Formação

Entrega filial a Maria

comshalom

Por José C. R. Garcia Paredes

Às palavras de Jesus, “Mulher, aí está teu filho”, correspondem aquelas outras palavras de Jesus para o discípulo: “Aí está sua mãe”. Se o dever da mãe é preocupar-se com o filho, o dever do filho é acolher a mãe e fazê-la parte integrante de seu próprio mundo. A maternidade se estabelece de forma totalmente única entre mãe e filho. Uma autêntica mãe assume formas diferentes com cada um de seus filhos. A cada um deles o chama por seu nome. A cada um se entrega totalmente, mas de forma diversa. “É essencial à maternidade a referência à pessoa. A maternidade determina sempre uma relação única e irrepetível entre duas pessoas: a da mãe com o filho e a do filho com a mãe. Mesmo quando uma mesma mulher é mãe de muitos filhos, sua relação pessoal com cada um deles caracteriza a maternidade em sua própria essência. Cada filho é engendrado de um modo único e irrepetível e isto vale tanto para a mãe como para o filho. Cada filho fica envolvido, do mesmo modo, por aquele amor materno sobre o qual se baseia sua formação e amadurecimento na humanidade” (RM, 45).

Esta reflexão serve de chave para entender a única e irrepetível relação que se estabelece e deve ser estabelecida entre Maria-mãe e cada um dos fiéis. A analogia entre a maternidade física e a maternidade espiritual é sumamente válida. E o Papa acrescenta uma observação, que talvez a não poucos tenha passado despercebida. Por que Maria é confiada como mãe, não a todos os discípulos em geral, mas apenas ao “discípulo amado”? A encíclica responde: “nesta luz se torna mais compreensível o fato de que, no testamento de Cristo, junto ao Gólgota, a nova maternidade de sua mãe tenha sido expressa no singular, referindo-se a um homem” (RM, 45). Por isso, com cada um dos fiéis Maria mantém uma relação materna absolutamente peculiar. Todo fiel recebe de Cristo Redentor o dom de Maria-mãe: “um dom que o próprio Cristo faz pessoalmente a cada homem” (RM, 45). Que Maria exerce essa função materna com entrega e solicitude extraordinária já foi revelado milhares e milhares de vezes por testemunhos de cristãos através do tempo e do espaço.

À mãe que nos foi confiada como um dom, devemos portanto corresponder. Maria deve “ser acolhida” como mãe e cada um dos fiéis deve sentir-se “seu filho”. O filho tem de relacionar-se intimamente com a mãe, “entregar-se” de forma concreta, ao amor da mãe” (RM, 45). A atitude do discípulo amado, entregando-se a Maria, deve encontrar continuidade na Igreja, enquanto comunidade, e em cada um dos fiéis. “Entregando-se filialmente a Maria, o cristão ‘acolhe dentro de si’ a mãe de Cristo, introduzindo-a em todo o espaço de sua vida interior, quer dizer, em seu ‘eu’ humano e cristão” (RM, 45).

A encíclica não fala da “consagração” a Maria. Prefere aquela outra expressão, muito mais compreensível e fundamentada na palavra de Deus, de “confiança”, “entrega filial”.
Quem se entrega a Maria percebe que ela o remete imediatamente a Jesus: “Façam o que ele mandar”. Jesus é para Maria “o caminho, a verdade e a vida”, é o enviado do Pai. Maria sabe que é sua “serva”. Maria leva seus filhos a descobrir a “insondável riqueza de Cristo” (Ef 3,8).
Maria, mãe-esposa-virgem, é para a Igreja e para cada um dos cristãos o modelo, a imagem daquilo para o qual foram chamados a ser. Como dizia Paulo VI: “A Igreja encontra em Maria a mais autêntica forma de perfeita imitação de Cristo” (discurso de 21 de novembro de 1964).

Extraído de: Paredes, José C. R. García. A verdadeira história de Maria. 2ª ed. São Paulo: Ave-Maria, 1991, pp. 87-88.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *