Formação

Em que consiste ministério profético do cristão

comshalom

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";}@page Section1 {size:595.3pt 841.9pt; margin:2.0cm 42.55pt 42.55pt 2.0cm; mso-header-margin:35.45pt; mso-footer-margin:35.45pt; mso-paper-source:0;}div.Section1 {page:Section1;}–>

Pe.Raniero Cantalamessa, ofmcap

 

Joãoo Batista, profeta do Altíssimo

Desde o momento de seu nascimento, João Batista foisaudado por seu pai Zacarias como profeta: «E tu, menino, serás chamado profetado Altíssimo, pois irás adiante do Senhor para preparar seus caminhos» (Lc 1,76).

O que fez o Precursor para ser definido como umprofeta, e mais, «o maior dos profetas» (Lc 7, 28)? Antes de tudo, seguindo ospassos dos antigos profetas de Israel, pregou contra a opressão e a injustiçasocial. No Evangelho, nós o ouviremos dizer: «Quem tiver duas túnicas, que asreparta com o que não tem; quem tiver o que comer, que faça o mesmo». Aospublicanos [arrecadadores de impostos, ndt.], que tão freqüentemente desagravamos pobres com requerimentos arbitrários, lhes diz: «Não exijais mais do que vosestá fixado». Aos soldados, inclinados à violência: «Não façais extorsão aninguém, não façais denúncias falsas» (Lc 3, 11-14). Também as palavras sobre osvales que serão aterrados, as montanhas e colinas que serão rebaixadas e aspassagens tortuosas que ficarão retas, poderíamos entendê-las assim: «Todainjusta diferença social entre riquíssimos (as montanhas) e paupérrimos (osvales) deve ser eliminada, ou ao menos reduzida; as passagens tortuosas dacorrupção e do engano devem ficar retas».

Até aqui reconhecemos facilmente a idéia queatualmente temos do profeta: alguém que impulsiona à mudança; que denuncia asdeformações do sistema, que aponta seu dedo contra o poder em todas suas formas– religioso, econômico, militar – e se atreve a gritar na cara do tirano: «Nãote é lícito!» (Mt 14, 4).

Mas João Batista faz também uma segunda coisa: dá aopovo o «conhecimento de salvação pelo perdão de seus pecados» (Lc 1, 77). Ondeestá, poderíamos perguntar-nos, a profecia neste caso? Os profetas anunciavamuma salvação futura; mas João Batista não anuncia uma salvação futura;indica uma que está presente. Ele é quem aponta seu dedo para uma pessoae grita: «Aqui está!» (João 1, 29). «Aquilo que se esperou durante séculos eséculos está aqui, é Ele!». Que estremecimento deveu percorrer aquele dia ocorpo dos presentes que o ouviram falar assim!

Os profetas tradicionais ajudavam seus contemporâneosa superar o muro do tempo e olhar o futuro; mas ele ajuda a superar o muro,ainda mais grosso, das aparências contrárias, e permite descobrir o Messiasoculto por trás do aspecto de um homem como os demais. O Batista inauguravaassim a nova profecia cristã, que não consiste em anunciar uma salvação futura(«nos últimos tempos»), mas em revelar a presença escondida de Cristo no mundo.

O que tudo isto tem a nos dizer? Que também devemosmanter juntos estes dois aspectos do ministério profético: compromisso pelajustiça social por uma parte, e anúncio do Evangelho por outra. Não podemospartir pela metade esta tarefa, nem em um sentido nem em outro. Um anúncio deCristo, sem o acompanhamento do esforço pela promoção humana, resultariadesencarnado e pouco crível; um compromisso pela justiça, privado do anúncio defé e do contato regenerador com a palavra de Deus, se esgotaria logo, ouacabaria em estéril contestação.

Ele nos diz também que o anúncio do Evangelho e aluta pela justiça não devem ficar como coisas justapostas, sem vínculo entresi. Deve ser precisamente o Evangelho de Cristo o que nos impulsiona a lutarpelo respeito do homem, de forma que seja possível a todo homem «ver a salvaçãode Deus». João Batista não pregava contra os abusos como agitador social, mascomo arauto do Evangelho, «para preparar ao Senhor um povo bem disposto» (Lc 1,17).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *