazer o bem semolhar a quem”, como diz o provérbio. E, sobretudo ajudá´los a ver o próprioCristo em cada irmão que sofre. São Bento colocou nas Regras dos seusmosteiros, esta preciosidade: “ Todo hóspede que vem ao mosteiro deve serrecebido como se fosse o próprio Cristo”. Que tal ensinar os filhos a acolheremcada um que vem a eles, pedir ajuda, como se fosse o próprio Cristonecessitado? “Que tua mão não seja aberta para receber e fechada para dar”(Eclo 4,31). A nossa mente se enriquece com aquilo que recebe, mas o nossocoração, com aquilo que dá. Paulo VI disse um dia que: “ninguém é tão rico quenão tenha o que receber, e ninguém é tão pobre que não tenha o que dar”. Mesmonos momentos de dificuldades, podemos continuar a fazer a caridade, e ensiná´laaos filhos. Se não sabemos ser generosos na penúria, também não o seremos naabundância; pois a caridade não é uma questão de quantidade, mas de qualidade.Mais do que ensinar os filhos a dar, é preciso ensinar´lhes a dar´se. Amar édar´se, gratuitamente, voluntariamente, resumiu Michel Quoist. É bonito dar denossas posses, mas é mais belo dar de nós próprios. Alguém disse que “Deus dá aquem dá, mas se doa a quem se dá”. “O Dom que cada um recebeu, ponha´o aserviço dos outros, como bons administradores da tão diversificada graça de Deus”(1Pe 4,10).

 Gula e temperança

Desde pequeno os filhos precisam ser treinados na virtude datemperança no comer. É importante ensinar´lhes que “come´se para viver, e não,vive´se para comer”. Isto desvirtua aalimentação. Voltaire dizia que “o homem éo único animal que come sem ter fome e bebe sem ter sede”. O alimento não podese transformar apenas num meio de prazer. Sabemos da importância de uma “raçãobalanceada” e dos perigos do excesso no comer. Joelmir Betting disse certa vezque “uma parte da humanidade faz regime; a outra, passa fome”. Os pais devemensinar os filhos a adquirir o equilíbrio. Não se pode permitir que o filho,diante de um prato preferido, coma sem limites… Amanhã este mesmo filho nãosaberá se dominar diante de outras situações mais graves. É imperioso ensinaraos filhos o autocontrole e a continência. Homem não é aquele que domina osoutros, mas aquele que domina a si mesmo. Por isso, a liberação desregrada detodos os instintos, é a pior escola do nosso mundo atual. Ela forma caricaturasde homens. São Paulo fala daqueles para os quais “o deus é o ventre”(Fl 3,19) eJesus manda ter cuidado sobre nós mesmos “para que os nossos corações não setornem pesados com o excesso de comer, com a embriaguez e com as preocupaçõesda vida” (Lc 21,34). O Eclesiástico ensina que: “A insônia, o mal´estar e ascólicas são o tributo do intemperante” (Eclo 31,23). “O excesso no alimento écausa de doença, e a intemperança leva à cólica”. Muitos morreram por causa desua intemperança; o homem sóbrio, porém prolonga a sua vida” (Eclo 37,32´34).

Educar para as virtudes »
Educar para as virtudes: A Televisão»
Educar para as virtudes:O nosso catecismo ensina…»
Educar para as virtudes: Caráter e Conciência»


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *