Formação

Eis o Amor!

comshalom

É sempre desafiante tratar do Amor, ainda que muitos pensadores – bastante gabaritados – já tenham se debruçado sobre o assunto. Inesgotável e infinito, o amor perpassa todas as realidades, penetra todos os relacionamentos, envolve a vida de todo homem e de toda mulher. Mas afinal, o que é o Amor? Quem é o Amor? O que faz? De onde vem? Estas perguntas, guardadas no coração de tantos, fazem-nos perceber que o Amor, embora seja comum a todos, não é óbvio; embora seja acessível a todos, não é compreendido; mesmo envolvendo a vida de todos, não é conhecido.

“Deus é amor ”, afirma-nos a I Carta de João, concedendo de forma extremamente objetiva uma resposta às nossas indagações. Este “grito” de São João nos remete à Pessoa de Deus como sendo, Ele mesmo, o próprio Amor. Superando o parecer de tantos sábios e filósofos, as Sagradas Escrituras nos apresentam o verdadeiro rosto do Amor: Deus!

Assentado sobre este horizonte que encerra “o centro da fécristã ”, Bento XVI, com extrema coragem e sabedoria, encarando a amplidão do tema, presenteou-nos com a encíclica – Deus caritas est – que nos aponta diversos elementos fundamentais acerca do Amor. Com a clareza e a profundidade teológica que lhe são próprias, o papa emérito discorre sobre o Amor e a prática caritativa eclesial, desvelando-nos, linha a linha, o mistério da verdadeira Caridade que move a vida e a missão da Igreja.

Detenhamo-nos, por ora, no valioso trecho em que Bento XVI destaca “o amor na sua forma mais radical ”, fazendo-nos contemplar a entrega de Cristo à morte de Cruz. Sim, eis o Amor! – Qual Amor? – O Total! O Pleno! É o próprio Sucessor de Pedro que, lançando um olhar para o lado aberto do Cristo na Cruz, define “em que consiste o amor ”. Encontramos, no Cristo ofertado, o amor que procuramos conhecer. E é também nele que encontramos o sentido de nosso próprio amar.

O Amor é a própria essência de Deus, sendo também sua maiore mais plena manifestação. O homem, imagem e semelhança deste Deus-Amor, encontra também na caridade a sua inteira realização. Dentro desta compreensão, concluímos que “o amar”, para o homem, não é simplesmente uma opção ou conveniência, mas é o coração de sua existência. O amor, longe de ser uma imposição, é apelo do ser para ser em plenitude, encontrando na oferta amorosa de Cristo um misterioso e inquietante modelo de felicidade.

Voltamo-nos, todavia, à infeliz realidade de muitos homens e mulheres do nosso tempo, afundados em diversas experiências medíocres, chamando-as erroneamente de “amor”. Em nossos tempos, o verbo “amar” tornou-se um agressivo sinônimo de vida auto-suficiente, de prazer imediato, conforto próprio, isolamento em si, fechamento na própria realidade. Aproximando-se dos apelos hedonistas e egoístas apresentados pelos padrões de vida hodiernos, o homem acaba por distanciar-se radicalmente da plenitude que o verdadeiro amor, e somente ele, pode forjar em seu coração.

O amor de Cristo, sim, é o verdadeiro. Entrega, oferta, renúncia e doação: estes são os sinônimos apropriados para o amor que realiza o coração. O homem de hoje sofre do tormento do desamor, do ódio a si próprio, justamente porque não ama. Viver para si é negar a si mesmo, é contrariar-se. Engolfada em seu amor-próprio, que é na verdade um não-amor, a humanidade de hoje clama pelo conhecimento de um Amor real. Em seu “não amar” ou no ilusório “amar a si mesmo”, o homem trai o seu próprio coração, empobrecendo sua dignidade. O sacrifício de Cristo, no entanto, realidade sempre atual, aponta uma senda de felicidade, digna de confiança.

Olhos no Crucificado! Convida-nos Bento XVI. Deus é amor! Conforta-nos o Apóstolo João. Dizer que Deus é amor equivale a afirmar que Deus ama. O irresistível amor que nos é dedicado por Deus provoca em nós uma exigência. “Amai a Deus e ao próximo”, “Amai-vos uns aos outros”, entoam juntos o Deuteronômio e o Evangelho, a certeza de que amor gera amor. “Sendo Deus que nos amou primeiro ”, o amor já não é mais somente um mandato, é uma resposta ao dom do Amor com que Deus vem ao nosso encontro. O “mandamento” do amor se faz possível somente porque não é pura exigência: o amor pode ser “mandado” porque foi primeiro “doado”.

Tal amor que buscamos mora em Jesus, reside na sua “escola de entrega de si mesmo” para dar vida aos outros – a nós. Lembra-nos o Papa: “Na sua morte de cruz (…) ele se entrega para levantar o ser humano e salvá-lo .” O amor é este elevar o outro, ainda que isso implique em um “baixar” para si mesmo; é caridosa descida que levanta quem está caído. Este amor cristão tem sua medida refletida no próprio Jesus, que “vai em busca da ovelha que se perdeu, até encontrá-la (…) E achando-a, alegre a põe nos ombros (…)”.

Criados à semelhança do Amor, despedaçamos nossa própria vida se não nos destinarmos a “viver de amor”, como bem afirmou Santa Teresinha. Vigorosos e felizes os que se põem a caminho de amar. Robusta, Madre Teresa de Calcutá reconheceu no rosto dos pobres a sua grande oportunidade de ser feliz: amou-os. Incansável, João Paulo II encontrou os jovens e convenceu-os a abrirem as portas a Cristo: amou-os. Felizes os santos e mártires que, a partir do seu encontro com o Deus-Amor, investiram tudo em um amar sem medidas. Para quem ama, tudo vale a pena.

“A alma que anda no amor, não cansa nem se cansa ”.Livremo-nos do “cansaço de viver” que tantos experimentam porque não amam! O sentido de nossa vida é refletir o verdadeiro rosto de Deus: o Amor!

Cristiano Pinheiro
Missionário da Comunidade Shalom


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *